New York Times destaca denúncia de corrupção sobre família Bolsonaro

Segundo o jornal, os brasileiros estão fazendo uma pergunta que pode ameaçar o futuro político do presidente Jair Bolsonaro: por que sua esposa e filho receberam pagamentos de um homem sob investigação por corrupção?

(Foto: Reprodução)

Sob a manchete “Negócios em família: investigação de corrupção ameaça Bolsonaro no Brasil”, o jornal New York Times dedicou neste sábado (29) a primeira página do caderno internacional para a política brasileira. Segundo o jornal, os brasileiros estão fazendo uma pergunta que pode ameaçar o futuro político do presidente Jair Bolsonaro: por que sua esposa e filho receberam pagamentos de um homem sob investigação por corrupção?

A matéria, assinada por Ernesto Londoño, Manuela Andreoni e Letícia Casado, diz que o presidente estava visitando uma catedral na capital nos últimos dias quando um repórter fez uma pergunta: Presidente, por que sua esposa recebeu US $ 16.000 de um ex-assessor sob investigação por corrupção?

A resposta foi agressiva, mesmo para um presidente conhecido por expressar sua raiva a jornalistas e críticos. “O que eu gostaria de fazer”, disse Bolsonaro ao repórter, “é quebrar sua boca”.

“Em seus dois anos de mandato, quando Bolsonaro e seu círculo íntimo, incluindo seus filhos, foram envolvidos em um número crescente de investigações criminais e legislativas, ele atacou repórteres, investigadores e até mesmo membros de seu próprio gabinete que ousou ir contra ele. Mas o caso envolvendo o ex-assessor e confidente da família – que gira em torno do potencial roubo de salários do setor público – abalou os nervos de Bolsonaro ao colocar sua esposa e seu filho mais velho no centro de uma investigação de corrupção que se transformou em uma das suas maiores responsabilidades pessoais e políticas”, diz um trecho da matéria.

Segundo o maior jornal dos EUA, o conjunto crescente de investigações sobre o presidente e sua família está testando a independência e a força do sistema de justiça em uma das maiores democracias do mundo, com a maior economia do hemisfério sul. “Há poucos anos, o judiciário brasileiro ganhou elogios globais por derrubar funcionários poderosos e titãs empresariais em uma cruzada anticorrupção que derrubou o establishment político”.

Agora Bolsonaro, cuja surpreendente ascensão da periferia da política de extrema direita à presidência foi em grande parte impulsionada por uma promessa de erradicar a corrupção e o crime, é acusado de minar o estado de direito, à medida que os escândalos se aproximam cada vez mais da presidência Palácio.

Especialistas afirmam que as evidências que surgiram até agora no caso do ex-assessor Fabrício Queiroz sugerem que a família Bolsonaro participava de um esquema conhecido como rachadinha , comum nos escalões inferiores da política brasileira. Envolve desviar o dinheiro do contribuinte mantendo empregados fantasmas na folha de pagamento ou contratando pessoas que concordam em devolver uma parte de seu salário ao patrão.

“A suspeita é que se tratava de uma empresa familiar que durou muitos anos e movimentou muito dinheiro”, disse Bruno Brandão, diretor executivo da Transparência Internacional no Brasil, sobre o esquema de suborno envolvendo o ex-assessor. “Essas suposições são muito sérias, corroboradas por evidências sólidas, em uma investigação que se baseia em transações financeiras altamente irregulares.”

Em ações judiciais e vazamentos para a imprensa, as autoridades exprimiram a suspeita de que, a partir de 2007, Queiroz ajudou o filho mais velho do presidente, Flávio Bolsonaro, a roubar fundos públicos embolsando parte dos salários de pessoas de sua folha de pagamento quando ele era um representante do estado. Flávio Bolsonaro foi eleito Senado em 2018.

Queiroz

Entre 2011 e 2016, Queiroz canalizou milhares de dólares para a esposa do presidente, Michelle Bolsonaro, em transações que nenhum deles consegue explicar. Os promotores também acreditam que os depósitos feitos ao filho do presidente podem estar ligados ao esquema.

Com base em um vasto dossiê de registros financeiros, os investigadores estão tentando determinar se o fluxo de caixa irregular em uma loja de chocolates que Flávio Bolsonaro comprou em 2015, e uma série de compras de imóveis que ele fez em dinheiro, equivalem à lavagem de dinheiro.

Separadamente, um jornal brasileiro descobriu que uma das filhas de Queiroz, Nathália Queiroz, estava na folha de pagamento do ex-gabinete do presidente no Congresso em Brasília entre 2016 e 2018, embora trabalhasse como personal trainer no Rio de Janeiro na época .

Registros bancários obtidos por promotores mostram que a Sra. Queiroz fez pagamentos mensais a seu pai que totalizaram dezenas de milhares de dólares entre 2017 e 2018.

O gabinete do presidente se recusou a comentar o caso em nome de Bolsonaro e sua esposa. Michelle Bolsonaro conheceu o marido em 2006, enquanto trabalhava como secretária no Congresso. Depois que os dois começaram a namorar, ela se juntou à equipe legislativa dele, uma mudança que triplicou seu salário.

Paulo Emílio Catta Preta, advogado que representa o Sr. Queiroz, disse que as transações envolvendo a família Bolsonaro “não têm absolutamente nada a ver com suposta apropriação indébita de fundos”. O advogado de Flávio Bolsonaro não respondeu a um pedido de entrevistas.

Em uma entrevista recente, o vice-presidente Hamilton Mourão defendeu o histórico do governo sobre corrupção, observando que ele não se envolveu nos esquemas de propina multimilionários descobertos durante governos anteriores. Ele lamentou o vazamento para a imprensa de tantas informações sobre a investigação de Queiroz, argumentando que há um esforço em curso para “fabricar uma narrativa para a opinião pública”.

Autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *