Júlio Filgueira

A construção do Mapa Estratégico da atuação do PCdoB

Apresentados alguns elementos trazidos nos artigos anteriores, vamos procurar a partir desse texto percorrer os momentos metodológicos do processo de planejamento estratégico, sempre procurando um paralelo entre diferentes referenciais metodológicos e o desafio de elaborar um método próprio coerente e condizente com a realidade partidária.

Qualquer processo de planejamento estratégico deve prever como um de seus primeiros elementos a definição da visão da gestão estratégica. É, digamos, o gesto inaugural do processo. Nele deverão comparecer elementos que explicitem a visão direcional de longo prazo da organização. É mais do que a simples proclamação de propósitos ou de princípios que norteiam a própria existência da organização, trata-se de identificar, em um dado horizonte de tempo ou momento histórico, quais os direcionadores da grande estratégia e qual a sua visão de futuro, seja ela imediata, de curto prazo, ações de médio e de longo prazo, que deverão perpetuar de certa forma os propósitos da organização.

A – MISSÃO

Segundo KOTLER (1998), uma organização não se define apenas pelo seu nome, constituição ou serviço que oferece, ela se define, sobretudo, pela sua MISSÃO. Somente uma definição clara da missão torna possíveis, claros e realistas os objetivos da organização. No caso do PCdoB evidentemente que a missão está dada em termos políticos e ideológicos e se estrutura a partir da “luta contra a exploração e opressão capitalista e imperialista. Visa à conquista do poder político pelo proletariado e seus aliados, propugnando o socialismo científico. Tem como objetivo superior o comunismo” (Estatuto do PCdoB, 2017).

ARTIGO 1º
O Partido Comunista do Brasil, fundado em 25 de março de 1922, reorganizado em 18 de fevereiro de 1962 e legalizado, na fase atual, em 27 de maio de 1985, é o partido político da classe operária e do conjunto dos(as) trabalhadores(as) brasileiros(as), fiel representante dos interesses do povo trabalhador e da nação. Organização política de vanguarda consciente do proletariado, guia-se pela teoria científica e revolucionária elaborada por Marx e Engels, desenvolvida por Lênin e outros revolucionários marxistas.
O Partido Comunista do Brasil luta contra a exploração e opressão capitalista e imperialista. Visa à conquista do poder político pelo proletariado e seus aliados, propugnando o socialismo científico. Tem como objetivo superior o comunismo. Afirmando a superioridade do socialismo sobre o capitalismo, almeja retomar um novo ciclo de luta pelos ideais socialistas, renovados com os ensinamentos da experiência socialista do século XX, e desenvolvidos para atender à realidade do nosso tempo e às exigências de nosso país e nossa gente. Ao mesmo tempo, no espírito do internacionalismo proletário, apoia a luta anti-imperialista de todos os povos por sua emancipação nacional e social, soberania nacional e pela paz mundial.
O Partido Comunista do Brasil é uma organização de caráter socialista, patriótica e anti-imperialista, expressão e continuação da elevada tradição de lutas do povo brasileiro, de compromisso militante e ação transformadora contemporânea ao século XXI, inspirada pelos valores da igualdade de direitos, liberdade e solidariedade, de uma moral e ética proletárias, humanistas e democráticas.


 
Ao alinhar os propósitos, as necessidades e as expectativas dos diversos atores envolvidos – e fazê-lo de forma compatível com a missão – a organização cria uma arquitetura estratégica eficiente e eficaz, entregando os resultados esperados pelas partes envolvidas.

O que definitivamente assegura a efetividade da estratégia implementada são os resultados obtidos. Por meio deles, materializa-se a missão, cumprindo-se sua finalidade em dado horizonte de tempo. No âmbito interno, a definição da missão auxilia os processos de motivação da equipe, orientando os esforços de dirigentes, militantes, filiados(as) e amigos(as) para a conquista dos nossos objetivos.

A missão é o principal fator de unidade em uma organização, porque explicita sua razão de ser e possibilita a concentração de esforços em uma direção comum, a alocação dos recursos, o estabelecimento de áreas amplas de responsabilidade por tarefa e o pleno atendimento dos objetivos e dos compromissos assumidos.

B – VISÃO DE FUTURO

De acordo com COLLINS (1993) a visão é o elemento que orienta qual a essência a ser preservada e indica o futuro para o qual o progresso deve ser direcionado. Nesse sentido, é fundamental para implantação das estratégias pretendidas e para guiar com maestria os valores que moldam a organização.

A visão é a idealização de um futuro desejado. Seu enunciado deve ser claro, envolvente, fácil de memorizar, compatível com os valores da organização, representativo e possível de ser alcançado. É um lema motivacional, com objetivo de criar uma imagem que desafie e mobilize todas as pessoas envolvidas na construção dessa conquista.

Formalmente não existe um horizonte de tempo fixado para a projeção da visão de futuro. As percepções de curto, médio e longo prazos, também não explicitam numericamente este tempo. A estratégia e a organização das atividades é que nos darão esta percepção. É o que chamaremos mais à frente de Plano Estratégico.

O Programa Socialista é a referência política para a formulação da visão de futuro do PCdoB.

C – VALORES

A unidade em torno da missão e da visão de futuro não pode prescindir de um pacto entre todos(as) os(as) envolvidos(as) estabelecido em torno de determinados valores que orientam a atuação.

Valores são princípios e atitudes que dão personalidade à organização. No caso do PCdoB, valores como o internacionalismo, a solidariedade, a unidade, entre outros definindo uma “ética própria” e/ou “referência moral" para a atuação das pessoas e da Organização como um todo.

D – DIRETRIZES ESTRATÉGICAS

As Diretrizes Estratégicas compõem juntamente com a Missão, a Visão e os Valores, o conjunto de direcionadores estratégicos que tem por objetivo o alinhamento das ações políticas e de estruturação partidária.

A responsabilidade por definir as diretrizes cabe ao Congresso do PCdoB, que define, à luz da conjuntura vigente em cada quadra histórica, qual deve ser a estratégia e tática dos comunistas para o período de quatro anos, entre um e outro congresso. É, portanto, expressão de um esforço que considera o Programa Socialista, enquanto visão programática, o levantamento situacional (análise da realidade concreta), a correlação de forças, o estágio da luta política em cada uma das suas dimensões e os objetivos definidos.

O objetivo dessas Diretrizes Estratégicas é possibilitar que cada dirigente e cada militante possam avaliar permanentemente as informações provenientes da fase de diagnósticos, a contextualização das ideias estratégicas e das tendências, e a indicação de Resultados Esperados que possam ser assumidos pelas instâncias e frentes de atuação sem que essas atividades se distanciem da visão e dos objetivos. Elas devem indicar os FOCOS que orientam a ação do Partido e em torno dos quais devem ser formulados RESULTADOS ESPERADOS, PROJETOS e METAS.

As Diretrizes Estratégicas constituem o principal fator de ALINHAMENTO da gestão, em outras palavras, as resoluções do Congresso do PCdoB constituem o principal fator de alinhamento dos comunistas brasileiros.

E – FOCO

O planejamento estratégico, em sua fase normativa, deve propugnar também pela viabilidade do plano. De nada adianta um bom plano, bem fundamentado, mas que não sai do papel. Isso nos remete à necessidade de identificar o foco de cada etapa. Em um ambiente onde os recursos são escassos – sobretudo os recursos: força política e tempo – subestimar essa necessidade pode levar à dispersão, ao voluntarismo e ao espontaneísmo, fenômenos que justamente o processo de planejamento procura evitar.

* Publicitário, pós-graduando em Gestão de Projetos e Programas. Consultor em Planejamento e Monitoramento Estratégico, membro da Comissão Nacional de Planejamento do PCdoB e secretário estadual de juventude do PCdoB-SC.




Publicidade

TEXTOS DESTE +

OUTRAS COLUNAS