Pandemia elimina benefício antipobreza nos EUA

Milhões de trabalhadores pobres dos EUA podem perder o crédito fiscal anti-pobreza devido à pandemia. Quanto mais trabalho há, mais se recebe o crédito.

Voluntários em um banco de alimentos em Davis, California, distribuindo mantimentos.

A pandemia está levando as famílias americanas ao limite, com dezenas de milhões em risco de perder suas casas e mais de 1 em cada 10 adultos nos EUA relatando que suas famílias não tiveram o suficiente para comer na semana anterior.

Enquanto o Congresso debate a extensão dos benefícios de desemprego que expiraram em 31 de julho e outras ajudas adicionais, já existe um programa importante que poderia ajudar os americanos em dificuldades a superar a crise por quanto tempo ela durar. Conhecido como crédito tributário, ou EITC (earned income tax credit), ele fornece ajuda principalmente aos trabalhadores pobres. Em um ano típico, tira mais de 8,5 milhões de pessoas da pobreza, melhorando a saúde e o bem-estar dos pais e filhos.

Como o crédito depende da renda obtida, muitas famílias podem correr o risco de perder todo ou parte do benefício, porque muitas foram demitidas quando as economias de muitos estados fecharam. Mesmo com a reabertura de restaurantes e outras empresas, é provável que muitos dos que perderam o emprego permaneçam desempregados ou subempregados por muitos meses ou mais.

Pesquisa mostra que mudanças na estrutura da economia dos EUA, com o crescimento acentuado de salários baixos e empregos instáveis, estão enfraquecendo a eficácia do EITC no combate à pobreza.

Alguns legisladores estão tentando reformar o EITC como parte do próximo resgate do coronavírus para garantir que ajude mais americanos e faça com que pareça mais uma garantia básica de renda. Isso não apenas garantiria que os americanos de baixa renda continuassem a ter acesso a esse crédito tributário vital durante a pandemia, mas mudanças adicionais também poderiam fortalecer o programa nos próximos anos.

A história de sucesso do EITC

O crédito de imposto de renda ganho, que complementa os ganhos de muitos trabalhadores de renda baixa e moderada, ajudou a amortecer as dificuldades econômicas de pais solteiros e outros beneficiários desde que foi criado, em 1975.

Os contribuintes qualificados recebem o crédito depois de registrar seus impostos. E, diferentemente de uma dedução, mesmo aqueles que não pagaram imposto de renda podem receber o crédito, que receberão como parte do reembolso. Vinte e oito estados e o Distrito de Columbia também oferecem seus próprios EITCs, normalmente baseados no crédito federal.

Em 2019, os contribuintes receberam cerca de US$ 63 bilhões em créditos através do EITC federal, tornando-o o maior programa de rede de segurança em dinheiro do governo para famílias trabalhadoras com crianças. Os destinatários se qualificam para o crédito com base em quanto dinheiro ganham e dependendo do estado civil e do número de filhos. O benefício aumenta com cada dólar ganho até atingir um pico e depois eliminar gradualmente.

Por exemplo, em 2019, uma única pessoa que ganha US$ 13.545 por ano recebe US$ 392, enquanto uma família típica de quatro pessoas com uma renda anual de US$ 22.261 recebe cerca de US$ 2.951 – o que resulta em US$ 250 adicionais por mês.

Em outras palavras, uma família com um filho recebe um crédito médio de 34 centavos por cada dólar de renda auferida, que sobe para 40 centavos por dois e 45 centavos por três ou mais filhos.

O crédito tributário tem sido tremendamente bem-sucedido. Em 2018, os dados mais recentes disponíveis, o EITC tirou cerca de 10,6 milhões de pessoas da pobreza e reduziu sua severidade para outros 17,5 milhões. E desde a sua criação, reduziu a pobreza infantil em 25%.

Mas os benefícios vão muito além de proporcionar mais renda às famílias em dificuldades. Pesquisas mostram que o crédito ajudou a melhorar a saúde mental e física das mães, melhora a saúde perinatal das mães e de seus filhos, melhora o desenvolvimento infantil, reduz incidentes de baixo peso entre os bebês ao nascer e melhora a função cognitiva das crianças.

Também goza de forte apoio bipartidário por causa de seu foco em incentivar e apoiar o trabalho.

Mas o EITC apenas ajuda indivíduos capazes de encontrar trabalho, o que se torna um desafio maior em uma recessão pandêmica ou grave.

Cálculos não publicados de uma pesquisa com representantes nacionais mostraram que cerca de um quinto dos 25 milhões de beneficiários do EITC em 2019 perderam seus empregos de março a abril e mais de 16% permaneceram desempregados em junho, os dados mais recentes disponíveis. Isso significa que mais de 4 milhões de famílias trabalhadoras podem perder grande parte de seus benefícios em 2021, dependendo de vários fatores.

Reforma do EITC

Embora esses problemas sejam mais óbvios em uma recessão, eles pioraram nas últimas quatro décadas com a mudança do mercado de trabalho.

A parcela de trabalhadores que trabalham com baixa qualificação e baixo salário saltou de 42% em 1980 para cerca de 54% em 2016. E um número crescente desses empregos está na precária economia informal que não fornece renda estável. Isso significa que é menos provável que os trabalhadores recebam uma ajuda constante do EITC porque os benefícios máximos são obtidos quando se trabalha em período integral e com salário mínimo.

Os EITCs também fornecem muito pouco apoio àqueles sem filhos. Um think tank apartidário estima que cerca de 5,8 milhões de trabalhadores adultos sem filhos como dependentes são tributados na pobreza – ou empobrecidos ainda mais – a cada ano porque seu EITC é muito pequeno para compensar seus impostos federais de renda e folha de pagamento.

Os democratas da Câmara estão pressionando para reformar o EITC na próxima lei de ajuda contra coronavírus. Especificamente, eles gostariam de ajustar a integração do crédito para que os trabalhadores recebam mais benefícios por menos horas trabalhadas, permitindo que aqueles que perderam seus empregos e permaneceram desempregados pelo restante de 2020 mantenham benefícios semelhantes ao ano passado. Eles também reduziriam a idade mínima para receber o crédito de 18 para 25 de certos grupos vulneráveis, como aqueles sem-teto.

Sugere-se também aumentar o benefício para os contribuintes sem filhos e reduzir a idade mínima para todos, para que milhões de jovens que se formaram no ensino médio e na faculdade em uma recessão econômica possam obter apoio adicional.

Essas reformas não apenas ajudariam agora, mas também poderiam aprofundar o impacto do EITC, criando um piso de renda para mais pessoas à medida que a economia muda, criando essencialmente algo muito parecido com uma garantia básica de renda. Uma diferença fundamental, no entanto, é que a maioria das propostas de renda básica universal não exige que os destinatários trabalhem.

Embora não se possa prever completamente como serão as interações entre a perda de empregos e o sistema de impostos e benefícios, este momento apresenta uma oportunidade para testar reformas que beneficiariam as famílias trabalhadoras de baixa renda nos próximos anos e décadas.

Traduzido do The Conversation por Cezar Xavier

Autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *