O que havia de mais avançado para o tratamento de Trump?

Trump está tomando o que há de mais recente em tratamentos para Covid-19. Eis aqui o que os médicos sabem que funciona contra o vírus

Presidente Trump cumprimenta apoiadores ao dar um passeio na frente do hospital onde está internado (Official White House Photo by Tia Dufour)

Com o presidente Trump de 74 anos e a primeira-dama Melania Trump de 50 anos com teste positivo para coronavírus, quais são os melhores tratamentos comprovados para eles e outros pacientes?

Somos ambos médicos-cientistas da Universidade da Virgínia. Cuidamos de pacientes com Covid-19 e conduzimos pesquisas para encontrar as melhores maneiras de diagnosticar e tratar Covid-19.

Aqui, estamos compartilhando o que os médicos aprenderam nos últimos oito meses, tratando os vários estágios da doença. No início do ano, havia poucos tratamentos conhecidos para pessoas que apresentavam sintomas graves de Covid-19, além de mantê-los em ventiladores. Agora, vários meses depois, há um punhado de tratamentos, incluindo medicamentos, que fornecem aos médicos ferramentas muito melhores para curar pacientes, especialmente os muito doentes.

Quem está em maior risco de Covid-19 grave?

Os homens têm uma vez e meia mais probabilidade de morrer, e uma pessoa de 80 anos tem um risco vinte vezes maior de morte do que uma pessoa de 50 anos. Além da idade e do sexo masculino, obesidade; diabetes; diagnóstico recente de câncer; doenças cardíacas, pulmonares e hepáticas crônicas; derrame; e demência, todas estão associadas a um risco aumentado de morte por Covid-19. Com base nesses critérios, o presidente se enquadra em uma categoria de risco mais alto com base no sexo e idade.

O tratamento é diferente dependendo de quão doente a pessoa está?

A abordagem da terapia difere dependendo do estágio da doença.

Portanto, é importante não apenas diagnosticar Covid-19, mas definir se a infecção é assintomática ou pré-sintomática. Além disso, o grau de doença de uma pessoa – seja um caso leve, moderado, grave ou crítico – muda a forma como um paciente é tratado.

Que tratamento existe para infecções assintomáticas ou pré-sintomáticas?

A infecção assintomática ou pré-sintomática é definida por um teste diagnóstico positivo para Covid-19 (PCR ou teste de detecção de antígeno) sem sintomas de infecção.

Atualmente não há tratamento eficaz conhecido para esta fase. Alguém com infecção assintomática ou pré-sintomática deve se isolar em casa por 10 dias para não expor outras pessoas.

Quais são os sintomas de uma doença leve e quais tratamentos funcionam?

Os sintomas de infecção leve por Covid-19 podem incluir febre, tosse, perda do paladar ou do olfato, dores musculares, dor de cabeça, náuseas, vômitos, diarreia, congestão e coriza.

Alguém com Covid-19 leve não apresenta falta de ar, dor no peito ou evidência de pneumonia durante uma radiografia de tórax. A exceção a isso são crianças com doença leve que ainda podem ter uma radiografia anormal.

Não há tratamentos que tenham demonstrado beneficiar as pessoas com doença leve. No entanto, esses pacientes devem estar bem familiarizados com os sintomas da doença moderada, para que eles e outros reconheçam se progridem para doença moderada. Isso é importante porque a progressão para uma doença mais grave pode ser rápida – normalmente cinco a 10 dias após os sintomas iniciais.

Doença moderada

A doença moderada é definida como falta de ar, dor no peito ou em uma radiografia de tórax, evidência de pneumonia, mas sem hipóxia (níveis baixos de oxigênio no sangue).

Atualmente, não há terapia eficaz conhecida para doenças moderadas.

Doença severa

A doença grave é identificada por uma taxa de respiração rápida (mais de 30 respirações por minuto) ou baixos níveis de oxigênio no sangue, que é chamada de hipóxia. Além disso, a evidência de pneumonia afetando mais da metade dos pulmões, diagnosticada em uma radiografia de tórax, é um sinal de um caso grave.

Ensaios clínicos controlados demonstraram que o medicamento antiviral remdesivir acelera a recuperação de pacientes com doença grave, mas não crítica.

Além disso, o medicamento esteróide antiinflamatório dexametasona (um medicamento semelhante à prednisona) diminui a mortalidade.

Doença grave

A doença crítica ocorre quando o paciente fica tão doente que os órgãos vitais começam a falhar e requerem medicamentos ou outras terapias para apoiar essas funções vitais.

Se a insuficiência pulmonar for suficientemente grave, os médicos podem colocar o paciente em um ventilador mecânico ou em grandes quantidades de oxigênio. Não há evidências de que o tratamento com remdesivir seja benéfico durante essa fase crítica. A dexametasona ainda é recomendada para o tratamento porque demonstrou diminuir a mortalidade.

Quais terapias não funcionam ou ainda estão sendo testadas?

Alguns tratamentos que se mostraram ineficazes incluem cloroquina e hidroxicloroquina.

Outros tratamentos potenciais ainda estão no meio de testes clínicos para testar se são eficazes. Isso inclui plasma convalescente humano, que contém anticorpos que devem se ligar ao vírus e impedir que ele entre nas células.

Existem também drogas para modular a resposta imune, como interferons e inibidores de IL-6, que em alguns casos podem prevenir uma reação exagerada prejudicial do sistema imunológico, comumente referida como tempestade de citocinas.

Tratamentos mais recentes, incluindo um que o Presidente Trump recebeu

No momento, não há tratamento aprovado para pacientes ambulatoriais com Covid-19 assintomático ou leve a moderado. Mas isso parece estar mudando, com a liberação de dados de testes clínicos da Eli Lilly e da Regeneron sobre o uso de anticorpos fabricados em laboratório contra a glicoproteína de pico do novo coronavírus.

Nessa abordagem, como no plasma convalescente, os anticorpos atuam ligando-se ao vírus e bloqueando sua entrada nas células e sua multiplicação. Isso pode ser particularmente eficaz no início da infecção, antes que a doença se torne grave.

Em uma prévia dos dados de um ensaio clínico de fase três em andamento, os indivíduos com Covid-19 que receberam uma injeção de um coquetel de anticorpos monoclonais contra a glicoproteína de pico SARS-CoV-2 tiveram sintomas que duraram apenas sete dias em vez de 13. A quantidade de vírus remanescente na nasofaringe – a parte superior da garganta atrás do nariz – também foi reduzida.

Uma atualização do médico do presidente na tarde de 2 de outubro indicou que, como medida de precaução, o presidente recebeu uma infusão do coquetel de anticorpos Regeneron. Este tratamento não está amplamente disponível e pode ser administrado apenas sob o que é chamado de uso compassivo.

No mesmo dia, o presidente teria recebido também oxigênio suplementar e uma primeira dose do antiviral Remdesivir. A pesquisa mostra que este antiviral pode diminuir o tempo de internação dos pacientes com Covid-19, mas apenas quando administrado antes do paciente precisar de ventilação mecânica.

No sábado, 3 de outubro, o presidente recebeu uma segunda dose de Remdesivir e uma primeira dose do esteróide dexametasona. A dexametasona é um medicamento antiinflamatório da mesma classe da prednisona. Ele diminui a mortalidade em pacientes com Covid-19, que é grave o suficiente para exigir oxigênio suplementar, mas pode realmente piorar a doença naqueles que não estão tão gravemente enfermos.

Tudo isso sugere que o presidente está recebendo terapias de última geração.

William Petri é professor de Medicina na Universidade da Virginia

Jeffrey M. Sturek é professor assistente de Medicina na Universidade da Virginia

Traduzido por Cezar Xavier

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *