Quino, aquele que desenhou todos nós

Dentro e fora da “Mafalda”, Joaquín Salvador Lavado representou, representa, continuará a representar o estado das coisas no mundo: por vezes de forma dolorosa, mas sempre com uma humanidade profunda.

Quino foi um criador com um olhar muito aguçado e uma antena sempre bem orientada. I Foto: Adrián Pérez

Não há como verificar se isso realmente aconteceu, mas a anedota é muito contundente: dizem que quando os nazistas invadiram a casa de Pablo Picasso em Paris, um oficial perguntou se ele era o autor daquela bagunça chamada Guernica. “Não, isso foi feito por você”, disse o pintor.

Diante da visão daquelas vinhetas que cruzam o tempo, que continuam a nos representar, que continuam a apontar males eternos da Humanidade, Quino poderia ter dito algo semelhante. Não parece por acaso que uma de suas “piadas” mais famosas é aquela em que um empregado da limpeza arruma um quarto inteiro … inclusive Guernica. Dizem que era um dos favoritos, também é difícil de verificar.

Joaquín Salvador Lavado era cartunista e humorista, é claro. Mas acima de tudo ele foi um criador com um olhar muito aguçado e uma antena sempre bem orientada para registrar o mundo em que viveu, e sua distância brutal do mundo que desejava. O que ele colocava diante dos olhos de quem queria ousar ver era o que ele fazia e era o que os vários componentes da sociedade faziam. E então, como muitos males neste planeta tendem a sobreviver ao invés de curar, seu trabalho é eterno. O que foi feito há 40, 50, 20 anos ressoa com o mesmo poder hoje. O único anacronismo é a tecnologia ou os trajes que retrata. No resto, tudo continua igual.

É por isso que é tão difícil dizer a notícia e começar a falar no pretérito. Quino morreu e, quase ao meio-dia do último dia de setembro, ouviu-se o som de milhões de corações se apertando de tristeza. Só por tolice podemos negar o que Quino e as suas criaturas – que não são apenas Mafalda e os seus amigos e pais – significam para os habitantes deste país. Muitas vezes o “artista popular” se identifica mais com a figura do intérprete, desde a música, performance, seja o que for. Mas Quino, um homem curvado sobre uma placa para retratar o mundo, foi, é, um artista extremamente popular.

Essa popularidade, aquela sintonia imediata com o leitor, começou em um campo curioso, o da mesma publicidade para a qual dirigiu mais de um dardo em sua obra. Há provas abundantes de que para Quino Mafalda foi apenas uma etapa da sua vida, a tal ponto que decidiu acabar com ela quando mais de um continuaria a extrair o sumo. Já estava tudo dito, ele raciocinou. Para Quino, a vinheta única ou em algumas pinturas muitas vezes mudas era um universo muito mais rico, cheio de possibilidades, em que podia retratar diretamente coisas que também estavam em Mafalda , mas com o verniz de modos daquele universo infantil.

Claro, eles não eram crianças quaisquer, e também havia uma pintura da Humanidade. As preocupações de Mafalda encontraram paredes de repercussão perfeitas no estabelecimento – adorável, mas estabelecimento ainda assim – representado por Manolito e Susanita, que expressaram o capitalismo de uma forma adocicada, mas às vezes brutal. Libertad e Guille eram a anarquia feliz, o chamado para quebrar o sistema, um da selvageria de uma criança pequena e nada complacente e o outro de uma formação onde uma mãe solteira e militante era vislumbrada. Felipe era um pouco de todos nós, ou aquela faceta de nós que às vezes homenageia Bartleby, o garoto indolente que chutava as coisas com uma culpa moderada. Miguelito, aquele com as alfaces na cabeça, talvez o mais filho de todos, inocência e devaneio permanente. Mafalda, fã dos Beatles e inimiga da cruzada da sopa, um pequeno demônio versado em política nacional (“O pau para dentar ideologias?”) E as convulsões internacionais, coalharam o panorama interagindo com eles e com a própria descrença. No quarteirão, na praça, na escola, nas modestas salas de classe média de seus personagens, Quino já representava o mundo . 

Mas embora o mundo cruel e às vezes inexplicável aparecesse em seus filhos, o homem de Mendoza nunca foi um niilista. A profunda humanidade de Quino fez de Mafalda uma tira tão popular, pois o cartunista também observava com carinho e compreensão as únicas pessoas mais velhas que apareciam regularmente – os sofredores pais de Mafalda . Se Susanita só estava interessada em se casar e ser uma dona de casa com lindos bebês, Raquel, A mãe de Mafalda, era uma lembrança da prisão em casa e dos sonhos frustrados, e a mãe invisível de Libertad um sinal de que havia um caminho feminista. O pai era uma concentração do porteño médio, vinculado a um trabalho de escritório que lhe permitia aqueles modestos quinze dias de praia, com o humilde sonho de chegar ao Citroen 3CV. Em todas essas criaturas, na doçura com que retratava seus desejos, suas misérias e obsessões, fica claro o quanto o homem com o bico as amava.

E porque os amava tanto, um dia decidiu despedir-se deles.

Fonte: Pagina12

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *