Maranhão valoriza agricultura familiar, apoia a produção e o comércio

Em 2019, trabalhadores e trabalhadoras rurais de diversas regiões do estado foram beneficiados com ações de incentivo à produção e apoio à comercialização de seus produtos

Farinha com o selo Gosto do Maranhão identifica os produtos da agricultura familiar (Foto: Divulgação)

A agricultura familiar do Maranhão fechou o ano de forma positiva. Em 2019, o Governo do Estado, por meio do Sistema SAF – Sistema da Agricultura Familiar formado pela Secretaria de Estado da Agricultura Familiar, Agência Estadual de Defesa Agropecuária e Instituto de Colonização e Terras do Maranhão -, concretizou o sonho de centenas de trabalhadores e trabalhadoras rurais de diversas regiões do estado que foram beneficiados com ações de incentivo à produção e apoio à comercialização.

Em várias regiões, o Sistema SAF garantiu a valorização da atividade da agricultura familiar, como em Chapadinha na região do Baixo Parnaíba; Viana na região da Baixada Maranhense; e Lago do Junco na região do Médio Mearim, esses municípios foram contemplados por meio de ações da cadeia agroextrativista do babaçu com reformas/construção de agroindústrias de beneficiamento de babaçu e seus derivados.

“Estamos fechando mais um ciclo de muito trabalho e muitas realizações pela agricultura familiar do Maranhão, trilhamos o caminho do desenvolvimento em parceria com os movimentos sociais juntamente com toda a equipe da SAF, Agerp e Iterma. Trabalhamos para elevar a produção da agricultura familiar e incentivar a geração de emprego e renda das famílias, concluímos o ano com saldo positivo para o desenvolvimento rural”, destacou o secretário de Estado da Agricultura Familiar, Júlio César Mendonça.

Lago do Junco, por exemplo, recebeu uma agroindústria de refino de óleo de babaçu beneficiando a Cooperativa dos Pequenos Produtores Agroextrativistas de Lago do Junco (Coopalj), que já existe há 28 anos e produzia óleo de babaçu bruto, e agora fabricam o óleo refinado, o que garante maior valor agregado ao produto.

“Quando nós, trabalhadores rurais e quebradeiras de coco, saímos da era da quebra do coco e chegamos no processamento e por último no refino, isso é de fundamental importância porque vai virar uma página da história na economia do babaçu para todas quebradeiras de coco daqui”, disse Ildo Lopes de Sousa, presidente da Cooperativa dos Pequenos Produtores Agroextrativistas de Lago do Junco.

A agroindústria de Lago do Junco tem capacidade de refino de 5 toneladas de óleo por dia e a expectativa é que sejam gerados 980 empregos diretos e 2 mil empregos indiretos.

Além da cadeia do babaçu, o Sistema SAF também trabalha com mais dez cadeias produtivas, como a da mandioca, uma das cadeias que vêm evoluindo e gerando renda para milhares de agricultores do estado. É da mandioca que são produzidos vários produtos que estão presentes na mesa dos maranhenses, como a farinha e um produto que caiu no gosto do Maranhense: a cerveja Magnífica.

O Sistema SAF inaugurou duas agroindústrias de mandioca nos municípios de Bequimão e Itapecuru-Mirim. O cultivo da mandioca no Assentamento Cristina Alves, em Itapecuru-Mirim, é um dos destaques da região. Com investimentos nesta cadeia produtiva, o Governo do Maranhão entregou uma agroindústria de beneficiamento com uma excelente estrutura física e de equipamentos, impulsionando a comercialização dos derivados da mandioca para o mercado convencional e institucional.

A qualidade da farinha produzida no Assentamento Cristina Alves elevou a produção deste produto a uma nova fase, de ser embalada e rotulada com o Selo da Agricultura Familiar, o Gosto do Maranhão, como forma de valorizar os produtos do campo, numa parceria entre o Sistema SAF e o MST.

Ter a farinha de mandioca embalada e rotulada era um sonho antigo dos agricultores familiares do Assentamento Cristina Alves, como conta o produtor Geraldo Barbosa, conhecido como Juca. “É um sonho realizado, eu estou falando em nome de todos os trabalhadores do assentamento. Essa farinha embalada e com o selo é uma realização que a gente sempre almejou há muito tempo e agora chegou a oportunidade desse sonho ser realizado”, destacou.

A mandioca também foi destaque no setor de bebidas no Maranhão com a produção da cerveja à base da mandioca, por meio de uma parceria entre o Governo do Estado e a cervejaria Ambev. Segundo dados da AmBev, entre janeiro e outubro de 2019, mais de 7 mil toneladas de mandioca foram comercializadas beneficiando agricultores familiares de 24 municípios maranhenses, incluindo agricultores familiares dos municípios atendidos pelo Plano Mais IDH – uma ação de Governo que visa a melhoria dos índices de desenvolvimento humano das 30 cidades mais pobres do Maranhão.

E para garantir a comercialização dos agricultores familiares, o Sistema SAF destinou quase R$ 2 milhões para o Programa de Compras da Agricultura Familiar (Procaf), beneficiando 36 associações de trabalhadores rurais de todo o estado. Os produtos adquiridos são doados para instituições socioassistenciais, escolas, hospitais e creches. O Procaf visa a aquisição de produtos da agricultura familiar por dispensa de licitação, contribuindo com a geração de trabalho e renda de agricultores familiares do Maranhão.

Para os povos indígenas foram destinados R$ 200 mil em investimentos do Procaf. De acordo com Galeno Guajajara, da Aldeia Canafistola BR, de Jenipapo dos Vieiras, o programa é um incentivo para quem vive da agricultura familiar. “Eu gosto de trabalhar com a criação de galinhas, porcos e cultivo de hortas. Meu trabalho é feito aqui no meu quintal e todas as terças-feiras eu entrego essa produção na sede do município para as escolas, hospitais e para o Cras. Nós só temos a agradecer por essa oportunidade”, frisou Galeno.