Brasil tem aumento recorde, quase dobrando o contágio em 24h

Foram contabilizadas, no mesmo período, mais 1.284 mortes, sendo que o total chegou a 82.771.

Agentes de saúde de Belém realizam testes rápidos e vacinas em policiais militares ASCOM/PMPA

O Ministério da Saúde anunciou hoje (22) que passou a contar, nas últimas 24 horas, 67.860 novos diagnósticos confirmados de covid-19. É um novo recorde diário de notificações, superando a marca de 54.771 pacientes registrados no último dia 19 de junho.

O número é 94% a mais do que a média de casos diários das últimas cinco semanas. A média diária desde meados de junho foi de 35 mil casos por dia, quase dobrando nesta quarta-feira.

Gráfico mostra que a média de casos nas últimas semanas é de quase a metade de hoje

Embora os números recentes sejam alarmantes, o recorde de hoje levanta um sinal de alerta caso se mantenha, pois representa aumento proporcional de mortes no prazo de duas semanas. Com isso, a curva em platô mantida nas últimas semanas tende a mostrar nova elevação nos próximos dias.

O aumento exacerbado depois de uma estabilização de três a quatro semanas, parece indicar algum fator novo incidindo sobre o contágio. A flexibilização da quarentena em cidades onde a epidemia encontra-se no pico pode ser um deles. O outro pode estar relacionado com cidades do interior do país e da região Sul, onde a pandemia chegou tardiamente, que vêm mostrando aumento dramático de casos e mortes, enquanto outras cidades parecem estar estabilizadas ou caindo.

Com isso, o total de infectados pelo coronavírus desde o início da pandemia está em 2.227.514.

Foram contabilizadas, no mesmo período, mais 1.284 mortes causadas pela covid-19. De acordo com o governo federal, agora o total de mortos pela infecção provocada pelo novo coronavírus chegou a 82.771. Ainda há 3.795 mortes em investigação.

Gráfico de mortes reflete a estabilização de casos das últimas semanas, que pode variar para cima caso aumento de contágio continue

A pasta disse também que contabilizou 1.532.138 pacientes recuperados da doença, ou seja, 68,8% das pessoas que contraíram o vírus foram curadas. Outros 612.605 estão em acompanhamento.

A taxa de letalidade (número de mortes pelo total de casos) ficou em 3,7%. A mortalidade (quantidade de óbitos por 100 mil habitantes) atingiu 39,4. A incidência dos casos de covid-19 por 100 mil habitantes é de 1.060.

Covid-19 nos estados 

Gráfico mostra aumento dramático de óbitos nas regiões Sul e Centro-Oeste, e retorno do aumento de contágio em estados do Norte. Apenas AC, AM, PI, CE, RN, AL, RJ apresentam queda nos casos.

Os estados com mais registro de mortes são: São Paulo (20.532), Rio de Janeiro (12.443), Ceará (7.317), Pernambuco (6.152) e Pará (5.581). As Unidades da Federação com menos falecimentos pela pandemia são: Mato Grosso do Sul (257), Tocantins (315), Roraima (451), Acre (470) e Amapá (544).

A região Sul está com aumento constante na média móvel de mortes por covid-19, conforme dados levantados pelo consórcio de imprensa do qual o UOL faz parte. O número contrasta com a estabilidade de casos registradas no Brasil e no Nordeste, no Norte e no Sudeste.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.