Exército já assume como seu o governo Bolsonaro

Forças Armadas tentavam vender a versão de que este era um governo com militares, mas não dos militares. Com a chegada de Braga Netto, essa ilusão acabou.

A nomeação do general Braga Netto para a chefia da Casa Civil marca uma nova postura das Forças Armadas em relação ao governo Bolsonaro. Desde a posse do presidente capitão, as Forças tentavam vender a versão de que este era um governo com militares, mas não dos militares. Com a chegada de Braga Netto, essa ilusão acabou.

No Planalto despacharão agora quatro oficiais da ativa (os generais Braga Netto, Luiz Eduardo Ramos e Rêgo Barros, além do almirante Flavio Rocha). Mesmo os governos do regime militar preferiam ter oficiais na reserva no segundo escalão.

Esta não é uma mudança trivial. A relação do presidente com os militares foi tensa ao longo da campanha – quando muitos oficiais temiam estar sendo usados pelo candidato – e no início do governo, quando os ministros generais Santos Cruz e Floriano Peixoto foram demitidos de forma humilhante.

O presidente se convenceu de que o seu vice, o general Hamilton Mourão, com apoio de parte das Forças, trabalhava para derrubá-lo. A autorização da família presidencial para que o escritor Olavo de Carvalho ofendesse o ícone do Exército, general Eduardo Villas-Bôas, deixou nos dois lados um sabor amargo de desconfiança.

As pontes foram reconstruídas por dois dos raros conselheiros ouvidos pelo presidente e com ascendência nas Forças, os ministros generais Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo) e Fernando Azevedo e Silva (Defesa). Foi a articulação dos dois que levou Braga Netto a deixar o Comando do Estado Maior do Exército para ocupar a Casa Civil.

Eles também trabalharam pela incorporação do almirante Flávio Rocha como novo Secretaria de Assuntos Estratégicos, subordinado diretamente ao presidente. Marinha e Aeronáutica mantinham um distanciamento cortês em relação ao Palácio do Planalto.

A militarização do Palácio do Planalto revela uma opção única na democracia. Em nenhum governo anterior, os militares jogaram tão abertamente o peso da instituição sobre um mandato. O mais perto disso foi quando o general Leônidas Pires vetou a possibilidade de renúncia de José Sarney para antecipar a posse do então presidente Fernando Collor. “Não fizemos a transição de regime para um governo que não concluiu o mandato”, disse.

Para muitos generais, o eventual fracasso do governo Bolsonaro cairia inevitavelmente sobre os ombros dos militares, como aconteceu com a derrocada do regime militar em 1985. Portanto, para esses oficiais, seria melhor tentar influenciar o governo Bolsonaro de dentro do que se omitir e pagar um preço mais alto à frente.

Os militares confiam que ao menos alguns erros típicos de gerenciamento – com as filas de milhões de pedidos de aposentadoria e cadastramento no Bolsa Família – possam ser resolvidos com a adoção de protocolos. A indicação do vice Mourão como coordenador do Comando da Amazônia Legal tenta evitar o desastre da gestão sobre queimadas e desmatamento em 2019.

O presidente capitão também fez gestos. Ele ordenou a capitalização em R$ 7,6 bilhões da estatal de navios da Marinha Emgepron, proibiu o contingenciamento de verbas para a Defesa no Orçamento deste ano e fez aprovar uma proposta de reforma das pensões militares que, na realidade, incluiu uma reestruturação salarial na carreira dos oficiais graduados.

Ao contrário do autoengano de parte da elite, os militares que agora assumem como seu o governo Bolsonaro não têm ilusões de mudar o presidente. Bolsonaro detém poder e, no máximo, o compartilha com seus filhos e alguns poucos ministros (Ramos, Azevedo, Paulo Guedes e Jorge Oliveira).

A decisão final, no entanto, é dele. Todas as vezes que sentiu que estava sendo menosprezado, JB reagiu. Defenestrou quase todos os amigos de primeira hora da campanha (Onyx Lorenzoni, delegado Waldir, Gustavo Bebianno, Joice Hasselmann, Major Olímpio e metade do PSL). Pensou seriamente em demitir o ministro Sergio Moro por desconfiar da falta de lealdade na investigação sobre o filho Flavio Bolsonaro e manteve vivas as falanges bolsonaristas que defendem o fechamento do STF e do Congresso. O conforto não faz parte do job description dos ministros.

Como toda tática, o avanço dos militares pode dar errado. O crescimento da economia é lento e o cenário externo piora a cada semana. A articulação política é tão sofrível que não consegue fazer o Congresso votar a medida provisória que troca carteirinhas de estudantes cobradas por carteirinhas gratuitas, quanto mais aprovar uma reforma que mexe no tamanho do Estado e na divisão de impostos.

Quando descobrir que o saco de reformas está vazio, o vento da boa vontade do mercado e da mídia pode parar de soprar. O grau de acirramento de Bolsonaro com seus adversários pode chegar a tal ponto que as oposições concluam que é melhor se juntar para derrotá-lo do que brigar entre si. Nada é garantido no Brasil. Só a emoção.

Fonte: Poder 360

As opiniões expressas neste texto não refletem , necessariamente, a opinião do Portal Vermelho.

Autor

Um comentario para "Exército já assume como seu o governo Bolsonaro"

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *