Políticas ainda poderiam melhorar resposta do Brasil à pandemia

Enquanto óbitos se aproximam dos 100 mil, rede de pesquisadores avalia razões que levaram Brasil a chegar a esse índice, e propõe ações

Universidade do Estado do Pará inicia segunda fase da pesquisa epidemiológica. Marcelo Seabra/Ag.Pará

O Brasil caminha para a marca das 100 mil mortes provocadas pela covid-19, atingindo o segundo lugar em maior número de vítimas no mundo. Os Estados Unidos lideram o número de casos da doença e de mortes. Embora os resultados sinalizem a gravidade da situação, há políticas que ainda podem ser adotadas para melhorar a resposta da sociedade à pandemia.

É o que acreditam pesquisadores da Rede de Pesquisa Solidária (RPS), baseados em ações de países que obtiveram maior eficiência no controle da pandemia e em orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Instituto de Saúde Global de Harvard.

O Boletim nº 18 da rede traz como desafio o avanço do debate público no que diz respeito a trabalhar as razões que fizeram chegar a esse número de óbitos. Na opinião dos pesquisadores, as políticas públicas adotadas pelos governantes brasileiros falharam, em algumas regiões. A flexibilização foi precipitada e houve pouca adesão da sociedade ao distanciamento social.

A Rede de Pesquisa Solidária adaptou critérios do Instituto de Saúde Global de Harvard e avaliou os riscos de agravamento da pandemia no Brasil com base nos dados das secretarias estaduais de saúde na média de novos casos de covid-19, entre os dias 19 e 25 de julho. Os resultados indicam que todos os Estados brasileiros se encontram nas duas zonas mais elevadas dos quatro níveis de risco possíveis.


Níveis de risco de covid-19 de acordo com novos casos diários

Os trabalhos do Instituto de Harvard sugerem também medidas de controle da pandemia que deveriam ser adotadas a partir da situação de risco alcançada. Assim, os Estados que se encontram no nível verde, com a pandemia mais controlada, estariam no caminho adequado de contenção da transmissão da doença e poderiam, portanto, flexibilizar as medidas de distanciamento social, embora mantendo a testagem e o rastreamento de contatos. De modo distinto, a cor vermelha representa as situações de risco alto, em que a pandemia ainda não foi controlada. Neste caso, os Estados são aconselhados a adotar políticas mais rígidas de distanciamento social para que as pessoas permaneçam em casa e a transmissão da doença se reduza. No mesmo sentido, a cor laranja foi utilizada para os Estados ameaçados de elevação dos níveis de transmissão da covid-19, com potencial para retornar ao nível de risco mais elevado.

Testagem como estratégia dos Estados para controlar a pandemia

Segundo orientações da OMS e do Centro de Controle de Doenças dos Estados Unidos (CDC, 2020), o controle da pandemia depende diretamente da massificação de testes que subsidia, inclusive, as decisões sobre medidas não farmacológicas de controle da doença.

Taxa de positividade de todos os testes para covid-19 e de testes RT-PCR/gastos estaduais dedicados a testes RT-PCR (em %)/porcentagem de normativas emitidas pelos gestores estaduais referentes a cada categoria de análise.

Conforme apresentado na Tabela 3, nenhum Estado brasileiro obteve a taxa de positividade sugerida pela OMS, de 5%, tanto em relação aos testes totais realizados quanto aos testes RT-PCR. Destaca-se também que os resultados referentes à positividade de testes RT-PCR são superiores à positividade dos testes totais em todos os Estados, exceto Pará e Tocantins. Em relação aos dispêndios com testes moleculares RT-PCR na composição das despesas estaduais relativas à testagem por covid-19, é possível observar que sete Estados não apresentaram informações sobre gastos com testes (valor zero na tabela 3). Nove estados realizaram despesas superiores a 50% dos gastos informados (Goiás, Minas Gerais, Paraná, Acre, Rio Grande do Norte, Espírito Santo, Ceará, Santa Catarina e São Paulo). Os demais Estados claramente priorizaram os testes sorológicos, capazes de detectar quem já manteve algum contato com o vírus e produziu anticorpos e não pessoas infectadas.

Ao se analisar as normativas emitidas pelos gestores estaduais, foi observado que somente seis Estados (Paraná, Santa Catarina, Alagoas, Ceará, Goiás e Distrito Federal) apresentaram normativas referentes ao uso de testes como instrumentos de vigilância epidemiológica, além de orientar quais grupos devem ser prioritários na testagem e o aumento na disponibilidade de testes covid-19. Destaca-se que todos os Estados emitiram majoritariamente normativas referentes ao aumento na disponibilidade de testes, principalmente devido à compra de testes e insumos, exceto Santa Catarina, Mato Grosso do Sul e Rio Grande do Norte. O Tocantins não emitiu normativa sobre testagem no período analisado.

Estratégias para diminuir a velocidade de transmissão

A Rede de Pesquisa Solidária tem alertado para as consequências da ausência de uma estratégia nacional de contenção da pandemia e para a falta de coordenação entre o governo federal e os Estados, a começar pelo enfraquecimento das políticas de distanciamento físico. A Figura 3 atualiza a aplicação do índice de rigidez das políticas de distanciamento social para todos os Estados e o DF, desde o início de março até 20 de julho.

Índice de rigidez das políticas de distanciamento social para os 26 Estados e o DF (de março a 20 de julho)

Adesão da população às medidas de distanciamento físico

A análise da adesão da população às medidas de distanciamento físico baseou-se nos dados agregados de mobilidade que rastreiam a geolocalização de aproximadamente 60 milhões de usuários de smartphones em todo o Brasil fornecidos pela Inloco. Considerando a porcentagem de telefones celulares que permanecem na mesma localização geográfica durante o dia (das 6h às 22h) de onde estiveram durante a noite (das 22h às 6h). A figura 5 mostra a porcentagem de todos os celulares que estiveram em casa durante o dia por Estado, desde março até 20 de julho.

Permanência em (% de smartphones sem registro de deslocamento geográfico) dos 26 Estados e DF (de março a 20 de julho de 2020)

Em todos os Estados houve um salto no número de pessoas que permaneceram durante o dia no mesmo local em que estavam à noite, na primeira semana após o início das medidas de distanciamento social. No entanto, de forma contraintuitiva, verifica-se que este porcentual não foi maior nos Estados que implantaram políticas de distanciamento mais rígidas.

A figura 6 apresenta as médias do Índice de Rigidez de Políticas de Distanciamento Social (RPDS) e da mobilidade dos indivíduos durante o dia, com relação à média móvel de mortes por 100 mil habitantes nos 26 Estados e no DF. Os Estados adotaram políticas moderadas para aumentar o distanciamento físico em março. Porém, apesar do crescimento da pandemia, ao invés de ampliarem as medidas, os governos estaduais, de forma geral, reduziram gradativamente as medidas ao longo do tempo, mesmo com a tendência nacional de crescimento acentuado nas mortes.

Média nacional do Índice de Rigidez das Políticas de Distanciamento Social dos Estados,
isolamento domiciliar e média móvel das mortes diárias por 100 mil habitantes

Publicado no Jornal da USP

Autor

Um comentario para "Políticas ainda poderiam melhorar resposta do Brasil à pandemia"

  1. nino disse:

    tudo bem? gostei muito do seu site, parabéns pelo conteúdo. 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *