“E daí?” de Bolsonaro sobre mortes pela covid-19 causa indignação

Nesta quarta-feira (29), o presidente tentou minimizar sua fala e levou uma tropa de choque para bater boca com jornalistas em frente ao Palácio do Alvorada

Bolsonaro em frente ao Alvorada (Foto: Reprodução)

O presidente Bolsonaro foi para ofensiva para tentar minimizar a sua fala na terça-feira (28) quando foi indagado sobre o número de mortes no país por causa da pandemia: “E daí? Lamento. Quer que eu faça o quê? Eu sou Messias, mas não faço milagre”, disse, em referência ao próprio sobrenome.

Nesta quarta-feira (29), o presidente tentou minimizar sua fala e levou uma tropa de choque para bater boca com jornalistas em frente ao Palácio do Alvorada.

Ele acusou a imprensa pela repercussão negativa e voltou a culpar governadores e prefeitos pela crise sanitária e econômica. “Vocês não vão botar no meu colo essa conta”, disse.

Vice-líder do PCdoB na Câmara, o deputado Márcio Jerry (MA), diz que colocaram um monstro no poder.

“Brasil chega a 474 novos casos em 24 horas; supera a triste marca de mais de 5 mil mortos. E o que diz o estúpido que ocupa ainda a cadeira de presidente? ‘E daí?’, pergunta desdenhando. Colocaram um monstro na presidência. E agora? É uma questão de saúde tirá-lo da presidência”, definiu o parlamentar, em tom de indignação, citando os números oficiais divulgados pelo Ministério da Saúde.

A deputada Professora Marcivânia (PCdoB-AP) considerou uma crueldade a fala do presidente. “Imagine isso sendo dito para os familiares dos mais de 5 mil mortos até o momento no Brasil? Isso não é só incompetência, não. É inimaginável! Nunca tivemos algo assim no Brasil”, protestou.

Para a deputada Alice Portugal (PCdoB-BA), Bolsonaro não tem competência para ocupar o cargo de presidente.

“E daí que você foi eleito para governar o país! E daí que é preciso criar medidas de proteção para as pessoas! E daí que é obrigação do presidente tomar atitudes! E daí que, se não tem competência para isso, se retire!”, escreveu a deputada no Twitter.

O deputado Orlando Silva (PCdoB-SP) classificou a frase de Bolsonaro de repugnante. “Causa asco, mas não causa espanto: Bolsonaro é o mensageiro da morte, a soma de todo o mal. Mas essa frase arrogante e vil pode ser o epitáfio na lápide de seu cadáver político”, afirmou o deputado.

A deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) chamou o presidente de irresponsável. “Bolsonaro não só envergonha o país, como trabalha pela morte do povo. Irresponsável!”, disse a parlamentar.

Senadores

“Esse é o genocida que governa o Brasil e que está pouco se lixando para o fato de termos, nas últimas 24 horas, um recorde de mortos por Covid-19”, afirmou o senador Humberto Costa (PT-PE).

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) questionou a permanência de Bolsonaro na Presidência.

“E daí?” foi a resposta de Bolsonaro para o recorde de mortes no país por covid-19. Se tanto faz para Bolsonaro quantas pessoas morrem por dia no país, se ele mancha suas mãos com o

sangue dessas pessoas e se orgulha disso, pra que Bolsonaro deve continuar na presidência?”, indagou o senador.

O líder do PT na Câmara, deputado Enio Verri (RS), diz que a solidariedade de Bolsonaro com as mais de 5 mil famílias vitimadas pelo coronavírus é mentira

“Antes de declarar solidariedade, ele perguntou o que poderia fazer, provando que nunca fez nada para combater a pandemia”, avaliou

“E daí?!?! É isso que o presidente responde para essas 5 mil famílias que perderam seus entes queridos?! Chega! Bolsonaro é um perigo pras pessoas! Impeachment já!”, afirmou o deputado Alessandro Molon (PSB-RJ).

Autor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.