Deputado defende derrubada de veto de Bolsonaro à desoneração da folha

Para Orlando Silva (PCdoB-SP), relator da matéria na Câmara, decisão é grave erro do governo federal

(Foto: Vinicius Loures/Câmara dos Deputados)

Bolsonaro sancionou, com vetos, nesta segunda-feira (6), a Medida Provisória 936, que permite a redução da jornada de trabalho e do salário em razão da pandemia do novo coronavírus. Entre os pontos barrados pelo governo está a prorrogação até 2021 da desoneração da folha de pagamento de empresas de 17 setores da economia.

A prorrogação havia sido incluída no texto pelos parlamentares e seu veto foi considerado pelo relator da matéria na Câmara, deputado Orlando Silva (PCdoB-SP), como um “grave erro”.

“Vai atingir setores econômicos que empregam milhões de brasileiros num momento crítico, e vai aumentar o desemprego”, afirmou Silva. “A economia brasileira tomará um tombo próximo aos 10%. Pela primeira vez, mais de metade da população economicamente ativa está sem trabalho. A situação é dramática. Ainda assim, Bolsonaro vetou a prorrogação da desoneração da folha e o auxílio de 600 para desempregados sem direito ao seguro. É um genocida”, completou o parlamentar.

Para ele, é fundamental que o Congresso derrube o veto presidencial. Para isso, são necessários 257 votos na Câmara e 41 no Senado, em sessão conjunta.

A desoneração permite que empresas optem por contribuir para a Previdência Social com um percentual que varia de 1% a 4,5% sobre a receita bruta em vez de recolher 20% sobre a folha de pagamento. Atualmente, entre os 17 setores beneficiados por essa desoneração estão call center, comunicação, tecnologia da informação, transporte, construção civil, têxtil.

Da Redação do PCdoB na Câmara com informações do G1

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.