10 de fevereiro de 2017 - 22h33

Caos do Espírito Santo: gestão de Paulo Hartung só serve aos ricos


Fotomontagem: Pragmatismo Político
 O caos se instalou em diversas cidades do estado  O caos se instalou em diversas cidades do estado
A direção estadual do PCdoB no Espírito Santo divulgou nesta sexta-feira (10), uma nota oficial em analisa o grave quadro de crise que levou à mobilização de familiares dos policiais militares e bombeiros do Estado. Para os comunistas capixabas, a responsabilidade é do governador Paulo Hartung (PMDB) e sua adminstração que tem provocado o desmonte da máquina pública e a consequente precariação dos serviços.

Leia abaixo a íntegrada nota:


Caos do Espírito Santo:Gestão de Paulo Hartung só serve aos ricos

 


O Partido Comunista do Brasil – PCdoB
vem a público externar aos capixabas e ao povo brasileiro, preocupação com o caos instalado no estado do Espírito Santo, principalmente na segurança pública, sem deixar de perceber que a atual gestão, com sua administração liberal, precariza todos os setores e serviços prestado pelo governo deste estado.

Nos solidarizamos com os trabalhadores e trabalhadoras, principalmente àqueles que mais necessitam do estado, e vem sofrendo fortemente as consequências das “políticas de austeridade”, do engodo do estado mínimo (para o povo, e estado máximo para as elites), arrocho salarial, intolerância, intransigência, arrogância e falta de diálogo com os servidores e população, resultando na paralização dos serviços prestados pela Policia Militar e prestes a ter os serviços da Policia Civil também paralisados, mergulhando os capixabas num caos nunca antes visto neste estado.

O Espírito Santo segue paralisado. Comércio, escritórios e escolas fechados, sem transporte público, turistas fugindo do estado. Corpos se acumulando absurdamente no Departamento Médico Legal (quase 120 em 7 dias). Um Caos! Todos em pânico!

O governo do estado do Espírito Santo é o único responsável pela crise na segurança pública e do estado.

Não é a primeira vez que este governador causa crise na segurança pública. Na sua primeira e segunda gestão (2003-2010) foi denunciado na ONU, não contratou um só policial e ainda congelou os salários, mesmo recebendo gordos recursos do Governo de Lula.

Paulo Hartung mentiu para os capixabas, elegeu-se para seu terceiro mandato com o discurso fajuto de melhorias na saúde, educação e segurança. Prometeu melhorar a vida dos capixabas, mas na verdade sucateou o Estado, deteriorou os serviços, as escolas públicas (a Escola Viva é um fracasso), os hospitais um caos e a insegurança sempre foi um problema, mesmo quando a Polícia Militar está no exercício normal de suas atividades. Retirou do orçamento investimentos da ordem de R$ 1,3 bilhão de reais de setores sociais e serviços. Em contrapartida deu incentivos fiscais a grandes empresas, abriu mão de mais de R$ 4 bilhões em receita, gastou em 11 meses quase 20 milhões com publicidade. Transfere recursos para o setor privado e atua em total sintonia com os ricos, mas é duríssimo com o povo e suas organizações.

Foi Paulo Hartung quem faltou com a ética, com a responsabilidade, com a dignidade e com sensibilidade para com os capixabas.

O Espírito Santo segue a lógica do Brasil pós-golpe, liderado pelo usurpador Temer. Estamos numa onda profundamente conservadora de ameaças, desmonte do estado e retrocessos nas áreas sociais, ameaça as leis trabalhistas, criação de dificuldades para a aposentadoria pelo sistema público (fortalecendo a previdência privada), restrição às liberdades democráticas, entrega do patrimônio nacional às multinacionais, desmonte da engenharia nacional provocando desemprego em massa, congelamento dos investimentos em saúde, educação, segurança, ciência e tecnologia por vinte anos, uma brutal transferência de recursos públicos para o setor privado, principalmente ao sistema financeiro (em plena crise o banco Itaú anunciou um lucro líquido de R$ 22 bilhões). E a elevação de uma quadrilha ao comando do Brasil.

Aliado dos golpistas Michel Temer e Aécio Neves, Paulo Hartung representa aqui no Espírito Santo os interesses desse modelo liberal de governo, autoritário, excludente, truculento, que visa preparar o Estado para servir à elite econômica em detrimento das demandas e bem estar da grande maioria da população que mais precisa de acesso aos serviços públicos e das medidas protetivas do poder público.

Os policiais e bombeiros e seus familiares tem direto sim a reivindicar melhores condições de trabalho e salários para cumprirem seu dever decentemente.

O PCdoB, nessa situação específica, se solidariza com os trabalhadores da PM e Corpo de Bombeiros e cobra do governo do estado o imediato atendimento as justas reivindicações.

Por outro lado, esse momento é ideal para que os policiais militares também reflitam e passem a compreender que os movimentos sociais, estudantes, servidores públicos de outras categorias, professores e os diversos setores da sociedade capixaba são todos vítimas de um sistema injusto e opressor, que sempre exige o máximo e dá o mínimo (as vezes menos que o mínimo) e que mesmo sob ordens, não devem tratar com truculência e violência a população quando vai as ruas protestar e reivindicar os seus direitos.


Vitória, 10 de fevereiro de 2017

 

Partido Comunista do Brasil/Espírito Santo
Comissão Política Estadual



  • VOLTAR
  • IMPRIMIR
  • ENCAMINHAR

Últimas Mais