STF libera acesso aos dados do Facebook de contas ligadas a Bolsonano

Supremo Tribunal Federal autoriza que Polícia Federal tenha acesso às informações da investigação. Um dos alvos é Tercio Arnaud Tomaz, ex-assessor de Carlos Bolsonaro, e atual assessor direto do presidente da República.

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou nesta quarta-feira (15), que a Polícia Federal tenha acesso aos dados da investigação do Facebook que acabou derrubando uma rede de contas e perfis falsos ligados a integrantes do gabinete do presidente de Jair Bolsonaro e a seus filhos.

O acesso às informações da investigação do Facebook foi autorizado em dois inquéritos que correm junto ao STF e inquietam o presidente: o das fake news e o dos atos antidemocráticos.

No pedido ao STF, a delegada Denisse Dias Ribeiro defendia a urgência da medida para que as pessoas envolvidas com as contas removidas não tivessem tempo de se desfazer dos dados.

Para a líder do PCdoB, deputada Perpétua Almeida (AC), a decisão do ministro Alexandre Moraes é estratégica e necessária para investigar a extensão da corrupção promovida pelo gabinete do ódio de Bolsonaro dentro do Palácio do Planalto. A parlamentar lembrou ainda da ação movida pela legenda em relaçaõ ao caso.

“Na semana passada entramos com notícia-crime no STF contra as ações do Clã Bolsonaro e gabinete de ódio. Pedimos que se investigue se há corrupção de agente público. Inaceitável que funcionário do Palácio seja peça-chave da rede de disseminação de mentiras derrubada pelo Facebook”, destacou.

Para o deputado Orlando Silva (PCdoB-SP), o cerco está se fechando para o clã Bolsonaro. “Que seja o fim do gabinete do ódio”, apontou o parlamentar que, junto como deputado Marcelo Freixo (PSol-RJ), acionou a Comissão de Ética da Presidência da República exigindo a demissão de Tercio Arnaud.

“A situação dos filhos e aliados de Bolsonaro deve se agravar”, comentou a deputada Alice Portugal (PCdoB-BA). 

Na quarta-feira (8), o Facebook retirou do ar uma rede de fake news ligada à família Bolsonaro, composta por 35 contas, 14 páginas e um grupo no Facebook, além de 38 contas no Instagram. A rede se dedicava a divulgar e impulsionar conteúdos falsos sobre política e sobre a Covid-19, para uma audiência de mais de dois milhões de pessoas. Entre os envolvidos estavam funcionários dos gabinetes de Eduardo e Flávio Bolsonaro, além de Tercio Arnaud, assessor especial da Presidência da República, apontado como líder do chamado “gabinete do ódio”.

Um comentario para "STF libera acesso aos dados do Facebook de contas ligadas a Bolsonano"

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *