Oito áreas nordestinas com mais de 200 mil habitantes não tinham UTI

Dados do IBGE incluem redes pública e privada e foram divulgados hoje, mostrando enorme desigualdade nacional.

Pesquisa levantou número de leitos de UTI, respiradores, médicos e enfermeiros no Brasil.

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística e a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) identificaram oito regiões no Nordeste do Brasil que somavam mais de 200 mil habitantes e não possuíam nenhum leito de unidade de terapia intensiva (UTI) em dezembro de 2019. Os dados incluem as redes pública e privada e foram divulgados hoje (7) pelo instituto.

IBGE e Fiocruz usaram como base do levantamento o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde 2019 (DataSUS), que não inclui novas compras de equipamentos, como respiradores, que possam ter sido efetuadas neste ano e no contexto da pandemia.

Os dados do DataSUS foram cruzados com as regiões agrupadas pelo IBGE a partir dos deslocamentos de moradores em busca de serviços de saúde de média e baixa complexidade, o que pode, inclusive, englobar cidades de diferentes unidades da federação. Com a colaboração do MonitoraCovid-19, da Fiocruz, o IBGE constatou que as oito regiões que não possuíam UTIs em dezembro de 2019 tinham como centro os municípios cearenses de Canindé, Itapipoca, Limoeiro do Norte e Russas, além das cidades baianas de Senhor do Bonfim e Valença, e os municípios de Vitória de Santo Antão, em Pernambuco, e Itabaiana, em Sergipe.

Os leitos de UTI são necessários para a internação de pacientes em estado grave com covid-19, doença que avança no país com tendência de interiorização, segundo nota técnica publicada nesta semana pela Fiocruz. Algumas dessas cidades sem UTI aparecem também na lista das que têm menos de quatro respiradores para cada 100 mil habitantes. É o caso das regiões cearenses de Canindé, Russas, Itapipoca e Limoeiro do Norte, e das cidades de Valença (BA) e Itabaiana (SE). Também estão nessa situação as regiões de Bacabal, Chapadinha e Pinheiro, no Maranhão, Arcoverde, em Pernambuco, e Picos, no Piauí, cuja região engloba cidades no Ceará e Piauí. Em Bacabal, há apenas 1,62 respirador para cada 100 mil habitantes.

Outros índices

O levantamento do IBGE/Fiocruz incluiu a distribuição de médicos, enfermeiros, leitos de UTIs e respiradores por unidades da federação e regiões do Brasil que são referência no atendimento de saúde de baixa e média complexidade. As informações geradas vão contribuir com as ações de enfrentamento à Covid-19 e estão disponíveis para consulta em mapas interativos do hotsite covid19.ibge.gov.br.

Também na página foi divulgada a distribuição de idosos e de domicílios adensados, aqueles com mais de três moradores por dormitório, com base no Censo Demográfico de 2010. A população que vive nessas condições tem mais chances de contágio e os idosos compõem o grupo de risco da doença provocada pelo novo coronavírus.

O levantamento tem como base o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde 2019 (DataSUS), que reúne as redes pública e privada, e as Informações de Deslocamento para Serviços de Saúde, da pesquisa Regiões de Influência das Cidades 2018, cujos dados foram antecipados pelo IBGE. Também foram cruzadas informações do Censo Demográfico 2010 com a pesquisa Arranjos Populacionais e Concentrações Urbanas do Brasil 2015.

DF tem a melhor distribuição de médicos do país

https://arcg.is/10qi98

Os dados mostram que, em 2019, o Distrito Federal possuía a melhor distribuição de médicos do país, com 338 profissionais por 100 mil habitantes. Em seguida, vem São Paulo com 260 médicos na mesma comparação. Rio de Janeiro (248), Rio Grande do Sul (244) e Espírito Santo (223) fecham o grupo dos cinco estados com os melhores indicadores.

Por outro lado, os estados com menos médicos estavam concentrados no Norte e no Nordeste. O Maranhão e o Pará registraram os menores indicadores, 81 e 85 médicos por 100 mil habitantes, respectivamente.

Os números também mostram a distribuição de médicos em regiões com mais de 500 mil habitantes que possuem um polo de referência regional nos atendimentos de saúde de média e baixa complexidade. É o caso de Santarém, no Pará, que tem uma população de 786 mil habitantes e índice de somente 58 médicos por 100 mil habitantes. Irecê, na Bahia, vem em seguida com 512 mil habitantes e 60 médicos.

Entre as regiões com mais de 100 mil habitantes, a situação é mais crítica em Capitão Poço e Cametá, ambas no Pará, com índice de 22 médicos, e 24 médicos por 100 mil habitantes.

“O recomendável são 80 médicos generalistas por 100 mil habitantes. Entretanto, esse parâmetro é válido para uma situação de normalidade. Neste momento de pandemia, essa recomendação deve ser relativizada, pois a demanda pelo sistema de saúde é maior”, disse o coordenador de Geografia e Meio Ambiente do IBGE, Cláudio Stenner.

Pará tem o menor índice de enfermeiros por habitantes

https://arcg.is/1uW1by0

A distribuição de enfermeiros também é maior no Distrito Federal. São 198 profissionais por 100 mil habitantes. Tocantins (178), Paraíba (149), São Paulo (143), Rio de Janeiro (140) e Rio Grande do Sul (138) também se destacam na comparação.

O Pará tem o menor índice de enfermeiros: 76. Em seguida estão Alagoas e Goiás, com 101, Sergipe com 102, e Amazonas com 103 profissionais por 100 mil habitantes.

Também está localizada no Pará a região polarizada por uma cidade referência no atendimento regional com o menor índice de enfermeiros entre aquelas com mais de 500 mil habitantes: Marabá tem índice de 65 profissionais por 100 mil habitantes. Além disso, a região de Belém deve ser destacada dada a sua população de 3,6 milhões de pessoas associada a um índice de 84 enfermeiros a cada 100 mil habitantes.

Norte e Nordeste têm menos respiradores que demais regiões

https://arcg.is/1iCvuX

O cruzamento de dados também revela a distribuição de respiradores, equipamentos que realizam ventilação mecânica em pacientes com dificuldades respiratórias graves, nas unidades de saúde públicas e privadas do país. O Distrito Federal, novamente, lidera com índice de 63 respiradores por 100 mil habitantes, seguido pelo Rio de Janeiro (42), São Paulo (39), Mato Grosso (38) e Espírito Santo (35).

Estados do Norte e Nordeste são os menos equipados: Amapá (10 respiradores), Piauí (13), Maranhão (13), Alagoas (15) e Acre (16).

Entre as regiões de atendimento de saúde com mais de 500 mil habitantes, Santarém, no Pará, teve índice de 7 respiradores por 100 mil. A região com maior população, mas nenhum registro de respiradores, foi Governador Nunes Freire, no Maranhão, somando 149 mil habitantes.

Nordeste tem regiões com mais de 200 mil habitantes sem leito de UTI

https://arcg.is/1a45L1

O Distrito Federal também possuía, no ano passado, o maior número de leitos de UTIs do país, fundamentais para o atendimento de pacientes graves com Covid-19. Nas unidades de saúde da capital federal, o índice foi de 30 leitos por 100 mil habitantes. Rio de Janeiro (25), Espírito Santo (20), São Paulo (19) e Paraná (18) são os estados melhores equipados.

Já Roraima apresentou índice de 4 de leitos de UTI, o menor do país. Amapá e Acre (5 leitos), Amazonas e Piauí (7), e o Tocantins, Maranhão e Pará (8) também registraram os menores indicadores.

Referência no atendimento de baixa e média complexidade, Vitória da Conquista, na Bahia, foi a cidade com mais de 500 mil habitantes com o menor índice de leitos de terapia intensiva do país (11). Aliás, estão no Nordeste as regiões com mais de 200 mil habitantes que não têm nenhum leito de UTI, com destaque para regiões do Ceará.

“Os dados mostram, de modo geral, que a desigualdade no país se repete na distribuição de recursos humanos e materiais na saúde. Sudeste e Sul são mais bem equipados que o Norte e Nordeste. Essa diferença também pode ser vista dentro dos próprios estados, como Minas Gerais, em que a distribuição é desigual por regiões”, comentou Stenner.

Concentração de idosos é maior no Sul e Sudeste

O IBGE também disponibilizou a distribuição da população com mais de 60 anos no país, de acordo com o Censo 2010, já que os idosos compõem o grupo de risco da doença provocada pelo novo coronavírus. Os estados do Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro possuíam mais de 13% da população nessa faixa etária. Paraíba (12%), Minas Gerais (11,8%), São Paulo (11,6%) e Paraná (11,2%) também têm número maior de idosos. Já o Amapá tinha o menor percentual (5,1%). O Norte, inclusive, era a região com a população mais jovem.

Quando se avalia as grandes concentrações urbanas do país com mais de 1 milhão de habitantes, o Rio de Janeiro (13,3%) e a Baixada Santista (13,2%) tinham os maiores percentuais de população com 60 anos ou mais. Com menor percentual destacava-se Manau (6,0%) e Brasília (7,2%).

Outra preocupação no enfrentamento ao vírus é o número de pessoas que vivem sob o mesmo teto, já que é difícil prover o isolamento interno caso haja contágio. No Brasil, 18,4 milhões de pessoas (9,7% da população) moravam em domicílios com uma densidade de moradores por dormitório superior a três. Essa característica foi mais marcante na região Norte (com exceção de Rondônia e Tocantins) e no estado Maranhão.

“É notável neste indicador as diferenças existentes dentro das cidades, especialmente nas grandes metrópoles. Em áreas de aglomerados subnormais, como em partes da Rocinha, este indicador chega a 19%, contrastando com o percentual de 1,6% em partes de Copacabana, ambos no Rio de Janeiro”, disse Stenner.

IBGE e Fiocruz usaram como base do levantamento o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde 2019 (DataSUS), que não inclui novas compras de equipamentos, como respiradores, que possam ter sido efetuadas neste ano e no contexto da pandemia.

Os dados do DataSUS foram cruzados com as regiões agrupadas pelo IBGE a partir dos deslocamentos de moradores em busca de serviços de saúde de média e baixa complexidade, o que pode, inclusive, englobar cidades de diferentes unidades da federação. Com a colaboração do MonitoraCovid-19, da Fiocruz, o IBGE constatou que as oito regiões que não possuíam UTIs em dezembro de 2019 tinham como centro os municípios cearenses de Canindé, Itapipoca, Limoeiro do Norte e Russas, além das cidades baianas de Senhor do Bonfim e Valença, e os municípios de Vitória de Santo Antão, em Pernambuco, e Itabaiana, em Sergipe.

Os leitos de UTI são necessários para a internação de pacientes em estado grave com covid-19, doença que avança no país com tendência de interiorização, segundo nota técnica publicada nesta semana pela Fiocruz. Algumas dessas cidades sem UTI aparecem também na lista das que têm menos de quatro respiradores para cada 100 mil habitantes. É o caso das regiões cearenses de Canindé, Russas, Itapipoca e Limoeiro do Norte, e das cidades de Valença (BA) e Itabaiana (SE). Também estão nessa situação as regiões de Bacabal, Chapadinha e Pinheiro, no Maranhão, Arcoverde, em Pernambuco, e Picos, no Piauí, cuja região engloba cidades no Ceará e Piauí. Em Bacabal, há apenas 1,62 respirador para cada 100 mil habitantes.

O levantamento aponta ainda grandes desigualdades quando analisadas as regiões mais populosas e as unidades da federação. A região de Manaus, por exemplo, em dezembro de 2019 tinha 9,6 leitos de UTI e 27 respiradores para cada 100 mil habitantes, enquanto a de Recife tinha a proporção de 29,5 leitos e 51 respiradores por 100 mil pessoas, os números mais elevados do país.

Entre as unidades da federação, a diferença na oferta de UTIs é ainda maior. A cada 100 mil habitantes, Roraima tem quatro leitos, Amapá e Acre têm cinco, e Amazonas e Piauí, sete. Na outra ponta da tabela, O Distrito Federal tem 30; o Rio de Janeiro, 25; e o Espírito Santo, 20.

Distrito Federal e Rio de Janeiro tinham também, em dezembro de 2019, as maiores quantidades de respiradores por 100 mil habitantes, com 63 e 42, respectivamente. No Amapá, essa proporção cai para 10 respiradores por 100 mil pessoas, enquanto Piauí e Maranhão tinham 14.

O gerente de geografia do IBGE, Cayo Oliveira Franco, avalia que os dados confirmam fragilidades no sistema de saúde de algumas regiões no Norte e Nordeste, e as informações podem subsidiar a resposta das autoridades.

“É importante que a gente tenha clareza de quais são essas regiões, pela dinâmica de interiorização do coronavírus”, disse ele, que destacou que os dados devem ser utilizados não apenas pelos prefeitos dessas cidades, mas por gestores públicos de toda a região e de esferas superiores. “É muito importante que a gente dê luz para mostrar os lugares que devem ser priorizados, obviamente observando a tendência de espraiamento do coronavírus no território”.

No caso da Região Norte, Franco ainda acrescenta que os grandes deslocamentos em direção a Manaus, muitas vezes em embarcações, são um fator que deve ser observado nesse planejamento.

“Manaus polariza uma grande quantidade de municípios, e tem uma disponibilidade não muito alta, pelo ponto de vista da população, de equipamentos e recursos humanos”, disse. “Polos regionais, como Parintins ou Tefé, poderiam servir de apoio para o estabelecimento de hospitais de campanha, para diminuir o peso sobre o sistema público de saúde de Manaus”.

Profissionais de saúde

A pesquisa também contabilizou a proporção de médicos e enfermeiros por 100 mil habitantes, parâmetro que é relevante para avaliar a capacidade de resposta do sistema de saúde. Todos os estados tinham mais de 80 médicos por 100 mil habitantes, patamar considerado mínimo para situações de normalidade. 

Com 81 médicos por 100 mil pessoas, o Maranhão ficou perto desse limite. Pará (85) e Amapá (95) foram as outras unidades da federação com menos de 100 médicos por 100 mil habitantes, enquanto o Distrito Federal tinha 338, e São Paulo, 260.

Entre as 15 regiões mais populosas do país, a proporção de médicos por 100 mil habitantes ficou acima de 100, sendo a menor em São Luís, com 134, e a maior em Belo Horizonte, com 367.

Quatro regiões com mais de 200 mil habitantes ficaram abaixo da recomendação de 80 médicos por 100 mil. A pior situação foi constatada em Santarém, no Pará, com 58 profissionais. Irecê, na Bahia, Garanhuns, em Pernambuco, e Marabá, no Pará, registraram entre 60 e 65 profissionais.

Em relação à proporção de enfermeiros, o Pará tinha 76 por 100 mil habitantes, a menor do país. Todos os outros estados tinham ao menos 100 enfermeiros por 100 mil, com Distrito Federal (198), Tocantins (178) e Paraíba (149) nas primeiras posições.  

Senhor do Bonfim, na Bahia, teve a pior média de enfermeiros do país entre as regiões com ao menos 200 mil habitantes, com 51 profissionais. A lista das regiões com menos de 70 enfermeiros por 100 mil habitantes inclui ainda Palmares (PE), Itabaiana (SE), Bragança (PA), Marabá (PA), Chapadinha (MA), Redenção (PA), Taquara-Parobé-Igrejinha (RS), Castanhal (PA) e Franca (SP).

População idosa

O IBGE também destacou nesta quinta-feira a distribuição da população idosa com base no Censo 2010. Pessoas com mais de 60 anos são consideradas grupo de risco no caso de infecção pelo novo coronavírus, já que há maior chance de a doença causar sintomas mais graves, internações e óbitos.

Apesar de haver dados populacionais mais recentes no nível das unidades da federação, o IBGE considera que os dados do Censo de 2010 são os mais detalhados e precisos para subsidiar o planejamento de saúde no nível municipal.

Naquele ano, o Rio Grande do Sul era o estado com o maior percentual de idosos – 13,6% de sua população tinha 60 anos ou mais. Em 12 estados, os idosos representam mais de 10% da população, e em seis deles essa parcela da população somava mais de 1 milhão de pessoas. Estado mais populoso do Brasil, São Paulo tinha 4,7 milhões de idosos em 2010.

A pesquisa também levantou a população que vive em domicílios considerados adensados, quando há mais de três pessoas para cada dormitório. O dado é relevante no contexto da pandemia, porque residências adensadas dificultam o isolamento de pessoas que apresentem sintomas, recomendação que é fundamental para a prevenção do contágio.

Em todo o país, 18,4 milhões de pessoas viviam nessas condições em 2010, o que correspondia a 9,7% dos brasileiros. Uma parte considerável dessa população estava em grandes regiões metropolitanas, como São Paulo, que tinha 2,7 milhões, e Rio de Janeiro, com quase 1,5 milhão. Nas Regiões de Manaus e Macapá, no entanto, a proporção de pessoas nessa situação chegava a quase 25%.

Um comentario para "Oito áreas nordestinas com mais de 200 mil habitantes não tinham UTI"

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *