Sede da PGR amanhece pichada: “Procuradoria-Geral do Bolsonaro”

Bolsonaro tem feito repetidos elogios a Aras e cogitou publicamente indicá-lo ao STF. Procurada, PGR classificou ato como “vandalismo” e disse que vai investigar autoria.

Placa da sede da PGR foi pichada na madrugada deste sábado (30) - Foto: Reprodução/Twitter

A sede da Procuradoria-Geral da República (PGR), em Brasília, foi alvo de pichação na madrugada deste sábado (30). Circula pelas redes sociais uma foto da placa que identifica o órgão, na qual é possível ler “Procuradoria-Geral do Bolsonaro”, com o nome do presidente escrito logo acima da palavra “República”. Segundo o jornal O Globo, a mensagem foi apagada logo pela manhã.

Procurada, a PGR repudiou o ato, que classificou como “vandalismo”. Afirmou ainda que já há investigação para “responsabilização civil e criminal”, pois o ato “danificou patrimônio público”. Afirmou ainda que serão tomadas medidas de reforço da segurança em todas as unidades do país.

O procurador-geral da República é responsável por tomar a decisão de apresentar ou não denúncia contra Jair Bolsonaro no âmbito do inquérito que investiga a interferência do presidente na Polícia Federal. O inquérito foi aberto por decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Celso de Mello.

Aras já foi elogiado diversas vezes pelo presidente da República. Bolsonaro cogitou publicamente, inclusive, indicá-lo ao STF durante seu mandato. Até 2022, quando acaba o mandato do presidente, ele deve ter o direito de fazer duas indicações em função da aposentadoria compulsória de ministros. Segundo Bolsonaro, “se aparecer uma terceira vaga”, Aras pode ser o escolhido.

Ontem (29) pela primeira vez a PGR divulgou nota em que Aras manifestou “desconforto” com a veiculação reiterada de seu nome para uma vaga no Supremo. A manifestação veio após abaixo-assinado endossado por mais da metade dos procuradores do Ministério Público Federal (MPF) em defesa de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) obrigando à escolha do Procurador-Geral da República entre os nomes da lista tríplice, como garantia de que o presidente da República não poderia manipular politicamente seu poder de nomeação para o cargo.

Na época da escolha do substituto de Raquel Dodge, Jair Bolsonaro não respeitou a lista, com indicações de nomes pelos próprios membros do MPF. A tradição de indicar o mais votado da lista foi iniciada pelo ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, que assim prestigiou e respeitou a independência do Ministério Público.

Bolsonaro tem indicado reiteradamente que não compreende, ou não se importa, com o papel constitucional das instituições e que não tem escrúpulos em tentar usá-las para fins pessoais e proteção da família e dos amigos. Quando escolheu Aras para a PGR, o presidente comparou-o à “dama” no tabuleiro de xadrez, a peça que protege o rei – ou seja, o presidente. Na verdade, a PGR é a instância a quem cabe denunciar o presidente da República e por isso deve estar blindada de interferências políticas.

Com informações de O Globo

Autor

Um comentario para "Sede da PGR amanhece pichada: “Procuradoria-Geral do Bolsonaro”"

  1. Alice da Conceição disse:

    Temos de respeitar a democracia, mas não também temos que fiscalizar e exigir que o representante eleito tenha respeito por aqueles que o colocaram no cargo. Não podemos aceitar que manipule é os ministerios ou cargos para se benificiar, temos o direito e o dever de impedir, pedimos uma investigação em ampla e sem privilégio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *