Dandara dos Santos é homenageada pelo bloco Hospício Cultural

O Bloco Hospício Cultural realizou, domingo (16), um ato em homenagem a Dandara dos Santos, travesti brutalmente assassinada no estado do Ceará há três anos.

O ato contou com a presença de várias mulheres que subiram ao palco com cartazes e palavras de ordem pedindo o fim da transfobia e do feminicídio. Silvinha Cavalleire, mulher trans, integrante do coletivo Hospício Cultural e dirigente da UNALGBT, discursou sobre os temas, cobrando do poder público mais ações de combate à transfobia e à misoginia.

Dandara dos Santos foi brutalmente assassinada – Foto: Arquivo da família

O Brasil é o 5º país em morte violenta de mulheres e líder no ranking mundial de assassinatos de transexuais. À época do caso de Dandara, imagens filmadas do assassinato ganharam repercussão internacional e levantaram ao mundo o alerta contra casos de discriminação. Um ano e dois meses depois do acontecimento, cinco acusados foram condenados, individualmente, conforme a participação no crime, por homofobia. Agora, três anos depois, o nome de Dandara representa a luta contra o preconceito, a discriminação e o racismo.

Nos últimos dias, homenagens marcaram redes sociais e ganharam as ruas pelo país. Pedidos de justiça e de leis efetivas, que garantam à população LGBT+ a aplicação dos direitos que possuem, permanecem sendo realizados. Além de atos no Brasil, homenagens pelo mundo também estão sendo feitas à travesti. Em Nova Iorque, uma escultura do artista Rubem Robierb, que simboliza as asas de uma borboleta, está desde o mês de dezembro instalada em uma praça em Tribeca, onde deve ficar até o mês de maio. Posteriormente, a pedido da prefeitura de Miami, a estrutura deve ser levada à Flórida para que permaneça no local.

Foto: Rômulo Santos

Leia a carta aberta do bloco sobre o ato que aconteceu neste domingo (16), na Praça João Gentil: 

Dandara presente! Monike presente!

O Bloco Hospício Cultural presta sua singela homenagem a travesti Dandara dos Santos, no terceiro ano de seu assassinato. Nosso bloco não deixará que o legado de Dandara seja esquecido: o respeito pelo qual devemos ter às pessoas travestis, mulheres trans e homens trans. Repudiamos, inclusive, que pessoas se vistam no intuito de imitá-las – principalmente em festas como o Carnaval. Travesti e mulher trans não são fantasia! Homem trans não é fantasia! Essas são identidades de gênero que precisam que sua dignidade e sua cidadania sejam asseguradas pela sociedade.

O Bloco Hospício Cultural também lamenta profundamente o assassinato da travesti Monike Matias Chagas, na mesma semana deste terceiro ano do assassinato de Dandara, e também com requintes de crueldade: Monike foi encontrada com o corpo acorrentado, jogado em uma cachoeira, no município de Missão Velha (CE). O recado do seu assassino foi claro: ela deveria ficar aprisionada ao corpo que não refletia sua verdadeira identidade. Nossos sentimentos à família de Monike, às suas amizades e à comunidade LGBT+ como um todo, pelas onze mortes registradas no Ceará só nestes primeiros meses de 2020.

Desejamos, de todo o nosso coração folião, que sejam eternas a alegria e a nossa resistência. Pois o Bloco Hospício Cultural estará sempre em “luto” por cada vida ceifada. Luto, para nós, vem do verbo lutar!

Dandara, presente! Monike, presente! Dandara vive! Monike

Fonte: Bloco Hospício Cultural (por Benones Lessa)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *