Reduzir contribuição do FGTS não criaria empregos, afirma economista

Além de diminuir de 8% para 6% percentual pago por empresários, governo estuda reduzir imposto que financia INSS, afirma jornal.

Pandemia destruiu milhões de postos de trabalho - Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

Segundo informações do Jornal O Globo, o governo estuda reduzir a contribuição ao FGTS paga pelas empresas sobre o salário dos funcionários, de 8% para 6%. A medida é parte da desoneração da folha de pagamento, que inclui ainda redução do imposto que financia o INSS.

O governo alega a necessidade de reduzir custos para as empresas a fim de estimular a criação de empregos. A perda de arrecadação com a desoneração da folha seria compensada pela criação de um imposto nos moldes da antiga CPMF, sobre transações financeiras eletrônicas.

A redução da contribuição do FGTS representaria perdas para os trabalhadores, que teriam menos recursos depositados no fundo, criado para ser uma espécie de poupança compulsória. O governo argumenta que a redução da contribuição ao FGTS seria compensada pelo aumento das contratações formais – quanto mais trabalhadores contratados, mais recursos entrariam.

No entanto, para o economista Marco Rocha, da Unicamp, a expectativa não tem embasamento empírico. Segundo ele, esse tipo de medida já se revelou ineficaz em ocasiões anteriores e tem menos chances ainda de funcionar no momento atual, de forte recessão devido à pandemia.

“Esse tipo de estímulo, que incide na redução da folha de salário das empresas, geralmente é muito pouco eficiente em momento em que você tem uma redução brutal da demanda com acúmulo de capacidade ociosa das empresas. É um tipo de medida que favorece muito o ajuste, a melhoria da lucratividade das empresas”, afirma.

De acordo com Rocha, políticas que atuam pelo lado da demanda costumam ter mais impacto na criação de empregos do que as direcionadas à oferta, ou seja, a empresários. Entre elas, investimento público e criação de frentes de trabalho, por exemplo.

“O governo tentou fazer estímulo à demanda permitindo o saque do FGTS. Mas essa espécie de estímulo, que vem de uma vez só, tem pouca capacidade de reação econômica em um momento severo como esse que estamos passando. O problema do uso frequente do FGTS para fazer política de curto prazo é que tem muito pouco efeito em termos de emprego formal e acaba contribuindo para descapitalizar o fundo”, diz.

Marco nos direitos trabalhistas

O economista ressalta que o FGTS é um marco importante na proteção ao trabalhador que, muitas vezes, não ganha o suficiente para conseguir poupar. “É óbvio que tem uma série de distorções, que tem que melhorar. Mas a gente tem que pensar nele como instrumento que nasce do reconhecimento de que o trabalhador tem menor poder de barganha frente ao capital. Se não for uma poupança compulsória, há a possibilidade de simplesmente ser retirado de processos de negociação”, diz.

Desde a campanha eleitoral, Guedes e o presidente Jair Bolsonaro defendem a tese de que é melhor ter menos direitos e mais emprego do que todos os direitos e menos empregos. O FGTS é um direito constitucional previsto em cláusula pétrea, mas a alíquota de contribuição não é fixada.

Segundo o jornal, a equipe econômica analisa também a redução na contribuição para o Sistema S, cujas alíquotas variam de 0,3% a 2,5%, de acordo com o setor da empresa. No comércio, por exemplo, empresas recolhem 1% para o Senac e 1,5% para o Sesc.

Os cortes se somariam à redução de 20% para 15% da contribuição patronal para o INSS em todos os contratos de trabalho, inclusive os vigentes. No caso de empregados que ganham salário mínimo, esse imposto seria zerado

Autor

Um comentario para "Reduzir contribuição do FGTS não criaria empregos, afirma economista"

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *