TSE decidirá até junho se eleição 2020 será adiada, diz Barroso

Para o ministro, o ideal seria adiar a eleição “por um prazo máximo de dois meses”

O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) deve decidir até junho se vai ou não vai adiar as eleições municipais deste ano. A afirmação é do ministro Luiz Roberto Barroso, do STF (Supremo Tribunal Federal), que assumirá em maio o cargo de presidente do TSE. Em entrevista nesta sexta-feira (6) a Josias de Souza, do UOL, Barroso disse que, se houver adiamento do pleito devido à pandemia do novo coronavírus, pretende remarcar a votação para dezembro, no máximo.

“Estamos monitorando a evolução da doença. Não gostaria de adiar as eleições”, afirmou. “Não é preciso decidir isso neste momento, mas acho que não podemos fechar os olhos a este risco. Imaginaria junho como sendo o momento em que temos de ter uma definição. O que eu sou radicalmente contra é o cancelamento das eleições e fazer todas coincidirem em 2022”, agregou Barroso.

Para o ministro, o ideal seria adiar “por um prazo máximo de dois meses” as eleições deste ano. “Neste momento, com a esperança de não ser necessário adiar, é fazer até o início de dezembro”, disse Barroso. Essa medida evitaria que mandatos sejam estendidos além do tempo concedido pelo voto popular.

Segundo o futuro presidente do TSE, unir as eleições municipais e nacionais em 2022 criaria trabalho enorme para a Justiça Eleitoral julgar, ao mesmo tempo, milhares de registros de candidatos a vereador, prefeito, deputado, senador, governador e presidente. “Estamos estimando 750 mil candidatos entre prefeitos e vereadores. Se você juntar isso a milhares de candidatos nas eleições nacionais, vai criar um inferno gerencial nestas eleições.”

Diante do debate sobre as medidas mais adequadas para combater o coronavírus, Barroso destacou que a Organização Mundial da Saúde (OMS) e os grandes cientistas mostram o isolamento social como solução contra o “genocídio de pessoas pobres”. Hoje, ressaltou o ministro, a doença está concentrada em camadas altas da população – aqueles que viajam de avião ao exterior e têm planos de saúde. Mas, segundo o ministro, é preciso evitar o contágio nas periferias e manter o isolamento social.

“Se essa doença se espalha sobre comunidades pobres, vamos ter genocídio. Temos que fazer certa renúncia”, afirmou Barroso. “Voltar à atividade econômica agora é achar que, como pobre consome pouco, não tem problema de morrer. Não dá para colocar tema de saúde pública no varejo da política.”

Com informações do UOL

Um comentario para "TSE decidirá até junho se eleição 2020 será adiada, diz Barroso"

  1. Sergio Ayres disse:

    no meu modo de pensar esse emergencial deveria ser doado em de credito para compras em super mercados muitas pessoas estao usando dinheiro pra compras de coisas banais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *