8 de Julho de 2017 - 8h07

Pragmatismo, doença senil do comunismo 

Elder Vieira *

Sexta retrasada, mencionando uma aula sobre tática e estratégica que ministrara, esse pobre teclador fez figurar neste Portal Vermelho um artigo de alerta contra o purismo, expressão do esquerdismo, virose pueril que não raro acomete novos e velhos combatentes das mais nobres causas. Judiei de leitores e leitoras tentando demonstrar, ao refletir sobre o conceito de 'campo político', como essa enfermidade compromete, tanto os interesses futuros, como a tática imediata dos trabalhadores em sua luta contra o capital, bem como sua independência em face de outras forças políticas em contenda.


Hoje testo mais uma vez vossa paciência, caro leitor, cara leitora. Venho gastar bytes com outra patologia política que, não tratada, finda por se tornar epidemia: o pragmatismo, uma das manifestações contemporâneas do reformismo, conhecido velho dos trabalhadores desde o século XIX.

O reformista acredita no gradualismo, na progressividade, na evolução. Bota fé que um novo tempo e o novo mundo dentro deste novo tempo virão sem rupturas, sem sacolejos de monta, sem abalos sísmicos. De reforma em reforma, de compensação em compensação, o povo encherá o papo.

O reformista é um 'possibilista'. Segue a máxima de Ulisses Guimarães, cacique do PMDB falecido em desastre aéreo (algo, ao que parece, usual entre políticos e autoridades brasileiras), líder da redemocratização do Brasil pós Ditadura: "A política é a arte do possível".

Se o esquerdista se impacienta como menino birrento com o conceito de transição, o reformista, feito ancião pachorrento, crê numa transição sem fim, em que antagonismos serão esbatidos num ambiente rico de contradições que, de per si, qual regatos, passarão de um para outro nível de qualidade.

Sendo um possibilista, o reformista, via de regra, é um 'pragmático': só importa aquilo que tem utilidade. Doutrina, teoria, códigos, posturas precisam achar justificação na utilidade para a solução política imediata de conflitos ou para o atendimento de necessidades. Todo o resto é perda de tempo.
No capítulo Tática e Estratégia, é uma máxima comunista a frase: "Todo o procedimento político visa à acumulação de forças". Se o sectário, em sua vã impaciência, considera que em nove décadas já se acumulou em demasia e que é hora de gastar o capital revolucionário com ações diretas, o pragmático é um acumulador: sempre há de achar que o saldo da poupança política está baixo, e, em nome de uma sempiterna 'construção de hegemonia', se recusa ao salto.

Ocorre que os trabalhadores não acumulam força para terem uma conta corrente política gorda que os capacite a negociar com as forças do capital em condições mais vantajosas, ponto. Negociar com o capital em situação mais favorável, em posição de força, importa, e muito, para atender os interesses imediatos da classe e do povo. Na medida em que propicia arrancar ao adversário terreno, é parte do processo de acumulação. Todavia, essa acumulação de forças visa ao salto; é para que se proceda a rupturas; para que, em última instância, se conquiste o poder.

O olho do pragmático está posto na utilidade, no ganho imediato. A mirada do líder da vanguarda descansa nos objetivos estratégicos. Este último se pergunta em que medida tal ou qual procedimento tático, este ou aquele posicionamento político, esta ou aquela aliança colabora com acumular para a causa transformadora.

Dito assim, tá mamão com mel. O diabo é saber identificar, no emaranhado de possibilidades, qual a mais adequada. Quando o momento é de defensiva, como esse em que vivemos, tudo se complica. Ainda mais se estão em jogo, nesse cenário de proto-Regime de Exceção, as condições de atuação do instrumento dos trabalhadores e do povo brasileiro para a transformação radical da sociedade: o Partido Comunista.

O purista, convicto de que a História o absolverá, clamará pelo assalto aos céus e recusará qualquer acordo ou armistício, mesmo que isso custe vidas e anos de acúmulo. "Às massas, camaradas!", bradará. Já o pragmático, cheio de sagacidade, numa dialética rocambolesca, se bobear, chega a propor que se ocupe, mediante módico aluguel, um cômodo na casa do inimigo. "Ao acordo, meus amigos", é o que sempre proporá, mesmo que isso custe sua independência e a dos seus.

O pragmatismo é uma corrente de pensamento norte-americana criada pelo filósofo e matemático Charles Sanders Peirce, que viveu entre 1839 e 1914. Filha rebelde do empirismo inglês, não passa de um mal disfarçado materialismo metafísico. Ainda faz muito sucesso nas terras do Tio Sam, em especial, entre homens de negócio e políticos, não importa se democratas ou republicanos. É um pensamento fácil de cultivar: qual mato, esparge suas sementes por meio do vento e qualquer terra ou clima as recebe bem, ainda mais se adubadas pelo senso comum de que uma ideia vale sua utilidade prática imediata.

O pragmático, tomado no sentido estiolado do termo, consciente ou não, bebe nessa fonte e procura instalar bebedouros dela em diferentes organizações. Porque não consegue, ou não quer, ir além da aparência dos fenômenos, apresenta soluções fáceis e rápidas para problemas da mais alta complexidade. Não se interessa muito em avaliar impactos. Suas projeções são a de um jogador de, no máximo, cinco lances. Mas como é rápido no raciocínio e apresenta saídas concretas, está sempre bem na fita; é valorizado.

A esta altura, é possível que o leitor, enfarado, exausto, conclua:

- Rapaz, a vida de vocês né mole não - diga aí.

Né não. Mas a gente gosta. É dando bordoada nos oportunismos à esquerda e à direita (bordoada política - quando muito, científica - é bom que se diga) que nosso bloco segue e se fortalece nesta vida e neste Brasil de todos nós.

* Escritor, servidor público, militante do PCdoB desde 1983

* Opiniões aqui expressas não refletem necessariamente as opiniões do site.


  • VOLTAR
  • IMPRIMIR
  • ENCAMINHAR