Petroleiros conseguem suspensão de demissões e reunião com TST

A revisão das demissões era uma das principais reivindicações da categoria, em greve há 18 dias.

Reunião da oposição com presidente do TST, Ives Gandra - Richard Silva/PCdoB na Câmara

As demissões de funcionários da Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados do Paraná (Fafen-PR) foram suspensas após audiência de conciliação realizada no Tribunal Regional do Paraná (TRT-PR).

A revisão das demissões era uma das principais reivindicações dos petroleiros, em greve há 18 dias. Segundo a Federação Única dos Petroleiros (FUP), que realizou ato nesta terça-feira (18) no Rio de Janeiro, a paralisação já atinge 121 unidades da Petrobras.

A suspensão das demissões não foi a única vitória. A oposição passou o dia articulando em favor dos petroleiros após decisão do presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), Ives Gandra, que considerou a greve ilegal.

Os parlamentares conseguiram agendar para sexta-feira (21) uma audiência no TST entre a Petrobras e a direção nacional dos petroleiros para negociação.

A deputada federal Alice Portugal (PCdoB-BA) lembrou que já havia um acordo coletivo em andamento, que não está sendo cumprido. “A reforma trabalhista aprovou que o negociado vale mais do que o legislado. Então, a lei já não vale mais nada e agora a Petrobras não cumpre o acordo negociado com a categoria. Durante a reunião, tivemos a notícia de que as demissões foram suspensas e o ministro Ives se comprometeu que irá mediar uma reunião entre os trabalhadores e a diretoria da Petrobras. Lutamos para que a estatal não seja privatizada, pois é um patrimônio brasileiro. Defender a Petrobras é defender o Brasil”, finalizou. 

A deputada federal Jandira Feghali (PCdoB-RJ), líder da Minoria na Câmara dos Deputados, comemorou a suspensão das demissões em sua conta no Twitter.

“Demissões na Petrobras suspensas e mesa de negociação marcada aqui em Brasília para sexta-feira. Em frente, na resistência”, postou a deputada.

Confira vídeo sobre o resultado da reunião com Ives Gandra:

Autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *