O que as escolas farão quando um professor pegar Covid-19?

Casos são inevitáveis. As escolas precisam planejar agora. Artigo sobre a realidade americana mostra dilemas que devem chegar ao Brasil muito em breve

A complexa possibilidade de voltar às aulas em meio à pandemia

A logística de reabrir escolas é assustadora. Os planos estão repletos de detalhes sobre os dias em que as crianças serão elegíveis e páginas e páginas sobre como impedir que alunos e equipes adoeçam. Que tipo de limites serão colocados nas turmas? Que tipo de limpeza? Haverá verificações de sintomas ou telas de temperatura? Máscaras para todos ou apenas para adultos?

Esses planos são importantes e necessários. Mas há uma questão sobre a qual não estamos falando o suficiente: o que acontece quando há um caso de Covid-19 em uma escola? Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) divulgaram suas primeiras diretrizes sobre esse assunto na semana passada, um passo muito atrasado para levar as escolas a levar essa questão a sério.

Acho que o instinto é dizer que estamos trabalhando para garantir que isso não aconteça, e é claro que esse é o objetivo. Mas esse objetivo não é realista. Mesmo que as escolas sejam bem-sucedidas em garantir que não haja propagação da Covid-19 nas escolas, ainda haverá casos decorrentes da comunidade.

Quando analisamos dados de locais com escolas abertas – Suécia, por exemplo – eles são encorajadores ao mostrar que o ensino não é um trabalho de alto risco. Mas isso significa que os professores são infectados na mesma proporção que o resto da comunidade. Em outras palavras: se 5% dos adultos de uma comunidade têm o Covid-19, esperamos que 5% dos funcionários da escola o tenham, mesmo que não apresentem maior risco. Esse problema é maior em locais que atualmente têm uma alta disseminação da comunidade, mas é uma preocupação praticamente em qualquer lugar.

Conclusão: quando as escolas abrirem, haverá casos. É necessário ter um plano concreto para o que acontecerá quando isso ocorrer.

Vale a pena fazer uma pausa por um momento sobre o motivo de haver relutância em discutir isso. Na minha opinião, é porque aqueles que querem abrir têm medo de que, se reconhecerem que haverá casos nas escolas, aqueles que se opõem à abertura usarão isso para argumentar que as escolas não são seguras. De fato, há movimentos na Califórnia e em outros lugares dizendo que os professores não devem retornar à sala de aula até que não haja novos casos de Covid-19 na comunidade escolar por 14 dias. Este é efetivamente um mandato para não abrir, possivelmente nunca.

No entanto, essa preocupação deve nos levar a mais transparência e não menos. É realmente melhor induzir as pessoas a se abrirem, apenas para enfrentar o pânico e a raiva quando houver um caso? Se encararmos a realidade agora, estaremos mais aptos a nos preparar emocional e praticamente para o que é inevitável.

Depois de reconhecer a realidade dos casos nas escolas, fica claro que as escolas precisam de um plano. A primeira parte deste plano deve reconhecer que as escolas não devem abrir pessoalmente até que os casos do vírus nas áreas circundantes sejam baixos. Colocar um número preciso disso é difícil, mas, no mínimo, lugares bloqueados, exceto serviços essenciais, não devem abrir escolas.

Mas para áreas com baixa incidência, você ainda precisa de um plano. E esse plano precisa de pelo menos duas partes.

Primeiro, é preciso haver o que eu chamaria de um micro plano: o que acontece quando um único aluno ou professor em uma sala de aula é positivo? É claro que a pessoa afetada precisará permanecer em casa até a liberação para retornar à escola. Mas e o resto da sala de aula, o resto do chão, o resto da escola?

As orientações da CDC são bastante claras sobre o que fazer com o indivíduo doente e que tipo de limpeza deve ser feita. As orientações sobre a abordagem geral da escola são menos específicas. Ele sugere que as escolas provavelmente não precisam fechar para um único caso, mas, além disso, leva a decisão amplamente para escolas e departamentos de saúde locais. Ele sugere uma série de fatores a serem considerados – níveis de transmissão da comunidade, níveis de contato e assim por diante – mas não traça nenhuma linha clara. Mesmo a sugestão de não fechar após um único caso não é definitiva.

As escolas são deixadas para escolher suas próprias abordagens. Um extremo é basicamente não fazer nada – basta dizer ao aluno ou professor doente para ficar em casa. O outro extremo é encerrar a escola para cada caso. Se uma escola planeja fazer isso, pode muito bem não abrir. Existe uma opção intermediária: feche a sala de aula por alguns dias, limpe-a e reabra.

Não é óbvio para mim qual é o micro plano ideal, embora eu esteja inclinado a um caminho intermediário em que a pessoa infectada esteja fora da escola e o restante da classe seja incentivado a verificar os sintomas de perto.

A escola também precisa de um plano macro. Digamos que você mantenha a escola aberta, mesmo que haja alguns casos: existe um ponto em que um surto é grande o suficiente para você fechar a escola? Novamente, as diretrizes são vagas sobre isso. O C.D.C. não faz nenhuma declaração concreta.

Podemos procurar lugares que tiveram escolas abertas para evidência do que funcionou. Muitos países europeus abriram escolas, em grande parte com sucesso. Eles o fizeram adotando várias abordagens aos fechamentos. Na Alemanha, colegas e professores (mas não o resto da escola) foram isolados por duas semanas após um caso relatado. Aparentemente, Taiwan planejava fechar as escolas por dois ou mais casos, mas no início deste mês ainda não havia enfrentado isso. Israel, que provavelmente teve a reabertura mais difícil, fechou escolas para todos os casos. Isso resultou em um número muito grande de fechamentos de escolas.

As evidências de outros países sugerem que as escolas podem adotar uma variedade de abordagens. Minha opinião é que o mais importante é que eles sejam explícitos sobre qual abordagem adotará. Não apenas em traços largos, mas em detalhes. E mais do que isso, com antecedência.

Para os pais, saber a chance de sua escola ser fechada a qualquer momento é fundamental para decidir se seus filhos retornam ou não. Estou tão ansioso quanto qualquer um por ter meus filhos de volta à escola, mas se a escola for encerrada por duas semanas após cada caso, talvez prefira abraçar o inevitável e planejá-lo, em vez de chicotear para frente e para trás. Esse planejamento pode envolver a identificação de cuidados de backup, conversando com outros pais sobre como manter o tempo social durante o fechamento da escola ou até mesmo decidir que devemos optar por uma experiência totalmente on-line desde o início.

As escolas têm um incentivo semelhante. Quanto mais desligamento você planeja, mais robusto o plano de aprendizado on-line precisa ser.

As escolas precisam enfrentar a realidade agora, fazer um plano e depois cumpri-lo.

Emily Oster, professora de economia da Brown, é autora de “Expecting Better” e “Cribsheet: um guia orientado por dados para uma educação melhor e mais relaxada, do nascimento à pré-escola”.

Traduzido do New York Times por Cezar Xavier

Autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *