Às minorias femininas do Reino Unido, o custo econômico da quarentena

Negros e outros grupos étnicos minoritários há muito enfrentam desigualdades econômicas e raciais na Grã-Bretanha. Quando os trabalhadores retornam da quarentena, muitos ficam sobrecarregados com dívidas e trabalham mais horas por menos salário.

Brixton High Street, no sul de Londres, no final de maio. De acordo com um estudo recente, mulheres de minorias étnicas e negras da Grã-Bretanha estão sendo afetadas desproporcionalmente pelos impactos financeiros e psicológicos da pandemia.

Dez dias após o anúncio do lockdown do governo britânico no final de março, uma mulher perdeu todos os seus nove trabalhos de limpeza. Outra foi demitida de uma lavanderia depois que ela pediu uma máscara, e uma babá foi demitida por usar transporte público em seu dia de folga.

Em entrevistas separadas, as três mulheres disseram que esperavam enfrentar dificuldades durante o lockdown. Mas, quando a economia começa a reabrir, elas e outras mulheres nos setores mais baixos da economia dizem que ainda estão lutando, sobrecarregadas pelas dívidas acumuladas durante o congelamento e frequentemente enfrentando cortes nos salários ou forçadas a trabalhar mais pelo mesmo salário.

As três têm uma outra coisa em comum. São todas mulheres de cor, um grupo que há muito tempo enfrenta desigualdade econômica e racial na Grã-Bretanha e agora está sendo afetado desproporcionalmente pelos impactos financeiros e psicológicos da pandemia de coronavírus, segundo um estudo recente de um grupo de universidades britânicas e instituições de caridade para mulheres.

“A covid-19 trouxe as duras realidades das desigualdades raciais pré-existentes em nítido releve, e em nenhum lugar isso é mais manifesto do que o impacto social e econômico desproporcional da covid-19 sobre as mulheres negras e étnicas”, disse Zubaida Haque, diretora interina do Runnymede Trust, uma organização sediada em Londres que defende a igualdade racial.

A principal razão pela qual as pessoas de cor são tão vulneráveis, dizem os especialistas, é que elas têm mais chances de ter um emprego precário ou ficar desempregadas, dificultando a qualificação para o apoio do governo e a proteção contra o vírus.

Minji Paik, uma esteticista coreana que trabalha em um salão de cabeleireiro no leste de Londres, disse que ganhava 15 libras por hora antes da pandemia, cerca de US$ 19 dólares, mais gorjetas. Agora, ela ganha 10 libras por hora e trabalha em turnos mais longos devido à escassez de funcionários.

“Minha gerente diz que isso é temporário e ela me dará mais dinheiro quando ganharmos dinheiro”, disse Paik. “Mas, na verdade, eu deveria receber mais porque estou trabalhando internamente e arriscando minha saúde.”

Uma análise do governo sobre as disparidades no risco e nos resultados do coronavírus constatou que as taxas de mortalidade foram mais altas nos negros, asiáticos e em outras etnias minoritárias do que nos brancos. A análise constatou que chineses, indianos, paquistaneses e outros asiáticos, assim como caribenhos e outros negros, tinham um risco de morte de 10% a 50% maior que os britânicos brancos.

“Muitas vezes há um risco quando as pessoas começam a falar sobre as causas subjacentes da morte devido à suposição de que o motivo esteja relacionado à genética ou a uma dieta pobre”, disse Bridget Byrne, diretora do Centro de Dinâmica da Etnia da Universidade de Manchester. “Mas, na verdade, você precisa analisar o processo mais amplo de racismo e a estruturação de raça e privação.”

Ruas desertas em Manchester, Inglaterra, em março. Dez dias após o anúncio do bloqueio do governo britânico, Candice Brown perdeu todos os nove de seus trabalhos de limpeza na cidade.

A natureza precária do mercado de trabalho atual também é um fator que contribui, disse Byrne. “Isso torna as pessoas menos dispostas a expressar suas preocupações; elas se preocupam com o fato de dizerem: ‘Não me sinto seguro, não acho que devo entrar’, elas serão as primeiras a serem demitidas”.

Candice Brown, 48, uma faxineira descendente de jamaicanos, disse que havia perdido todos os seus clientes quando medidas de bloqueio foram impostas em março.

“Eles me telefonaram um por um para dizer não venha”, lembrou, referindo-se aos proprietários das nove casas que limpava todas as semanas na cidade de Manchester, no noroeste da Inglaterra. “Cada ligação era como uma bomba, destruindo todos os meus meios de subsistência até que eu não tivesse mais trabalho.”

Por dois meses, ela tentou navegar no sistema de apoio financeiro do governo para as pessoas afetadas pela pandemia e até emprestou dinheiro de um amigo para contratar um contador para ajudar. Mas, eventualmente, ela descobriu que não era elegível para qualquer ajuda porque não possuía a papelada para provar seu histórico de emprego.

“Solicitei crédito universal”, disse ela, referindo-se ao programa de apoio à renda do governo. “Mas eu ainda estou esperando. Não recebi um centavo.”

Mesmo com a flexibilização das medidas de bloqueio, Brown não foi convidada a voltar ao trabalho porque seus empregadores temem que ela possa contrair e espalhar o vírus trabalhando entre várias famílias.

“Não sei quanto tempo posso continuar assim”, disse ela. “No primeiro mês, eu estava preocupada em como pagar meu aluguel e minhas contas, agora não consigo dormir me preocupando em como alimentar meus filhos”.

Uma pesquisa publicada pela Fawcett Society, uma instituição de caridade por direitos das mulheres, descobriu que quase 43% das mulheres negras e de minorias étnicas acreditavam que teriam mais dívidas do que antes da pandemia, em comparação com 37% das mulheres brancas e 34% dos homens brancos. Mais de quatro em cada dez mulheres disseram que lutariam para sobreviver nos próximos três meses.

Muitos têm a tarefa de realizar tarefas domésticas que podem ser perigosas em uma pandemia, segundo um estudo recente do Runnymede Trust.

Zuhr Rind, 48, trabalhadora de lavanderia paquistanesa no leste de Londres, foi convidada a trabalhar no último turno quando a pandemia eclodiu, para que ela pudesse lavar os uniformes dos funcionários da frente da casa, que coletavam roupas dos clientes.

“Eu não estava feliz com isso, mas o que eu poderia fazer? Trabalho é trabalho e eu tinha medo de perder o emprego se argumentasse”, ela disse.

Quando ela pediu uma máscara facial, seu gerente a repreendeu. “Isso é patético Z”, escreveu seu gerente em uma mensagem de texto que ela mostrou ao The New York Times. “Médicos e enfermeiros nem têm máscaras suficientes e ainda vão trabalhar.”

Um dia depois, disse Rind, ela foi demitida. “Quando você tem a pele morena, o sotaque e o ensino médio, não tem opções”, disse ela. “E esta é uma situação muito perigosa para se estar durante a covid.”

A lavanderia onde ela trabalhava não respondeu a um pedido de comentário.

Um mural no leste de Londres em maio. Zuhr Rind, que trabalhava em uma lavanderia na cidade, disse que foi demitida logo após pedir ao chefe uma máscara facial.

Rind recebeu recentemente um trabalho de limpeza em um hotel, mas foi forçada a recusá-lo porque ela mora a 40 minutos e, como precaução contra o vírus, o empregador não queria que ela usasse transporte público.

Mulheres de minorias étnicas e negras também costumam ter níveis muito mais baixos de poupança e ativos do que os brancos britânicos, segundo o estudo da Runnymede Trust. Portanto, aqueles que perderam o emprego na pandemia tiveram que procurar um novo emprego imediatamente, forçando alguns a assumir cargos com salários mais baixos e riscos mais altos.

Verona Pollard, uma babá experiente e enfermeira de maternidade, dedica-se a cuidar de crianças em regime de meio período desde que foi demitida de um emprego de babá em período integral, depois que seu empregador descobriu que havia pegado transporte público nos dias de folga.

“Ela foi implacável e não recuou, mesmo quando o lockdown foi suspenso”, disse ela em entrevista por telefone. “Tem sido brutal desde então, estou apenas fazendo trabalhos estranhos aqui e ali.”

E na pesquisa da Fawcett Society, a ansiedade relacionada ao trabalho foi maior entre as mulheres negras e as minorias étnicas, com 65,1% das mulheres empregadas fora de casa relatando que se sentiram apreensivas por terem que ir trabalhar durante a pandemia.

Brown, a faxineira de Manchester, disse que ainda estava esperando seus benefícios de desemprego e que estava pedindo dinheiro emprestado a um amigo e a um ex-empregador para sobreviver. Nas últimas semanas, ela disse que ficou tão estressada e ansiosa que erupções cutâneas surgiram sobre seu corpo e ela notou que seus cabelos estavam caindo.

“Eu te garanto, o que estou passando agora é pior do que qualquer vírus”, disse ela.

Traduzido por Cezar Xavier do New York Times

Autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *