Abordagem da polícia a homens negros e efeitos sobre suas famílias

O número desproporcional de homens negros que têm contato com as autoridades policiais afeta negativamente suas famílias, reforçando a opressão racial.

Um homem negro em uma manifestação segurando uma placa: "Eu sou o próximo?"

Enquanto grande parte do mundo estava se abrigando nas consequências da pandemia de Covid-19, a atenção total de muitos americanos estava voltada diretamente para Minneapolis, Minnesota, onde George Floyd foi morto pelas mãos – e joelhos – da polícia.

O assassinato de Floyd evocou memórias de outros assassinatos pela polícia, incluindo os de Walter Scott, Eric Garner, Philando Castile e Samuel DuBose. Mais recentemente, outro homem negro desarmado, Jacob Blake, foi baleado sete vezes nas costas em Kenosha, Wisconsin.

Somos um sociólogo e assistente social que estuda racismo, desigualdade e famílias, incluindo o foco nos homens negros e suas interações com a aplicação da lei. Cada uma dessas mortes serve como confirmação de que as preocupações sobre essas interações são justificadas.

O problema não é apenas que os homens negros são mortos – é que as famílias negras estão estressadas e tensas pelos encontros diários dos homens negros com a polícia.

Estudos mostram que motoristas negros e hispânicos, em comparação com motoristas brancos, passam por um número desproporcional de paradas policiais e que os policiais mostram menos respeito pelos motoristas negros.

A desigualdade racial no contato com a polícia pode influenciar a falta de confiança na polícia entre os negros americanos. Em uma pesquisa recente do Gallup, um em cada quatro homens negros com idades entre 18 e 34 anos relatou ter sido tratado injustamente pela polícia no último mês.

Em nossa pesquisa sobre essas interações, descobrimos que elas têm implicações de longo alcance para as famílias negras. Os encontros de aplicação da lei para negros americanos vão além das ruas de nossas cidades e vão para as casas dos negros americanos, onde têm um efeito negativo na vida familiar.

Famílias sofrem

Estudos mostram que uma em cada nove crianças negras teve um dos pais na prisão. Ter um pai encarcerado está associado a uma série de problemas sociais para os filhos, incluindo problemas de comportamento e fracasso escolar.

Os ex-presidiários precisam superar muitas barreiras para se reintegrar e se reconectar com suas comunidades e famílias. Um estudo recente mostra que se os pais estivessem presos anteriormente, eles eram mais propensos a relatar ter um relacionamento tenso e sem apoio com a mãe de seus filhos, um fator importante que impacta negativamente o envolvimento dos pais e prejudica sua conexão e relacionamento com seus filhos.

Embora um número crescente de estudos enfoque o encarceramento e as famílias, há menos pesquisas empíricas que incluam se as detenções policiais vivenciadas por pais negros afetam a vida familiar.

Em nossa pesquisa, descobrimos que os obstáculos que surgem com dificuldades econômicas, doenças mentais, estresse dos pais e encarceramento podem prejudicar a maneira como os pais trabalham juntos e o bem-estar de seus filhos.

Queríamos estender nosso trabalho examinando se a experiência de uma parada no trânsito para pais negros afetou seu relacionamento com a mãe de seus filhos. Isso é importante porque a relação mãe-pai desempenha um grande papel no envolvimento dos pais com seus filhos.

Em 2019, fomos coautores de um estudo que examinou como os contatos de pais negros com a polícia afetam seu relacionamento com a mãe de seus filhos.

Analisamos dados do estudo Fragile Families and Child Well-be, um estudo que envolveu cerca de 5.000 famílias de cidades urbanas. Ao conduzir nossa análise, nos concentramos em 967 famílias negras que incluíam relatos de pais e mães sobre qualidade de relacionamento e parentalidade cooperativa.

Descobrimos que os pais que relataram ter passado por uma parada policial eram mais propensos a relatar conflito ou falta de cooperação em seus relacionamentos com a mãe de seus filhos. Eles também relataram o mesmo problema de relacionamento se já tivessem sido presos anteriormente.

Raiva e frustração

Encontrar policiais pode afetar as relações familiares de várias maneiras.

Em muitas cidades, a presença da polícia é mais intensa em comunidades de baixa renda, onde os homens negros têm maior probabilidade de viver. Essas comunidades e seus residentes costumam estar em desvantagem econômica, com poucas perspectivas viáveis ​​de emprego remunerado.

Para os pais negros nessas comunidades, não ser capaz de cumprir o papel de provedor financeiro pode contribuir para a tensão no relacionamento com a mãe de seus filhos.

Os pesquisadores da família sugerem que eventos estressantes, como contato com as autoridades também podem reduzir a capacidade dos indivíduos de gerenciar os problemas familiares.

Os membros da família estão intimamente ligados, portanto, quando pais negros passam por uma parada policial, isso pode gerar sentimentos de incerteza e agitação por parte da mãe e afetar a maneira como ela vê o relacionamento, levando à raiva e frustração que impactam negativamente o relacionamento.

Reforçando a opressão racial

O número desproporcional de homens negros que têm contato com as autoridades policiais não acontece no vácuo. Alguns pesquisadores ressaltam as origens históricas do policiamento e criminalização de homens negros desde a Guerra Civil que continua até o presente. Isso inclui estereótipos negativos de homens negros como perigosos, o que levou a mais de 150 anos de linchamentos, encarceramento em massa de homens negros e políticas mais recentes de parar e revistar que visam desproporcionalmente os negros.

Dada a prevalência do encarceramento e das detenções policiais para homens negros, o contato policial de qualquer tipo pode se tornar uma fonte de estresse adicional e pode reforçar a opressão racial.

Como indicam os resultados de nosso estudo, essas experiências podem ser transferidas para o dia a dia, inclusive prejudicando o relacionamento familiar.

Deadric T. Williams
Professor assistente de sociologia, University of Tennessee
Armon Perry
Professor de Serviço Social, University of Louisville

Traduzido por Cezar Xavier

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.