Supremo e Congresso decretam luto oficial por 100 mil vítimas da Covid

O país contabilizava 100.240 mortes e 2,9 milhões de casos no início da tarde deste sábado (8), segundo dados do consórcio de veículos de imprensa.

O Supremo Tribunal Federal (STF) e o Congresso Nacional declararam luto oficial em homenagem aos 100 mil mortos pela Covid-19. O país contabilizava 100.240 mortes e 2,9 milhões de casos no início da tarde deste sábado (8), segundo dados do consórcio de veículos de imprensa.

O presidente do STF, ministro Dias Toffoli, decretou luto oficial de três dias na Corte. Devido ao luto, o Supremo não vai realizar “celebrações, comemorações ou festividades”, de acordo com a decisão de Toffoli.

O presidente do STF divulgou uma mensagem de solidariedade às famílias daqueles que perderam a vida por causa do novo coronavírus. “Os reflexos e as dores oriundas da pandemia são inúmeros e imensuráveis. Mas a maior de todas as dores é, sem dúvida, a perda de alguém que amamos. Isso é algo que jamais pode ser restituído ou compensado”, afirmou Dias Toffoli na mensagem.

Toffoli classificou a pandemia como a maior da humanidade e pontuou que o país “jamais” viveu uma tragédia com essa dimensão. Na mensagem, o presidente da Corte declarou que “a esperança, o espírito de fé e a Ciência sejam nossos guias para que possamos encontrar meios de superação” e destacou o exercício de “solidariedade e o espírito fraternal” diante das perdas humanas.

O presidente do Senado e do Congresso, Davi Alcolumbre (DEM-AP), decretou luto oficial de quatro dias em solidariedade “a todos os brasileiros afetados pela pandemia e às vítimas desta tragédia”. Com o luto oficial, as sessões na Câmara e no Senado só serão retomadas na quarta (12).

“Hoje é um dos dias mais tristes da nossa história recente. O Brasil registra 100 mil vidas perdidas para a Covid-19. O Congresso Nacional decreta luto oficial de 4 dias em solidariedade a todos os brasileiros afetados pela pandemia e às vítimas desta tragédia”, escreveu Alcolumbre.

Autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *