Se a economia depende do consumo, como sobreviver à pandemia?

A economia dos EUA se tornou muito dependente do consumo desenfreado desde a competição com a economia soviética.

O consumismo dos americanos degrada o meio ambiente do mundo todo

A pandemia de Covid-19 afetou radicalmente a economia americana, reduzindo os gastos das famílias americanas com bens materiais, viagens aéreas, atividades de lazer e também o uso de automóveis. Como resultado, as emissões de gases de efeito estufa caíram drasticamente temporariamente.

Embora isso possa ser positivo para o meio ambiente, o preço social é alto: como a economia dos EUA depende fortemente dos gastos do consumidor, o país está enfrentando a maior taxa de desemprego desde a Grande Depressão, a ameaça de sem-teto para dezenas de milhares de pessoas e um fracasso de empresas grandes e pequenas. Como os EUA chegaram ao ponto em que o consumo em massa – e as emissões de gases de efeito estufa associadas a ele – é necessário para o bem-estar econômico e social? As reduções de gases de efeito estufa e uma economia próspera são incompatíveis?

Uma sociedade de consumo é uma construção do século XX. O sonho americano se tornou sinônimo de compra de bens materiais, como carros, casas, móveis ou eletrônicos, distorcendo seu significado original. Hoje, os hábitos de consumo das famílias americanas representam 70% do produto interno bruto dos EUA, uma medida que descreve o tamanho da economia. As empresas americanas gastam cerca de US $ 230 bilhões em publicidade a cada ano, metade de todo o dinheiro gasto em publicidade globalmente.

Compre seus sonhos

A sociedade de consumo de hoje surgiu após o fim da Primeira Guerra Mundial, impulsionada pelo surgimento da moderna indústria de publicidade e facilitada pela adoção generalizada do crédito ao consumidor. Edward Bernays, sobrinho de Sigmund Freud, é geralmente considerado o inventor do campo do marketing na década de 1920. A essência de sua abordagem era atingir o desejo das pessoas de se sentir bem, poderoso e sexy em vez de enfatizar a utilidade de um produto. Bernays criou o termo “engenharia do consentimento” e popularizou o termo “consumidor” ao se referir ao povo americano.

O consumo em massa cresceu continuamente até o início da Grande Depressão. Mas a criação deliberada da atual sociedade de consumo disparou para valer durante as décadas de 1940 e 1950. Quando a Segunda Guerra Mundial terminou, o mesmo aconteceu com a produção industrial do tempo de guerra. Os líderes da indústria mudaram suas enormes capacidades de produção do setor militar para o civil.

Ao mesmo tempo, o presidente Harry Truman estava preocupado com o crescente desemprego entre os veteranos que retornavam e via a produção em massa de bens de consumo como a solução. O GI Bill de 1944 ajudou a devolver veteranos a comprar casas com adiantamentos e empréstimos garantidos pelo governo. As deduções de juros de hipotecas e a infraestrutura financiada pelo governo – serviços públicos e estradas locais, um sistema de rodovias nacionais – tornaram a propriedade residencial nos subúrbios um plano financeiro lógico para as famílias, enquanto a Previdência Social fornecia alívio por ter que economizar para a velhice.

Os sindicatos também tinham o direito de aumentar os salários de seus membros, para que as famílias trabalhadoras pudessem comprar casas, carros e eletrodomésticos. Nessa conjuntura histórica específica, negócios, governo e trabalho se uniram, unidos em seu objetivo comum de aumentar o consumo das famílias como a base da prosperidade econômica e da harmonia social.

Esses desenvolvimentos ocorreram no contexto da euforia do pós-guerra sobre o poder incontestável dos EUA, a fome pós-Depressão por uma vida melhor, os avanços na produção em massa barata e um boom demográfico. O consumismo tornou-se um símbolo da superioridade do sistema capitalista sobre o comunismo de estilo soviético, conforme ilustrado pelo famoso “Kitchen Debate” em 1959 na American National Exhibition em Moscou. De pé entre os elegantes aparelhos que economizam trabalho de uma cozinha americana moderna, o vice-presidente Richard Nixon demonstrou ao primeiro-ministro soviético Nikita Khrushchev a melhor qualidade de vida dos trabalhadores nos EUA.

A superioridade do capitalismo sobre o comunismo, um debate entre dois líderes mundiais, foi simbolizada pela esplêndida cozinha americana moderna.

A grande transformação

Os resultados dessa aliança entre empresas, governo e trabalho foram surpreendentes. A produção nacional de bens e serviços dobrou entre 1946 e 1956, e dobrou novamente em 1970. Casas unifamiliares baratas e confortáveis produzidas em massa, cada vez mais distantes do centro das cidades, tornaram-se acessíveis. O icônico Levittown de 1949 em Long Island, Nova York, era um modelo dos subúrbios: uniforme, conveniente, segregado por raça e dependente do automóvel. Em 1960, 62% dos americanos possuíam suas casas, em contraste com 44% em 1940. Os shoppings suburbanos, uniformes e racialmente segregados, tornaram-se por padrão espaços públicos de reunião, substituindo as ruas, cafés e locais de comércio da cidade.

Essa transformação social ocorreu em um período de uma única geração. O consumismo e um estilo de vida suburbano tornaram-se os princípios organizadores da sociedade e sinônimos de valores fundamentais como bem-estar familiar, segurança, liberdade política democrática e o sonho americano.

Conjunto habitacional suburbano no Arizona.

O básico fica maior

Desde a década de 1950, essa versão de uma vida boa – moldada pela publicidade do que é necessário para viver bem – tem se mantido notavelmente estável. Mas há uma reviravolta: a noção do que representa o conforto básico tem se movido constantemente para maiores e mais – SUVs e uma miríade de conveniências e tecnologias, casas maiores e mais dispersas cheias de móveis e coisas e banheiros e quartos adicionais, cozinhas maiores, mídia e salas de ginástica e salas de estar ao ar livre.

Hoje, o melhor indicador da emissão de carbono das famílias é a renda. Essa correlação é verdadeira em diferentes países, independentemente de opiniões políticas, educação ou atitudes ambientais.

Repensando o consumo

O consumo tem um alto custo ecológico. À medida que o produto interno bruto cresce – impulsionado em grande parte pelo consumo das famílias – também crescem as emissões de gases de efeito estufa. Muitos cientistas e analistas políticos acreditam que, à medida que a tecnologia aumenta a eficiência energética e substitui os combustíveis fósseis por fontes de energia renováveis, as emissões de gases de efeito estufa serão reduzidas significativamente. Mas, apesar dos rápidos avanços nessas tecnologias, não há evidências de que as tendências nas emissões de gases de efeito estufa sejam separadas e independentes das tendências de crescimento econômico. Tampouco há base para a ideia de que o crescimento verde evitará a catástrofe climática antecipada que o mundo está enfrentando.

Ao mesmo tempo, há poucas evidências de que os americanos tenham se tornado mais felizes nas últimas sete décadas de crescente consumismo.

O poder de compra não é a única medida de felicidade.

Esta pandemia revela a vulnerabilidade de uma economia fortemente dependente de uma única fonte de atividade econômica – o consumo.

Do meu ponto de vista, os EUA estariam em melhor situação se a economia – nossa riqueza coletiva – fosse mais fortemente voltada para gastos públicos e investimentos em educação, saúde, transporte público, habitação, parques e melhor infraestrutura e energia renovável. Tal economia contribuiria para o bem-estar humano, emitiria menos gases de efeito estufa e seria menos vulnerável a interrupções repentinas nos gastos do consumidor.

A meu ver, é hora de uma conversa pública honesta sobre a emissão de carbono de nossos estilos de vida “básicos” e o que os americanos precisam, em vez do que dizem que precisam.

Halina Szejnwald Brown é professora emérita da Clark University

Traduzido do The Conversation por Cezar Xavier

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *