Negacionismo de Bolsonaro agrava crise, diz comissária da ONU

Michelle Bachelet citou o Brasil como um dos países cujos líderes negam a o perigo representado pela pandemia, e por isso mesmo, agravam o quadro da crise humanitária

(Foto: Foto: Salvatore di Nolfi)

A comissária de direitos humanos da ONU, Michelle Bachelet, condenou o presidente Bolsonaro por sua omissão e negligência diante da maior crise sanitária pela qual o país já passou. Bachelet classificou o Brasil como um dos países cujos líderes negam o perigo representado pela pandemia, e por isso mesmo, agravam o quadro da crise humanitária.

“Em Belarus, Brasil, Burundi, Nicarágua, Tanzânia e nos Estados Unidos -entre outros – estou preocupada com declarações que negam a realidade do contágio viral, e pela crescente polarização em temas chave, que pode intensificar a severidade da pandemia por atacar esforços para conter a propagação do surto e fortalecer os sistemas de saúde”, disse Bachelet.

A declaração foi dada durante a apresentação de um relatório com o balanço de um ano de sua gestão à frente da Comissão de Direitos Humanos das Nações Unidas, em Genebra, na Suíça. “Seis meses depois da detecção dos primeiros casos, fica claro que essa epidemia ameaça tanto a paz como o desenvolvimento, exigindo mais direitos cívicos, políticos, econômicos, sociais e culturais, não menos”, afirmou a comissária.

Bachelet defendeu que, em um contexto de pandemia, governos devem adotar medidas transformadoras que fortaleçam uma rede de proteção baseada em políticas para os direitos humanos. Para isso, é preciso promover a saúde pública, a confiança nas diretrizes oficiais e maior resiliência econômica.

Bachelet alertou para os riscos que as minorias raciais e étnicas, como os povos indígenas, correm durante a pandemia. Segundo a comissária, esses grupos têm maior probabilidade de morrer em decorrência do COVID-19 e são os mais atingidos pelas conseqüências socioeconômicas da pandemia.

“A discriminação mata. Privar as pessoas de seus direitos sociais e econômicos mata”, advertiu. “Com muita freqüência, ações injustas e violentas do pessoal da polícia refletem a discriminação racial sistêmica que está profundamente enraizada nas instituições da sociedade”, acrescentou. Ainda de acordo com a comissária, “o COVID-19 é como um dispositivo de busca de calor que expõe e é alimentado por falhas sistêmicas na defesa dos direitos humanos”.

Fonte: PT Nacional com agências

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.