Venezuela prende mais um terrorista contratado por Guaidó

Brigada de Comandos do Mar capturou um mercenário terrorista na zona montanhosa de Petaquirito; ministro das Comunicações disse que Procuradoria investiga Guaidó e lamentou postura do governo colombiano

'Brigada de Comandos do Mar capturou um mercenário terrorista na zona montanhosa de Petaquirito', informou FANB

As autoridades da Venezuela anunciaram nesta quarta-feira (13/05) a prisão de mais um envolvido na tentativa de invasão ao país que ocorreu no dia 03 de maio a pedido do autoproclamado presidente Juan Guaidó.

Segundo a Força Armada Nacional Bolivariana (FANB), o criminoso foi detido durante uma patrulha da Operação Negro Primero no estado de La Guaira, região costeira da Venezuela.

“Elementos da Brigada de Comandos do Mar capturaram um mercenário terrorista na zona montanhosa de Petaquirito, em La Guaira”, afirmou a Armada Bolivariana.

Desde o dia 3 de maio, quando a tentativa de incursão marítima foi interceptada pelas forças venezuelanas, a FANB realiza operações de defesa em todo o território nacional e já conseguiu prender 34 envolvidos na tentativa invasão, entre eles dois cidadãos norte-americanos.

Os criminosos detidos participavam da operação contratada pela oposição liderada por Juan Guaidó para sequestrar o presidente Nicolás Maduro e derrubar o governo venezuelano.  

Juan José Rendón, assessor de Guaidó que vive em Miami, chegou a confirmar à CNN em espanhol que contratou e pagou de seu próprio bolso a empresa de segurança norte-americana SilvercorpUSA para invadir a Venezuela e raptar as lideranças políticas do governo.

No contrato assinado por Guaidó, Rendón e o norte-americano Jordan Goudreau, diretor da SilvercorpUSA, fica estabelecido o valor que seria cobrado pela operação, bem como os objetivos de derrubar Maduro e instalar um governo presidido por Juan Guaidó.

Investigação contra Guaidó

Ainda nesta quarta-feira, o ministro de Comunicação da Venezuela, Jorge Rodríguez, confirmou em entrevista à LaW Radio da Colômbia que a Procuradoria Geral venezuelana já começou uma investigação contra Juan Guaidó pela responsabilidade da tentativa de invasão frustrada ao país.

Rodríguez ainda disse que, nos próximos dias, se tonará publica a quantidade de armamentos que o grupo contratado por Guaidó possuía, afirmando que os responsáveis serão julgados e punidos.

O ministro ainda criticou o governo colombiano pelas alegações de desconhecimento da operação, já que os grupos armados treinaram e partiram da Colômbia.

“Se não fosse trágico, seria cômico. Como é possível que todas as evidências estejam ali, nem sequer são especulações ou indícios, e não são objetos de investigação por parte do governo colombiano?”, questionou Rodríguez.

Publicado em Opera Mundi

Autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *