A Itália está acordando lentamente do pesadelo

Este é um verão muito estranho e moderado para um país com uma economia que depende muito do turismo e da folia. Mas a ajuda da União Europeia está a caminho.

Turistas na praça do Duomo, no centro de Milão

As ruas são silenciosas, as praças vazias, você pode ouvir o borbulhar das fontes onipresentes da cidade durante o dia. Os pelotões de turistas chineses não estão à vista; os viajantes americanos – seus chapéus, sandálias, shorts de férias – desapareceram.

Apenas algumas famílias alemãs com crianças pequenas enfrentam o calor da tarde. Dos 1.200 hotéis de Roma, menos de 200 foram reabertos após o bloqueio, alguns com apenas cinco quartos ocupados. No centro da Via Vêneto, apenas três estabelecimentos estão abertos para negócios. Os outros estão fechados – oficialmente para manutenção. A verdade é diferente. Esses hotéis atendem a turistas estrangeiros – e neste verão os estrangeiros estão em casa, impossibilitados ou sem vontade de viajar.

Apenas alguns turistas italianos vagam pelas ruas. Os romanos que não estão nas praias próximas (Ostia, Fregene) dão um passeio à noite; alguns dirigem para o topo da colina de Janiculum, onde o vento oeste fresco de Ponentino traz alívio ao calor do verão. Roma brilha lá embaixo. O Janiculum abriga a opulenta Villa Pamphilj, onde o governo italiano convocou a Stati Generali dell’Economia em junho: oito dias e mais de 120 reuniões com empresas, sindicatos, associações, acadêmicos, escritores e artistas – 82 das reuniões comandadas pessoalmente pelo primeiro-ministro Giuseppe Conte – a fim de encontrar ideias para reiniciar a economia.

Vai ser difícil. O PIB da Itália provavelmente diminuirá 11% em 2020, a pior previsão entre os 27 membros da União Europeia. A falta de visitantes é um pesadelo. A indústria do turismo italiano, que inclui hospitalidade, bares e restaurantes, transporte, museus – representa 13% do PIB. Metade dos viajantes em 2019 eram estrangeiros e se foram.

Mas o turismo nacional também está em crise. As previsões dizem que metade dos italianos não tirará férias neste verão. Nove em cada dez escolherão um destino na Itália, mas ficarão longe das grandes cidades (Milão, Turim, Nápoles, Palermo) e das cidades artísticas (Roma, Florença, Veneza), e seguirão para lugares menos movimentados, como Alto Adige, Friuli, Abruzzo e também a pequena Molise, que está dobrando as chegadas de turistas do último ano.

Mapa da distribuição do contágio na Itália

Na semana passada, visitei Corinaldo, na região de Marche, parte do centro da Itália. Aninhada nas colinas, a 20 km das praias arenosas do Adriático, cercada por muralhas do século XIV, é considerada uma das mais bonitas aldeias da Itália. Às 9 da manhã, turistas – a maioria italianos – já passeavam pelas ruas, bebendo cappuccino e buscando a réplica do infame canhão de figo – um canhão feito de madeira de figo frágil que explodiu na Idade Média e matou todos os soldados que o utilizavam.

Este é o verão mais estranho. Eu dirigi pela Itália por uma semana, com paradas em Romagna, Marche, Abruzzo, Apúlia, Nápoles, Roma, Versilia na Toscana e depois de volta à Lombardia – e notei como os italianos estão cautelosos. A normalidade é assustadora, depois de um tempo. A maioria das pessoas usa máscaras, mesmo ao ar livre, onde não é obrigatório; algumas máscaras caem tristemente do rosto, em vez de cobri-lo.

Nós respeitamos as regras durante o bloqueio da primavera porque tínhamos medo? E daí? Em uma pandemia, o medo é uma forma de sabedoria, a ousadia é uma demonstração de descuido.

A Itália foi o primeiro país fora da Ásia a enfrentar o impacto do coronavírus. Trinta e cinco mil pessoas perderam a vida, metade delas na Lombardia. Teria havido muito mais sem o doloroso bloqueio da primavera, que impedia que os hospitais fossem sobrecarregados.

Erros foram cometidos: a área ao redor de Bérgamo não foi declarada área proibida; médicos de família foram deixados por conta própria; os pacientes foram levados para hospitais onde médicos e enfermeiros foram infectados; os testes para a população em geral ficaram indisponíveis por muito tempo.

Mas a Itália lidou com isso.

Os italianos do norte mostraram resiliência; Os italianos do centro e do sul ficaram em casa, embora a epidemia fosse menos visível lá. Aqui e ali, multidões jovens se reuniam perigosamente, com a cobertura da vida noturna, da praia, da política, do futebol e até de um show aéreo em Turim. Mas, no geral, a Itália manteve as regras.

Do início de março ao início de maio, o país se viu emparedado; e essa é uma posição em que nós italianos damos o nosso melhor. Podemos ser disciplinados, mas de alguma forma não gostamos de admitir, como se isso pudesse prejudicar nossa reputação.

Claro que algumas coisas não funcionaram. Fomos os primeiros na Europa a fechar as escolas e seremos os últimos a reabri-las (em 14 de setembro, espero). Para milhões de italianos com crianças pequenas e apartamentos pequenos, trabalhar em casa acabou sendo um pesadelo. E disputas políticas, após uma pausa, recomeçaram. Os partidos políticos cheiram uma eleição antecipada e estão disputando posição no xadrez.

Isso atrasa todas as decisões. Apesar das inúmeras consultas, o Sr. Conte não se decidiu sobre o Mecanismo Europeu de Estabilidade, cujos fundos são destinados a gastos com saúde. E, mais importante, ele não decidiu como alocar a parte Fundo de Recuperação da Itália na UE. Isso complicou as negociações no recente Conselho Europeu de Bruxelas e deu aos suspeitosos países do norte – liderados pela Holanda – uma desculpa para estagnar. Mas, no final, previsivelmente, um acordo foi encontrado.

Na terça-feira passada, após 90 horas de negociação liderada pela Comissão Européia, os 27 líderes da União Europeia concordaram em aguardar ansiosamente. O orçamento para 2021-2027 será de 1,8 trilhão de euros: destes, 750 bilhões serão destinados ao fundo de recuperação pós-Covid, chamado Next Generation E.U. (390 bilhões serão em auxílio, 360 bilhões em empréstimos). A Itália – um dos dois países da Europa mais afetados pela pandemia, ao lado da Espanha – será o principal beneficiário. Cada cidadão italiano, em média, receberá 500 euros; cada alemão e holandês desembolsará 840 e 930 euros, respectivamente.

A Europa pode ser hiper-regulada; mas, em caso de emergência, regras e regulamentos ajudam a manter a situação sob controle. Lenta e dolorosamente, a União Europeia está se esquivando disso. Alguns países sofreram mais que outros; mas nenhum foi recusado, nem recusou. Até 20 de julho, 135 mil mortes haviam sido relatadas entre as 445 milhões de pessoas que viviam na União. No dia anterior, pela primeira vez, desde fevereiro, a Lombardia – onde moro e onde tudo começou na Itália – não registrou mortes por coronavírus. Ainda estamos preocupados, mas podemos finalmente respirar.

Beppe Severgnini, escritor e editor editorial do Corriere della Sera, escreve regularmente sobre política, sociedade e cultura italianas e europeias no New York Times.

Tradução de Cezar Xavier

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *