26 de janeiro de 2018 - 19h56

Thiago Modenesi: Em defesa da Frente Ampla e das eleições em 2018 


Divulgação
O imperativo é a formação de uma frente ampla, que garanta o Estado de Direito O imperativo é a formação de uma frente ampla, que garanta o Estado de Direito
O vice Itamar Franco conseguiu liderar uma ampla frente, construindo um governo plural, unindo do PFL a setores do PT. Houve a paralisação de agendas polêmicas e não existia ambiente para polarização radicalizada ou pautas que não fossem gerais e convergentes. Ali o país respirou e apontou para o futuro. Foi nesse momento que se deram as bases para a vitória de Fernando Henrique Cardoso, que se apoderou do Plano Real, de Itamar e Ciro Gomes. Também ali se pacificou a trilha democrática, abrindo caminho para Luís Ignácio Lula da Silva chegar ao Planalto.

Há pouco mais de um ano vivenciamos outro processo de impeachment. Foi oposto ao anterior: sem consenso nacional, com estabelecimento de polarização sobre os mais diversos temas e pautas, e com estímulo para o despertar de setores incomodados com o avanço civilizacional e do Estado de Direito no país.

O choque com o avanço de mudanças implementadas pelo governo Temer, que na essência não melhoraram a vida do povo e nem entregaram o prometido na queda de Dilma, tirou a população das ruas, estabelecendo uma sensação de letargia e um aprofundamento das contradições entre as classes sociais brasileiras, conseguindo rapidamente retornar à pobreza setores que caminhavam para a ascensão social e econômica. O país está mais dividido.

O novo governo prejudicou até os partidos que apoiaram o impeachment. A máquina federal trabalha diuturnamente para desmontar e /ou controlar DEM, PSDB e PSB. O PSDB passou um bom tempo imerso num conflito interno gerado pela sua participação no governo e na discordância de setores do partido com a radicalidade no desmonte proposto por Temer. O PSB sofreu revés também. Perdeu parte de sua bancada que migra para engordar as fileiras do PMDB de Temer. O impeachment serviu para fortalecer partidos que estavam eleitoralmente em franco descenso (PPS e DEM) e que passam a topar qualquer movimento para seguir se fortalecendo.

O imperativo vai parecendo ser a defesa da composição de uma frente ampla, que possa garantir o chamado Estado de Direito, a defesa do conquistado do pós-ditadura e na Carta Constitucional de 1988.

Isso pode se dar eleitoralmente, com várias candidaturas ao centro e a esquerda, ocupando o espaço desse debate e convergindo para a garantia dos setores progressistas no segundo turno, algo cada vez menos possível se for através da tática de concentração em uma única candidatura deste campo.

A tendência dessas eleições aponta para as múltiplas candidaturas em todos os campos, refletindo a pulverização e pluralidade que marca a sociedade nesse momento atual. O melhor resultado é o que garante a construção objetiva de uma maioria com apoio das urnas que garanta governabilidade, programa amplo e pluralidade na sustentação do novo ou da nova presidente.

(*) Prof. Dr. Thiago Modenesi é professor titular do Mestrado Profissional em Inovação da UNIFG e 'Laureate e professor colaborador do Mestrado Profissional em Gestão Pública da UFPE. É também presidente do Comitê Municipal do PCdoB em Jaboatão dos Guararapes. 


  • VOLTAR
  • IMPRIMIR
  • ENCAMINHAR

Últimas Mais