Desastre eleitoral da Geórgia (EUA) revela discriminação na votação

Com o fim da lei que protegia de discriminação eleitoral, governadores republicanos como o da Geórgia dificultaram o acesso ao voto de eleitores tradicionalmente democratas, mostrando que é possível repetir o procedimento no resto dos EUA.

Uma mão enluvada segurando um adesivo com a inscrição "Sou um eleitor da Geórgia". Para aqueles que resistiram à confusão, filas e atrasos, um distintivo de conquista.

Enquanto o país lamenta o ícone dos direitos civis John Lewis, congressista e defensor vitalício dos direitos de voto, o caos nas eleições mais recentes de seu estado de origem serve como outro exemplo flagrante de como o ato mais sagrado de um cidadão em uma democracia – a votação – foi minado e até negado depois que uma lei federal que protege os direitos dos eleitores foi abandonada por uma decisão da Suprema Corte de 2013.

As eleições primárias presidenciais da Geórgia em 9 de junho foram uma mistura de pesadelos de ineficiência e discriminação que mostram o quão difícil é para muitos americanos – principalmente negros – participarem de sua democracia.

Centenas de eleitores, muitos na maioria das áreas negras, esperaram quatro, cinco e até sete horas para votar. Alguns até enfrentaram a polícia tentando mandá-los para casa sem ter votado.

Sou um estudioso que estuda direitos de voto e supressão de eleitores. Quando falei com os eleitores de longa data da Geórgia ao longo do dia, cada um deles observou que “nunca havia visto uma eleição como essa no estado da Geórgia”.

A primária do estado era um exemplo do que não deveria acontecer em um país democrático. É uma experiência que tem implicações além da Geórgia e que traz avisos para problemas com a eleição presidencial de novembro e a legitimidade dos resultados.

5 horas e 37 minutos após o encerramento das urnas, o último eleitor votou na Geórgia e a polícia foi convocada. Sete carros da polícia foram chamados porque os eleitores negros se recusaram a deixar suas vozes silenciadas.
É por isso que marchamos e votamos.
LaTosha Brown
@MsLaToshaBrown
O último eleitor saiu às 12h37! Tecnicamente é quarta-feira. Mas os grupos de advogados se recusaram a sair. Chamaram a polícia, mas dissemos a eles que não sairíamos até que todos votassem. Por quê? Porque @BlackVotersMtr

Lugares, cédulas ou ajuda insuficientes

A eleição primária da Geórgia foi adiada duas vezes em relação à data original de 24 de março, por causa do medo de espalhar a pandemia de coronavírus por meio de votação presencial.

Um milhão e meio de georgianos se candidataram a cédulas de ausência, que os deixariam votar pelo correio. Mas um número desconhecido deles nunca recebeu suas cédulas e foi forçado a votar pessoalmente para garantir que seus votos fossem contados. Por fim, apenas 943.000 votos foram remetidas pelo correio.

Os georgianos nem sempre sabiam para onde ir para votar: 10% dos locais de votação – incluindo 80 apenas no município mais populoso do estado – foram fechados por causa da pandemia de covid-19. O site estatal que permite que os eleitores procurem onde deveriam votar ficou inativo por várias horas pela manhã e funcionou apenas intermitentemente ao longo do dia. Quando o site estava em funcionamento, alguns eleitores ainda não conseguiram encontrar seus locais de votação corretos e visitaram áreas onde os funcionários disseram que não podiam votar.

Mesários experientes estavam doentes ou temiam adoecer, então o estado teve que recrutar, treinar e despachar novos antes da eleição. Muitos desses trabalhadores não foram suficientemente treinados e, desinformados, especialmente sobre quando os eleitores tinham direito a ausências, emergências e cédulas provisórias.

Também não havia locais de votação suficientes. Vários locais que normalmente atendem a 2.000 a 3.000 eleitores tiveram que acomodar até 10.000 por causa da consolidação.

Alguns locais de votação, especialmente na maioria das áreas negras, tiveram grandes atrasos porque as novas urnas não estavam funcionando corretamente. Muitos locais de votação em todo o estado abriram duas a três horas atrasados. Os novos sistemas, incluindo impressoras, scanners e tablets, tiveram problemas ao longo do dia, causando atrasos adicionais.

Os distritos acabaram com cédulas e envelopes provisórios e papel para impressora. Os governos do condado, a NAACP (Associação Nacional para o Progresso das Pessoas de Cor) e outros grupos de direitos civis apelaram aos tribunais do condado para obter ordens que estendiam as horas de votação além das 19:00 horas para compensar os atrasos. Um local de votação não foi fechado até as 22h10.

Como se isso não bastasse, choveu nos eleitores em longas filas sem abrigo.

Os eleitores da Geórgia levaram cadeiras dobráveis, livros, laptops e muita paciência às urnas

Um padrão de supressão de voto

No início do dia, Brad Raffensperger, secretário de Estado republicano da Geórgia, culpou o caos nos municípios que administram a eleição por não se preparar adequadamente para o novo sistema de votação eletrônica do estado. Funcionários do condado responderam que o estado era o problema.

A liderança republicana do estado não fez nada para impedir que esse desastre democrático acontecesse, mesmo que já tivesse acontecido antes, apenas dois anos atrás.

Nas eleições de 2018, o republicano Brian Kemp, então secretário de Estado da Geórgia, estava concorrendo ao cargo de governador. Como chefe de eleição do estado, desde 2017, ele se preparou para a eleição usando uma variedade de táticas de supressão de eleitores que poderiam influenciar os resultados.

Em 2017, Kemp expulsou mais de meio milhão de eleitores das listas sob a gestão estadual porque os que não votaram em duas ou mais eleições anteriores podem ser obrigados a se registrar novamente antes de votar novamente. E ele aplicou outra regra que desqualificava os eleitores cujos nomes nas listas eleitorais não correspondiam exatamente aos seus documentos de identificação.

Além disso, nas eleições de 2018, a Geórgia teve menos locais de votação abertos do que o habitual, reduziu a disponibilidade de votação antecipada e exigiu prova de cidadania antes que uma pessoa pudesse se registrar para votar.

Os esforços de Kemp valeram a pena. Ele venceu a eleição contra o democrata Stacey Abrams por um triz na disputa de governador mais acirrada desde 1966.

Essa vitória estreita pode ter reforçado o medo dos republicanos da Geórgia, compartilhado pelo presidente Donald Trump, de que, se for mais fácil para as pessoas votarem, o Partido Republicano perderá mais eleições em todo o país.

O fim da supervisão federal

Todas essas manipulações e mudanças são legais. Isso ocorre porque, em 2013, a Suprema Corte dos EUA estripou a Lei do Direito ao Voto, removendo a provisão que protegia o direito das pessoas de votar sem discriminação.

Na decisão 5-4 de Shelby County v. Holder, os juízes removeram o poder do governo federal de avaliar, pré-aprovar ou bloquear leis de voto discriminatórias em estados como a Geórgia que têm uma longa história de discriminação de eleitores. Isso significa que não há mais supervisão federal para garantir que os eleitores qualificados possam ter acesso às pesquisas e nenhum recurso além dos governos estaduais para eleitores que temem que tenham sido injustamente negados seus direitos de voto.

Na Geórgia e em outros estados liderados pelos republicanos, as autoridades usaram a liberdade oferecida pela decisão de Shelby para tomar ações oficiais que dificultam a votação dos americanos, e é mais provável que futuras eleições se pareçam com as da Geórgia em 9 de junho.

Apesar de todas essas barreiras, os eleitores democratas e os georgianos negros tiveram um número recorde no mês passado. Muitos deles esperaram, e votaram, para superar os 1,06 milhões de votos expressos nas primárias de 2008, quando Barack Obama venceu Hillary Clinton.

Qualquer que seja o motivo de tantos números superarem obstáculos tão significativos, é graças à determinação de inúmeros eleitores individuais – e não de autoridades eleitorais estaduais ou municipais – que os georgianos conseguiram votar em números significativos.

Com a Lei do Direito ao Voto destruída, outros estados podem se sentir mais livres para suprimir os direitos de voto de seus cidadãos, como a Geórgia. Os eleitores de todo o país podem enfrentar circunstâncias semelhantes em suas comunidades – mas ainda há tempo para exigirem mais de seus funcionários.

Publicado em The Conversation, com tradução de Cezar Xavier

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *