Bolsonaro arruína país com taxa de desemprego recorde, dizem deputados

Orlando Silva afirmou que para completar a situação caótica temos inflação de alimentos e corte no auxílio emergencial

(Foto: Reprodução)

A taxa de desemprego no Brasil bateu recorde de 13,8% no trimestre encerrado em julho, atingindo 13,1 milhões de pessoas e com fechamento de 7,2 milhões de postos de trabalho em três meses. Os dados são revelados pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Mensal (Pnad Contínua), divulgada nesta quarta-feira (30) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

É a maior registrada pela série histórica da pesquisa, iniciada em 2012, refletindo os impactos da pandemia de coronavírus.

Deputados do PCdoB repercutiram o resultado da pesquisa. Para Alice Portugal (BA), “a situação é grave e o presidente Bolsonaro nunca priorizou ações voltadas para a proteção do emprego e para a geração de renda”. “Governo da morte, da fome e do desemprego”, afirmou.

Desde o início da pandemia do coronavírus no país, Bolsonaro pouco fez para aliviar o impacto na saúde e na vida da população. Desde março, apesar de o Congresso ter aprovado recursos e propostas para ajudar a população e a economia do país, o governo tem liberado em doses homeopáticas os auxílios, resultando, por exemplo, no fechamento de mais 700 mil pequenas empresas desde o início da pandemia.

O deputado Orlando Silva (SP) foi categórico ao dizer que Bolsonaro arruína o país. “A economia brasileira vive uma tragédia. O desemprego acaba de bater novo recorde. Na vida real é ainda pior. Para completar, temos inflação de alimentos e corte no auxílio emergencial. Bolsonaro está arruinando o país”, cravou.

O vice-líder da bancada, deputado Márcio Jerry (MA) afirmou que “a economia se degrada no Brasil sem resposta adequada do governo Bolsonaro”. “Dias difíceis pela frente se nada for feito e feito corretamente”, pontuou.

O deputado Rogério Correia (PT-MG) afirmou que aumento atual do desemprego segue a tendência dos últimos anos, mais precisamente a partir de 2015, quando o trio Aécio/Temer/Eduardo Cunha se juntou a Moro (Sergio Moro) para boicotar o governo Dilma com as pautas bombas.

O líder da oposição no Senado, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), prevê que a crise econômica irá se aprofundar cada vez mais caso o governo Bolsonaro mantenha a atual política econômica antiemprego. “Devemos votar e derrubar o veto à desoneração da folha de pagamento o quanto antes! É uma das muitas atitudes que devem ser tomadas imediatamente!”, defendeu.

Fonte: Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *