EUA: o apoio de Obama a Biden, para unir o Partido Democrata

Barack Obama anunciou seu apoio a Joe Biden como candidato a presidente, como forma de unir o Partido Democrata numa campanha eleitoral que certamente terá importância histórica.

“Escolher Joe como meu vice-presidente foi uma das melhores decisões que já tomei, e ele se tornou um amigo íntimo”, disse Obama num vídeo de 12 minutos divulgado nesta terça-feira (14). “Acredito que Joe tem todas as qualidades que precisamos num presidente hoje.”

Biden respondeu através de um tweet dizendo que o apoio de Obama “significa o mundo” para ele e sua esposa, Jill, e que “não há ninguém que preferiria ter a meu lado”.

O apoio amplamente esperado veio um dia depois que o ex-rival de Biden, Bernie Sanders, apelou aos progressistas para se unirem contra Donald Trump. “As pandemias têm uma maneira de nos lembrar do que é real e do que é importante”, disse Obama. “Essa crise nos lembrou que o governo é importante. Isso nos lembra que o bom governo é importante.”

Obama se recusou a desempenhar um papel público nas primárias, que efetivamente terminaram depois da saída de Sanders na semana passada, fazendo de Biden o provável candidato democrata. Obama continua muito popular entre os democratas. Mas, enfatizando a profunda divisão nos EUA, Obama, no ano passado, empatou com Trump como aquele que os estadunidenses mais admiram.

Quando Sanders saiu da disputa, Trump tentou semear a discórdia entre os democratas e questionou por que Obama ainda não havia apoiado Biden. “Surpreende-me que o presidente Obama não tenha apoiado o ‘Sleepy’ [dorminhoco] Joe”, disse Trump num briefing sobre coronavírus.

Em uma declaração na terça-feira, a campanha de Trump sugeriu que Obama relutava em apoiar seu ex-vice-presidente, com quem ele compartilha uma amizade incomum e a quem ele premiou com a medalha presidencial da liberdade. “Obama não tem outra escolha senão apoiá-lo” em 2020, disse Brad Parscale, gerente de campanha de Trump.

Em 2008, Obama reuniu uma coalizão de afro-americanos, mulheres suburbanas, eleitores brancos da classe trabalhadora e, crucialmente, jovens no que muitos democratas lembram como uma das campanhas mais inspiradoras da história moderna.  Biden conseguiu apoio de grupos eleitorais semelhantes, mas falta uma parte essencial dessa coalizão: os jovens, que permanecem profundamente céticos em relação à sua candidatura.

Para o desespero de alguns democratas, Obama continuou a tradição de ex-presidentes e não critica seu sucessor, mesmo após Trump desmantelar seu legado, desde cuidados de saúde até mudanças climáticas. Em meio a uma pandemia, Trump tentou desviar as críticas culpando seu antecessor.

Na terça-feira, Obama não mencionou seu sucessor pelo nome, atacando o partido que Trump lidera e o criticando implicitamente com elogios a Biden. “Uma coisa que todo mundo já aprendeu até agora é que os republicanos que ocupam a Casa Branca e dirigem o Senado dos EUA não estão interessados ​​em progresso”, disse Obama. “Eles estão interessados ​​no poder.”

A campanha de Biden o vinculou a Obama. Mas muitos dos eleitores jovens e progressistas, a quem Biden precisa apelar, eram jovens demais para votar em Obama e ocasionalmente criticam seu governo.

Ainda assim, a associação entre Biden e Obama ajudou a impulsioná-lo à frente dos rivais mais jovens. Seus oito anos como o segundo de Obama contribuíram muito para o seu apoio entre os eleitores afro-americanos, particularmente na Carolina do Sul, que foi base de uma notável reviravolta na campanha.

Seu tempo como vice-presidente também foi central em seu argumento de que ele é um líder capaz e experiente, com melhores condições para vencer Trump em novembro.

A assistência médica provou ser um ponto quente específico durante as primárias. Em seu vídeo, Obama disse que era hora de “ir mais longe” e garantir a todos o acesso à assistência médica, pedindo aos democratas que pressionem por uma opção pública, ampliem o Medicare e “terminem o trabalho para que a assistência médica não seja apenas um direito, mas uma realidade para todos”.

Biden insistiu que não buscava o apoio de Obama – sustentando que o candidato deve ganhar a primária “por seus próprios méritos” -, mas consultou Obama em várias ocasiões, inclusive recentemente sobre a escolha de um companheiro de chapa. Biden disse aos doadores, na arrecadação de fundos, que Obama o aconselhou a escolher alguém que não tenha medo de discordar dele e que “sempre diga a verdade”.

“E, portanto, vou precisar de uma vice-presidenta mulher que tenha capacidade, pontos fortes onde tenho pontos fracos”, disse Biden.

Em suas considerações finais, Obama pediu a todos os estadunidenses consternados com o atual estado de coisas que unissem forças contra Trump. “No momento, precisamos que os estadunidenses de boa vontade se unam em um grande despertar contra uma política que muitas vezes tem sido caracterizada por corrupção, descuido, auto-negociação, desinformação, ignorância e pura maldade”, disse ele.

“Para mudar isso, precisamos que estadunidenses de todas as opções políticas se envolvam em nossa ação, em nossa vida pública como nunca antes.”

*Fonte: The Guardian

Tradução e edição: José Carlos Ruy

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *