Deputados impedem avanço Medida Provisória da grilagem

Líder do PCdoB, deputada Perpétua Almeida defende retirada da medida que perde a validade na próxima terça-feira (19)

(Foto: Reprodução)

A votação da Medida Provisória 910/19, que trata da regularização fundiária de terras da União, foi adiada após impasse em plenário sobre o parecer apresentado pelo relator da matéria, deputado Zé Silva (Solidariedade-MG). A uma semana de perder a validade, a medida não obteve consenso e algumas bancadas temiam que sua aprovação pudesse representar um retrocesso no campo – especialmente em áreas indígenas e quilombolas.

O tema poderá entrar na pauta da próxima semana, mas na forma de um projeto de lei.

A pressão do governo pela aprovação da medida provisória vinha causando apreensão entre ambientalistas, que denunciam o incentivo à grilagem de terras públicas. Para a oposição e defensores do meio ambiente, a votação de matéria com tal complexidade não deveria ocorrer em sessões virtuais, que dificultam os debates.

PCdoB se posiciona contra

“O PCdoB é contra votar a MP 910, que mexe com a vida de milhões de trabalhadores e produtores da Amazônia e do Brasil. Não é justo discutir a vida deles sem que possam opinar, já que não têm condições de participar de audiências públicas em tempos de distanciamento social”, afirmou a líder da Bancada, deputada Perpétua Almeida (AC). Outros líderes partidários manifestaram dúvidas sobre o texto do relator.

O líder do PSB, deputado Alessandro Molon (RJ), também criticou a inclusão da matéria em votação remota. “Essa MP vai permitir a regularização não apenas de terras públicas do Incra, mas terras públicas de todo o País. É um escândalo, é vergonhoso. É péssima a votação desta matéria neste momento”, disse.

Para o deputado Nilto Tatto (PT-SP), a proposta premia os desmatadores. O adiamento da votação foi sugerido pelo líder do MDB, deputado Baleia Rossi (SP), que alegou desinformação sobre o novo texto do relator da MP. “Estou vendo todas as bancadas com muitas dúvidas, muita desinformação”, apontou. 

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, concordou com o adiamento. Ele avaliou que, se forçasse a votação da MP nesta terça-feira (12), poderia haver um processo consistente de obstrução em todas as propostas levadas ao plenário.

Maia afirmou que a MP 910 está contaminada por radicalismos e pode desgastar a relação harmoniosa entre os líderes, comprometendo votações futuras. O presidente convocou uma reunião entre todos os líderes partidários para esta quarta-feira (13), para decidir a pauta das outras duas semanas.

O deputado Orlando Silva (PCdoB-SP) destacou a importância do adiamento da votação, para que os líderes possam avançar na construção de “um acordo de agenda” capaz de agilizar as atividades na Casa. “O conteúdo da regularização fundiária é um item da pauta. Há uma série de outros itens da pauta que interessam às bancadas dos vários partidos, entre os quais, os partidos de oposição”, disse.

PCdoB na Câmara

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *