Brasil tem novo recorde em um dia de 1.262 mortes por covid-19

Foram 1.262 registros de óbitos nas últimas 24 horas; o maior registro diário para o país desde o início da pandemia. Mesmo assim, Estados adotam planos de reabertura da economia

Leito de UTI para covid-19 foto: Agência Brasil

As 1.262 mortes de covid-19 registradas em 24 horas no Brasil, confirmadas hoje pelo Ministério da Saúde, representam a maior alta já contabilizada nesta pandemia. A alta anterior de óbitos em decorrência do novo coronavírus aconteceu em 21 de maio, quando 1.188 foram oficializadas.

O Ministério da Saúde divulgou nesta terça-feira (2) seu mais recente balanço com os casos e mortes por complicações do coronavírus Sars-Cov-2. Os principais dados são:

  • 31.199 mortes, eram 29.937 na segunda (1º)
  • Foram 1.262 registros de morte incluídos em 24 horas
  • 555.383 casos confirmados, eram 526.447 na segunda
  • Foram incluídos 28.936 casos em 24 horas
  • 300.546 pacientes estão em acompanhamento (54,1%)
  • 223.638 pacientes estão recuperados (40,3%)

A alta nas contagens diárias após um fim de semana e uma segunda-feira de baixos registros acontece porque, nestes dias, as notificações costumam ser menores já que os municípios trabalham com equipes de saúde reduzidas.

O balanço da terça-feira registrou também 367 mortes que aconteceram nos últimos 3 dias. Além disso, segundo o Ministério da Saúde, há mais 4.312 suspeitas que estão sob investigação.

Historicamente, ao longo da pandemia, há um aumento sensível nos números às terças-feiras: há uma semana, o “pico” semanal inaugurou um período de quatro dias consecutivos com mais de mil mortes diárias.

Do primeiro óbito até o marco das mil mortes, em 10 de abril, foram 25 dias. Quase um mês depois, em 9 de maio, o País passou das 10 mil vítimas, 54 dias após a primeira. Dali para as 20 mil mortes, foram apenas 12 dias e depois mais 11 dias até a marca dos 30 mil mortos. O número de mortes por complicações da covid-19 no Brasil dobrou em pouco mais de duas semanas. Esta escala evolutiva revela um descontrole sobre a pandemia no país que assusta os especialistas.

O marco internacional das 30 mil mortes

Apenas quatro países superaram a marca das 30 mil mortes: Estados Unidos, Reino Unido, Itália e agora o Brasil. Os Estados Unidos demoraram 47 dias para alcançar 30 mil óbitos, enquanto o Brasil demorou 79 dias, assim como a Itália. O Reino Unido demorou 59 dias.

O Brasil é o segundo em número de casos (depois dos EUA), o primeiro em número de novos casos e novas mortes, o 4o. no total de óbitos (depois de EUA, Reino Unido e Itália). No total de casos por milhão de habitantes, o Brasil aparece em 36o. lugar e em 20o. lugar no total de mortes por milhão de habitantes.

O pior índice brasileiro é o de testes por milhão de habitantes, pois aparece em 127o. com 4.378 mil testes. Isso revela que o número de infectados pode ser muitas vezes maior que o registrado nos hospitais, já que parte dos casos não chega a demandar leito hospitalar, ou ainda está com o vírus incubado. Assim, os especialistas atuam às escuras, sem saber a dimensão da epidemia no Brasil.

Com população bem maior que a brasileira, os EUA fizeram 56.132 testes para cada milhão de habitantes e comparecem na 35o. colocação. Os EUA têm 330 milhões de habitantes, enquanto o Brasil tem 212 milhões. Outro país com grande população, como o Brasil, é a Rússia (146 milhões) que ocupa o 20o. lugar entre os que mais testam (76.418 mil testes por milhão de habitantes).

Balanço por estados

O Ministério da Saúde divulgou também a distribuição dos casos e mortes por complicações do novo coronavírus (Sars-Cov-2) por estado brasileiro.

São Paulo se manteve como o estado com mais casos e mortes pela doença, são 118 mil confirmações e ao menos 7,9 mil mortes. Na terça, o estado teve recorde de novos casos e mortes por Covid-19 em apenas um dia, foram 327 mortes e 6.999 casos. A taxa de ocupação das UTIs voltou a subir e já ultrapassa os 85%.

O Rio de Janeiro é o segundo do país com mais casos e mortes: respectivamente 56 mil e 5,6 mil.

Veja abaixo a distribuição dos casos e mortes por estado:

Balanço de casos e mortes por Covid-19 feito pelo Ministério da Saúde em 2 de junho — Foto: Reprodução/Ministério da Saúde

Balanço de casos e mortes por Covid-19 feito pelo Ministério da Saúde em 2 de junho — Foto: Reprodução/Ministério da Saúde

1 milhão de casos ainda em junho

O Brasil deve chegar a 1 milhão de casos do novo coronavírus em pouco mais de duas semanas, indica uma plataforma estatística da UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul).

Com os atuais dados oficiais de novos casos, a projeção do Instituto de Informática da universidade gaúcha diz que a marca de 1 milhão de pessoas com a covid-19 deve ser atingida em 20 de junho. Na ocasião, o país também já deverá chegar perto das 50 mil mortes, segundo o cálculo.

O país ultrapassou a marca de 500 mil casos no último domingo (31), pouco mais de três meses depois da primeira notificação de covid-19 no Brasil. Agora, temos a perspectiva de somar a mesma quantidade em 20 dias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *