Semana Vermelha: o que foi notícia de 16 a 22 de agosto no Vermelho

Flávio Dino mostra, mais uma vez, que é possível usar os recursos públicos e a força do Estado para enfrentar a grave crise econômica e sanitária

A boa notícia vem do Maranhão: é possível enfrentar a crise, a favor do povo. Na quinta-feira (20), o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB) lançou o Plano Emergencial de Empregos Celso Furtado (PEE Celso Furtado), para animar a economia maranhense. Ele mostra, mais uma vez, que é possível usar os recursos públicos e a força do Estado para enfrentar a grave crise econômica e sanitária e adotar programas para fomentar a economia e criar empregos. É um exemplo para o Brasil. Na contramão do governo federal, que anunciou, ao divulgar sua proposta orçamentária para 2021, um forte corte nos recursos para Educação e Saúde, e um aumento significativo no orçamento da Defesa – revelando, com rara clareza, o caráter autoritário e antipovo do governo de Jair Bolsonaro. Caráter ilustrado pela expressão usada pelo capitão-presidente em relação ao valor de R$ 600 da ajuda emergencial: “É muito”, disse ele – embora manifeste muitos sinais da pretensão de navegar na popularidade que essa ajuda pode significar entre os mais pobres.

Um exemplo para o Brasil: o plano de Flávio Dino para criar empregos – Para aquecer a economia, criar empregos e impulsionar a renda das famílias maranhenses, o governador Flávio Dino (PCdoB) lançou, na quinta-feira (20), o Plano Emergencial de Empregos Celso Furtado (PEE Celso Furtado), que será executado de agosto a dezembro de 2020. O programa envolve a realização de obras públicas, compras governamentais, oferta de serviços e fomento setorial, e um plano a oferta de benefícios fiscais em IPVA e ICMS.

*

O teto de gastos beneficia os ricos e prejudica os pobres – Com o teto de gastos, instituído em 2016 pela Emenda Constitucional 95, prevalecem os grupos mais ricos e os mais pobres são prejudicados, mostra a análise é feita por Grazielle David, assessora da Rede de Justiça Fiscal da América Latina e Caribe. A proposta de Orçamento para 2021 deixa esse cenário “muito mais óbvio”, diz ela. Por exemplo, há indicações de que o governo vai cortar recursos da Educação, da Saúde, para colocar na Defesa.

*

Bolsonaro – mais canhão menos educação – Com 48,8% de aumento, orçamento da Defesa supera o da Educação – Pela primeira vez em dez anos o orçamento do Ministério da Defesa será maior do que o do Ministério da Eduação. Proposta orçamentária de Bolsonaro para 2021 prevê 5,8 bilhões de reais a mais no para a Defesa do que para a Educação. A Defesa terá aumento de 48,8% em relação ao orçamento de 2020, passando de 73 bilhões de reais para 108,56 bilhões em 2021. A Educação deve cair dos 103,1 bilhões de reais este ano para 102,9 bilhões em 2020.

*

Concentrar recursos na Defesa e tirar da Educação é a cara de Bolsonaro – Bolsonaro mostra quem é ao tirar dinheiro da Educação para Defesa – A proposta de orçamento para 2021 tem a imagem e semelhança de Bolsonaro. A solução dos embates em um governo diz muito sobre a natureza de cada governante, cada Congresso, cada sociedade. Os recursos destinados à Educação e à Saúde, já submetidos ao teto de gastos, vão ficar abaixo dos patamares do ano anterior. O Orçamento que um presidente manda ao Congresso deveria ser olhado com lupa por todos os seus eleitores antes do processamento parlamentar. Ao expor absurdos como tirar dinheiro da Educação para a Defesa, pois mostra claramente quem ele é.

*

“É muito”, diz Bolsonaro sobre ajuda emergencial de 600 reais – “Isso não é dinheiro do povo, isso é endividamento”, disse Bolsonaro, na quarta-feira (19). Ele admite prorrogar o auxílio, mas em valor menor.

*

Guru de extrema direita da família Bolsonaro é preso por corrupção – Steve Bannon foi preso nos EUA, na quinta-feira (20), acusado de roubar 25 milhões de dólares da campanha We Build TheWall (Nós construímos o muro), e do crime de conspiração e fraude nessa campanha de arrecadação de fundos para a construção do muro entre os EUA e o México. Ele é um dos principais mentores da extrema direita e assim ligado aos Bolsonaro.

*

PM, fábrica de monstros – Como a formação de policiais militares virou uma “fábrica de monstros” – Tese de doutorado na USP, defendida pelo tenente-coronel aposentado e doutor em Psicologia Adilson Paes de Souza mostra aponta que. no treinamento, soldados sofrem violências e humilhações em ritos de passagem – que produz efeito psíquico grave aos profissionais, que passam por uma “fábrica de monstros” durante seu período na escola de formação. Ele defende um debate mais amplo sobre a violência da Polícia Militar, pois o problema passa pela formação dos profissionais.

*

Desmascarada a mentira de Palocci contra Lula – Delegado da PF mostra que delação de Palocci contra Lula foi inventada – A delação só tinha notícias de jornais que, na coleta de provas, não se confirmaram. Essa foi a conclusão de mais um inquérito gerado pelos 23 anexos da delação de Antonio Palocci.

*

Pelo fim do teto de gastos, para sair da crise – Manifesto defende a extinção do teto de gastos, iniciativa da ABED (Associação Brasileira de Economistas pela Democracia), propõe um pacto social mais harmônico e uma reforma tributária progressiva. Diz ser preciso repensar a atuação do Estado para fazer frente aos desafios do Século 21, sendo necessária a extinção do teto de gastos que prejudica as políticas sociais de saúde, educação e assistência e os investimentos da União.

*

Proibido dossiê contra antifascistas – Na quinta-feira (20), por 9 votos a 1, o STF considerou desvio de finalidade do aparato estatal monitorar segmentos contrários ao governo, e determinou que o Ministério da Justiça suspenda qualquer ato voltado a produzir relatórios e coletar informações de pessoas identificadas como integrantes de movimento antifascista.

Autor

Um comentario para "Semana Vermelha: o que foi notícia de 16 a 22 de agosto no Vermelho"

  1. o famoso disse:

    Artigo muito bacana :), obrigado por postar, inclusive acompanharei mais esse site 😀

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *