Bolsonaro age com irresponsabilidade ao incitar invasão de hospitais

A coluna Semana Vermelho (07 a 13) destaca a irresponsabilidade de Bolsonaro ao incentivar seus apoiadores a invadir hospitais para verificar se há lotação por doentes de coronavírus

Governadores do Nordeste rechaçam Bolsonaro por invasões a hospitais (Foto: Divulgação)

Bolsonaro, a corda e a caçamba – Na semana em que o general Ramos, ministro da Secretaria de Governo, alertou para não se esticar a corda, quem a tencionou de forma irresponsável foi o presidente Bolsonaro, ao chamar seus apoiadores a invadirem hospitais para constatar se há lotação por doentes com convid19. No Rio de Janeiro, um grupo seguiu essa orientação e provocou tumulto dentro de um hospital. Do lado da caçamba, o povo e os que lutam pela democracia contra a ameaça autoritária. Houve recuos para o governo, que teve que voltar atrás na tentativa de burlar a nomeação de reitores de universidades federais; teve também de desistir de esconder e manipular os dados da epidemia, que havia tentado na semana passada. Mas praticou iniciativas antidemocráticas graves, ao anular a anistia de quase 300 presos políticos, e não divulgar, no relatório de direitos humanos de 2019, os atos cometidos pela polícia. No campo democrático, a rejeição a Bolsonaro voltou a se manifestar nas ruas, apesar do isolamento social; em pesquisa de opinião que, outra vez, constata o derretimento de sua imagem; FHC, Ciro Gomes e Marina Silva reforçam a luta pela frente ampla; o TSE afasta qualquer interpretação da Constituição para legitimar a intervenção militar na política.

Invasão de hospitais – governadores rejeitam como irresponsável – Governadores do Nordeste rechaçam Bolsonaro por invasões a hospitais – O incentivo de Bolsonaro aos seus apoiadores para que invadam hospitais, feito na quinta-feira (11) foi definido como um irresponsável atentado à saúde pública, em carta divulgada na sexta-feira (12) pelos governadores dos estados do Nordeste. “Não é invadindo hospitais e perseguindo gestores que o Brasil vencerá a pandemia”, escrevem. Um dia após Bolsonaro convocar, grupo causa tumulto em hospital do RJ.

É obrigação do governo divulgar dados da epidemia – Justiça determina que governo volte a divulgar dados completos sobre a Covid-19 – Ministro Alexandre Moraes, do STF, acolheu ação impetrada pelo PCdoB, Rede e PSOL, para que o Ministério da Saúde divulgue, diariamente, até as 19h30, os dados sobre casos confirmados, óbitos, recuperados, hospitalizados e outros. O ministro Alexandre de Moraes determinou na segunda-feira (8) que o Ministério da Saúde retome a divulgação dos dados acumulados do coronavírus.

Governo recua, disfarça, e alega que precisava melhorar o sistema – Após pressões, governo recua sobre divulgação de dados da pandemia – Após manifestações públicas de entidades científicas, de saúde, políticos e imprensa, além da própria OMS e organismos internacionais, o secretário executivo do Ministério da Saúde, Élcio Franco, concedeu uma entrevista coletiva na segunda-feira (8), em que demonstrou recuo ao apresentar um sistema completamente novo, mais amplo e automatizado de dados da covid-19.

Mesmo no isolamento, ruas pedem democracia – Manifestações defendem democracia e repudiam Bolsonaro – Em diversas cidades, manifestações no domingo (7) defenderam a democracia e a vida, e repudiaram o governo Bolsonaro. Os atos foram convocados por movimentos sociais.

Bolsonaro anula anistia de quase 300 pessoas – Governo Bolsonaro anula anistia de quase 300 presos políticos – A ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, justificou, na segunda-feira (8), a anulação pela suposta “ausência de comprovação da existência de perseguição exclusivamente política no ato concessivo”.  Anulou a declaração de anistia política de 295 pessoas. As anulações foram publicadas

FHC, Ciro e Marina defendem Frente Ampla – Ciro Gomes, Marina Silva e FHC defendem frente ampla pela democracia – O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e os ex-ministros Ciro Gomes (PDT) e Marina Silva (Rede) reforçaram a necessidade de união de lideranças políticas contra retrocessos democráticos em meio à crise política pela qual passa o país. Os três participaram de um debate mediado pela colunista do jornal O Globo Miriam Leitão, na “GloboNews”.

Ataque às universidades– Bolsonaro manobra para escolher reitores nas universidades federais – MP 979/2020 publicada na quarta-feira (10) dá ao ministro da Educação, Weintraub, o pder de nomear temporariamente durante o período da pandemia. A Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior anunciou que irá à Justiça para contestar a validade da MP “com a urgência que o tema requer”.

TSE: militares existem em defesa do país e da Constituição – Liminar do Supremo Tribunal Federal limita ação das Forças Armadas – Em liminar, o ministro Luiz Fux, do STF delimitou a atuação das Forças Armadas no estado democrático estabelecido pela Constituição Federal. Afirmou que ”a missão institucional das Forças Armadas na defesa da Pátria, na garantia dos poderes constitucionais e na garantia da lei e da ordem não acomoda o exercício de poder moderador entre os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário”.

Pesquisa reitera: Bolsonaro em queda – Rejeição a Bolsonaro continua crescente, aponta pesquisa DataPoder360 – Pesquisa do DataPoder360 revelou na quinta-feira (11) que a rejeição a Bolsonaro segue em alta, tendo chegando a 47% em duas semanas. No apurado geral, a pesquisa considerou que Bolsonaro tem 41% de aprovação e 50% de reprovação.

Governo exclui violência policial de violações de direitos humanos – Os dados sobre a violência policial integravam o relatório até 2018 e mostravam um crescimento do número de registros deste tipo de ocorrência. O relatório de 2019 não terá estes dados pois Bolsonaro decidiu excluir informações sobre violência policial. O Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos afirmou que os dados foram excluídos em razão de “inconsistência em seus registros. ”

Autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *