Trump não se importa se o oeste for destruído por incêndios florestais

A crise ambiental ameaça a todos, mas o presidente Trump não está nem aí. Esta eleição oferece uma escolha existencial.

Carros circulam pela Golden Gate Bridge sob um céu laranja pela fumaça, ao meio-dia em São Francisco. Fotografia: Harold Postic / AFP / Getty Images

O ar fora da minha janela hoje está amarelo. Ontem estava laranja. O Índice de Qualidade do Ar é superior a 200. A Agência de Proteção Ambiental define isso como um “alerta de saúde” em que “todos podem sofrer efeitos mais graves para a saúde se ficarem expostos a ele por 24 horas”. Infelizmente, o índice está acima de 200 há vários dias.

O oeste está queimando. Incêndios florestais na Califórnia, Oregon e Washington queimam casas, matam muitas pessoas, muitas ficam doentes, e há a evacuação de centenas de milhares. Cidades inteiras queimam, consumindo milhões de acres e cobrindo o terço ocidental dos EUA com densa fumaça acre e perigosa.

Mesmo assim, o presidente Trump não disse nem fez quase nada a respeito. Há um mês, Trump queria proteger vidas no Oregon e na Califórnia de “desordeiros e saqueadores”. Enviou forças federais para as ruas de Portland e ameaçou enviá-las para Oakland e Los Angeles.

Hoje, Portland está sob risco de queimar e Oakland e Los Angeles estão sob alerta de saúde. Trump pouco disse.Um motivo: esses estados votaram contra ele em 2016 e ele ainda guarda rancor.

“Ele nos disse para parar de dar dinheiro para as pessoas cujas casas foram incendiadas porque ele estava com muita raiva porque as pessoas no estado da Califórnia não o apoiaram”, disse o ex-chefe de equipe do Departamento de Segurança Interna Miles Taylor.

Outra explicação para o silêncio de Trump é que os incêndios florestais estão ligados às mudanças climáticas causadas pelo homem, que o presidente fez tudo humanamente possível para rejeitar.

Desastres climáticos extremos estão devastando os EUA. Na quarta-feira (9), a Administração Nacional Oceanográfica e Atmosférica divulgou seu último relatório sobre o Estado do Clima, revelando que apenas em agosto os EUA foram atingidos por calamidades de quatro bilhões de dólares. Além dos incêndios florestais, houve dois enormes furacões.

Esses são fatos inconvenientes para um presidente que passou grande parte de seu mandato desmontando as principais políticas climáticas e ambientais em que pôde colocar as mãos.

Começando com a decisão unilateral de se retirar do acordo climático de Paris, Trump tem sido o presidente mais anti ambiental da história.

Ele chamou as mudanças climáticas de “farsa” e afirmou, sem nenhuma evidência, que os moinhos de vento causam câncer. Ele enfraqueceu os limites da era Obama para o dióxido de carbono do aquecimento do planeta proveniente de usinas de energia, carros e caminhões. Ele revogou as regras que regulam o ar puro, a água e os produtos químicos tóxicos. Ele abriu mais terras públicas para perfuração de petróleo e gás.

Ele tem como alvo a Califórnia em particular, revogando a autoridade do estado para definir padrões de emissão de automóveis mais rígidos do que os exigidos pelo governo federal.

Ao todo, a administração Trump reverteu e revogou, de uma forma ou de outra, cerca de 70 regras e regulações ambientais. Mais de 30 reversões ainda estão em andamento.

Agora, sete semanas antes do dia da eleição, com grande parte do país em chamas ou sofrendo outras consequências da mudança climática, Trump defende descaradamente seu recorde e ataca Joe Biden. “O centro da agenda econômica [de Biden] é uma cruzada de extrema esquerda contra a energia nos EUA”, Trump pigarreou em um discurso no mês passado.

Embora Biden tenha feito do combate às mudanças climáticas uma peça central de sua campanha, propondo investir US$ 2 trilhões em um enorme programa de empregos verdes para construir infraestrutura de energia renovável, suas ideias não são exatamente radicais. O dinheiro seria usado para melhorar a eficiência energética, construir 500 mil estações de abastecimento para veículos elétricos e aumentar a energia renovável de eólica, solar e outras tecnologias.

Biden quer acabar com o uso de combustíveis fósseis para gerar eletricidade até 2035 e levar os EUA a uma emissão líquida zero de gases de efeito estufa até o máximo em 2050. Seus objetivos podem ser modestos demais. Se o que está acontecendo agora no oeste servir de indício, 2050 será tarde demais.

No entanto, os estadunidenses têm uma escolha clara. Em algumas semanas, quando decidirem se Trump merece mais quatro anos, a mudança climática estará em votação. Não deve ser uma escolha difícil. Como o coronavírus, as terríveis consequências da mudança climática (junto à má-fé absoluta de Trump) oferecem uma prova inequívoca de que ele não se importa com o bem público.

Fonte: The Guardian/Tradução: José Carlos Ruy

Autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *