Deputados dizem que fake news é crime e não liberdade de expressão

A líder do PCdoB na Câmara dos Deputados, Perpétua Almeida (AC), afirmou que Bolsonaro não conhece o lugar de um presidente que respeita as instituições

(Foto: Reprodução)

Após a operação da Polícia Federal (PF) nesta quarta-feira (27) de busca e apreensões para desbaratar um esquema de propagação de fake news e ameaças aos ministros do STF (Supremo Tribunal Federal), o presidente Bolsonaro disse que não aceitará violações à liberdade de expressão.

“Ver cidadãos de bem terem os seus lares invadidos, por exercerem o seu direito à liberdade de expressão, é um sinal de que algo de muito grave está a acontecer com a nossa democracia. Estamos a trabalhar para que se faça valer o direito à livre expressão no nosso país. Nenhuma violação desse princípio deve ser aceite passivamente”, escreveu o presidente nas redes sociais.

A líder do PCdoB na Câmara dos Deputados, Perpétua Almeida (AC), afirmou que Bolsonaro não conhece o lugar de um presidente que respeita as instituições.

“Não aceita o STF no cumprimento de seu papel de impedir que os criminosos que financiam e espalham fake news sejam punidos. O que a quadrilha de fakes faz, não é liberdade de expressão, é crime mesmo!”, criticou a líder.

O vice-líder do PCdoB, deputado Márcio Jerry (MA), diz que Bolsonaro age insuflado pelos filhos suspeitos de graves ilegalidades.

“Bolsonaro insulta os demais poderes com frequência e age para tentar transformar parte do aparato policial do estado brasileiro em polícia política para perseguir adversários”, argumentou.

Segundo ele, a pandemia avança em meio ao agravamento também do quadro político. “Bolsonaro dá de ombros para a saúde e a vida dos brasileiros afetados pelo coronavírus; não tem atitude alguma para proteger a economia; e estimula todos os dias o desrespeito à Constituição e às Leis”, afirmou.

Unidade

A deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) fez uma advertência: “É bom que todo mundo saiba que a liberdade de expressão não abriga o direito de atacar os pilares da democracia, como as instituições.”

“Nem a imunidade parlamentar garante isso. Os democratas deste país têm que se unir hoje contra essas falas insanas”, defendeu Jandira.

O deputado Orlando Silva lembrou que os ditos “cidadãos de bem” andam armados e são instados a resistir fisicamente contra ações do poder público. “Falsos democratas dizem que liberdade de expressão é agredir jornalistas e disseminar ódio e notícias falsas nas redes”, disse.

Ele ainda enumerou algumas razões que movimentam um governo desesperado para barrar as investigações contra fake news: “1) Bolsonaro está se pelando de medo que Carluxo vá em cana; 2) Sem o gabinete do ódio, Bolsonaro vira suco; e 3) O @STF oficial está no caminho certo.”

A presidenta nacional do PT, deputada Gleisi Hoffmann (PR), disse que a mentira, e não a democracia, sempre foi a grande arma de Bolsonaro.

“Por isso o dia de ontem abalou tanto seu projeto autoritário. As instituições precisam reagir a mais esta ameaça, antes que a democracia seja destroçada de vez. Fora Bolsonaro e seu governo!”, conclamou.

“A defesa enfática que Bolsonaro faz dos sites de fake news e o uso de dinheiro público para financiá-los, via Banco do Brasil, mostra como esse governo é baseado no crime e na mentira”, afirmou o deputado Marcelo Freixo (PSOL-RJ).

Para ele, há uma reação de Bolsonaro sobre os avanços das investigações. “Quando acuados, os ratos atacam. A CPMI das Fake News tem provas de que Eduardo Bolsonaro usa seu gabinete na Câmara para disseminar notícias falsas de forma criminosa usando dinheiro público. O cerco contra a quadrilha está se fechando e Eduardo reage com mais ameaças à democracia”, avaliou.

Senado

A senadora Eliziane Gama (Cidadania) destacou que as Fake news comandadas por milícias digitais são hoje uma grande ameaça à democracia.

“É preciso que o inquérito comandado pelo ministro Alexandre de Moraes aponte quem financia essa máfia e se há dinheiro público nisso. O Congresso deve tipificar e criminalizar essa conduta”, defendeu.

O senador Humberto Costa (PT-PE) diz que vidas estão se perdendo enquanto Bolsonaro não respeita o cargo que ocupa. “Não respeita os brasileiros. Não respeita e ameaça às instituições. Bolsonaro consegue ficar menor a cada dia”, afirmou.

Autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *