Ministério Público defende manter para outubro as eleições municipais

Vice-procurador-geral eleitoral disse ao Congresso que a adoção de protocolos e uma previsão de redução de casos de covid-19 permitem manter calendário

Eleições em Jerusalém durante a pandemia, em março

O Ministério Público Eleitoral enviou um ofício ao Congresso Nacional defendendo a manutenção das datas das eleições municipais de outubro deste ano. A mudança é discutida em função da pandemia de coronavírus.

O primeiro turno está marcado para o dia 4, e o segundo turno, para 25 de outubro. O documento foi encaminhado ao presidente do Senado, Davi Alcolumbre, e ao presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia. 

Segundo o vice-procurador-geral Eleitoral, Renato Brill de Góes, a adoção de um protocolo de medidas sanitárias e a redução do número de casos da covid-19 permitem a manutenção do calendário eleitoral. Embora os dados oficiais apontem um contínuo aumento de casos, ele cita um estudo internacional que aponta para uma estabilização em julho.

Para Góes, caso o adiamento seja inevitável, a melhor alternativa é realizar as votações em 25 de outubro (1º turno) e 15 de novembro (2º turno).

Na última segunda (8), o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luis Roberto Barroso, e o vice, Edson Fachin, apresentaram para Maia e Alcolumbre uma avaliação de especialistas que recomendam o adiamento. Os presidentes das Casas legislativas também já se manifestaram favoravelmente ao adiamento.

Um dos argumentos do vice-procurador-geral Eleitoral pela manutenção das datas é que adiar as eleições poderia impactar na fiscalização do pleito. Ele defende ainda que os mandatos em curso não sejam prorrogados.

Góes afirma considerar fundamental assegurar um prazo razoável entre a votação e a diplomação dos eleitos para que seja exercido o dever público “de defesa da lisura e da legitimidade do processo eleitoral, por meio do ajuizamento de eventuais ações judiciais”.

Com informações do G1

Autor

Um comentario para "Ministério Público defende manter para outubro as eleições municipais"

  1. JUAREZ CAMPOS disse:

    Esta turma do MP, que vive entre quatro paredes com ar condicionado e cafezinho pago pelo contribuinte, não sabe diferenciar uma campanha de rua e uma campanha pela TV ou internet. A eleição deve ser adiada, pois nas cidades do interior o cara-a-cara ainda é importante na eleição.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.