Palestinos protestam contra acordos de normalização árabe com Israel

Os palestinos dizem que apenas a retirada israelense dos territórios ocupados pode trazer a paz ao Oriente Médio depois dos acordos com Bahrein e Emirados Árabes Unidos.

Palestinos na cidade ocupada de Ramallah, na Cisjordânia, protestam contra os acordos de normalização na terça-feira

Centenas de palestinos protestaram na terça-feira na Cisjordânia ocupada e na Faixa de Gaza, denunciando os acordos de normalização dos Emirados e do Bahrein com Israel enquanto foguetes eram disparados contra o país.

Os negócios, intermediados pelos Estados Unidos, foram assinados na terça-feira na Casa Branca, onde o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, se reuniu com autoridades do Bahrein e dos Emirados.

Segurando bandeiras palestinas e usando máscaras para proteção contra o coronavírus, os manifestantes se reuniram nas cidades de Nablus e Hebron na Cisjordânia e em Gaza. Dezenas também participaram de uma manifestação em Ramallah, sede da Autoridade Palestina (AP).

Foram exibidos banners com os dizeres “Traição”, “Não à normalização com o ocupante” e “Os acordos da vergonha”.

Os manifestantes palestinos relatam as centenas de jovens de Gaza que perderam as pernas apenas por protestar contra o bloqueio israelense. Na Cisjordânia e em Jerusalém, os buldôzeres israelenses continuam a demolir as casas palestinas e a limpar etnicamente os palestinos de suas aldeias e cidades diariamente. Estas são apenas algumas cenas da invasão israelense citadas pelos manifestantes que estão sendo aceitas neste acordo pelos países árabes no que chamam de “venda a preço baixo da causa palestina”.

Os manifestantes pisotearam fotos de Netanyahu, o presidente dos EUA Donald Trump, o rei do Bahrein Hamad bin Isa Al Khalifa e o príncipe herdeiro de Abu Dhabi, Mohammed bin Zayed Al Nahyan, antes de serem queimadas.

A cerimônia em Washington, DC marcou o primeiro acordo significativo entre os países árabes e Israel em um quarto de século.

O presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, disse que apenas a retirada de Israel dos territórios ocupados pode trazer paz ao Oriente Médio.

“Paz, segurança e estabilidade não serão alcançadas na região até que a ocupação israelense termine”, disse ele em um comunicado após a cerimônia de assinatura, condenada pelos palestinos como uma “traição” à sua causa.

Protesto palestino
O Comando Nacional Unificado Palestino de Resistência Popular convocou protestos para rejeitar os acordos de normalização. Em nota, apelou a que a sexta-feira seja considerada “um dia de luto em que bandeiras negras sejam hasteadas em todas as praças, edifícios e casas”.

Ativistas nas redes sociais lançaram a hashtag “Dia Negro” em árabe para marcar o reconhecimento oficial de Israel pelos dois estados do Golfo.

Sami Abu Zuhri, porta-voz do Hamas, disse que os acordos do Bahrein e dos Emirados Árabes Unidos não trariam paz a Israel na região. “Os povos da região continuarão a encarar essa ocupação como seu verdadeiro inimigo”, disse ele.

Em Ramallah, a capital de fato da AP, houve um pequeno protesto no qual 200 pessoas se reuniram em uma praça central.

Os manifestantes ainda pedem que os Emirados Árabes Unidos e o Bahrein retrocedam do acordo com Israel e voltem a apoiar os palestinos como sempre o fizeram, e que nenhum outro país árabe jamais faça um acordo com Israel. “Em um momento em que empresas ocidentais estão boicotando Israel, dois países árabes estão prestes a fazer acordos comerciais com ele”, lamentaram.

O secretário do comitê central do Partido Fatah, Jibril Rajoub, disse a jornalistas que “o que está acontecendo hoje em Washington é uma forma de colapso da ordem oficial árabe”.

“Neste dia negro, as assinaturas dos traidores nos acordos de vergonha e humilhação não valem a tinta que escreveram. A Palestina é a causa do povo livre e continuará a ser a bússola dos revolucionários”, diz Rajoub.

Foguetes disparados de Gaza

Dois foguetes foram disparados da Faixa de Gaza contra Israel ao mesmo tempo que a cerimônia estava sendo realizada. Sirenes soaram nas cidades de Ashkelon e Ashdod, ao norte da Faixa de Gaza.

O serviço de emergência Magen David Adom disse que os paramédicos trataram e evacuaram duas pessoas com ferimentos não fatais de estilhaços. Nenhum grupo assumiu a responsabilidade.

Protesto no Bahrein
O manifestante Osama Hasan, que participou dos protestos em Hebron, chamou o acordo de normalização de “uma facada nas costas dos palestinos”.

“Apesar da tristeza por isso, sempre soubemos que o caminho para a liberdade é longo e difícil e precisa de paciência e sacrifício”, disse ele. “Continuaremos trilhando esse caminho e continuaremos lutando até ganhar nossa liberdade e estabelecer o Estado Palestino.

“O povo palestino está aqui para ficar … Nossa determinação, resiliência e firmeza não serão afetadas por aqueles que nos decepcionaram e nos abandonaram.”

Enquanto isso, dezenas de Bahreinis foram às ruas para protestar contra o acordo que o reino assinou com Israel. Houve pelo menos duas pequenas manifestações nas áreas do norte do Bahrein, onde os manifestantes gritaram slogans anti-Israel e pisaram nas bandeiras israelenses em meio a uma forte presença policial.

A oposição do Bahrein, a Sociedade Nacional Islâmica Al-Wefaq, escreveu no Twitter: “No momento da traição e quando eles assinam a conspiração contra al-Quds [Jerusalém] e a Palestina, gritamos que Deus é Grande, Deus é Grande”.

Com informações da Al Jazira.

Autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *