Ricardo Salles defende boi bombeiro para combater queimada no Pantanal

Dados oficiais do IBGE e do Inpe indicam que não há correlação direta entre as variações nos números de rebanho e focos de calor no Pantanal

(Reprodução: TV Senado)

Assim como a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, defendeu o papel da criação de gado no Pantanal como importante para combater as queimadas no bioma. “Ouvimos de várias fontes diferentes sobre a necessidade de haver um reconhecimento do papel da criação de gado no Pantanal, uma vez que o gado também contribui para diminuir o que há de excesso de matéria orgânica: o capim, enfim, o pasto que ele ajuda a reduzir”, disse o ministro nesta terça-feira (13) durante audiência na comissão externa do Senado que acompanha os incêndios na região.

O ministro afirmou que o boi bombeiro é uma discussão que vem dando bastante polêmica. “A própria Ministra Tereza Cristina fez um comentário esta semana acerca da importância da criação de gado no Pantanal. Nós concordamos”, disse o ministro.

Segundo o site de verificação ambiental Facebook.eco, dados oficiais do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisa Espaciais) indicam que não há correlação direta entre as variações nos números de rebanho e focos de calor no Pantanal. Os dados são das últimas duas décadas.

“Os números mostram que o rebanho se manteve praticamente estável na última década, período em que houve grande variação de queimadas. Segundo dados do Mapbiomas, entre 1999 e 2018 a cobertura de vegetação no Pantanal caiu 10% e a área de pastagem exótica cresceu 64% sobre áreas naturais”, observou o site.

Desmonte

Apesar dos afagos dos aliados, o ministro também ouviu severas críticas de parlamentares da oposição sobre outros assuntos. “Perdoe-me, nada pessoal, mas atribuir responsabilidade à natureza, falar que os índios são responsáveis por queimadas (…) Eu quero falar para o ministro do Meio Ambiente, com todo o respeito, que ele entrou para a história: é o ministro que operou um verdadeiro desmonte na área ambiental!”, criticou o senador Fabiano Contarato (Rede-ES).

Para o senador, a situação é grave por estar sendo violado um direito humano essencial: o direito a um meio ambiente ecologicamente equilibrado. “O fogo que atingiu o Pantanal equivale a 20 vezes a cidade de São Paulo. A natureza não vai perdoar o que está acontecendo no Brasil. Essa conta vai chegar e vai ser muito alta, e nós seremos responsabilizados por isso”, criticou.

O senador lembrou ainda que Bolsonaro queria acabar com o Ministério do Meio Ambiente, mas não conseguiu fazer direito. Então, desmontou o Plano de Combate ao Desmatamento, com a Secretaria de Mudanças Climáticas, com o Departamento de Educação Ambiental, que só foi restituído um ano depois.

“Criminaliza ONGs, prolifera agrotóxicos. Empresas do agronegócio devem R$ 200 bilhões em tributos à União. A população indígena está sendo dizimada. O que está acontecendo no Pantanal já é uma tragédia anunciada. O Brasil não está cumprindo o Acordo de Paris. O aumento do desmatamento na Amazônia subiu 145% de janeiro a agosto. E a consequência disso é o que está acontecendo no Pantanal”, criticou.

“Infelizmente, nesse Ministério do Meio Ambiente, está acontecendo na área ambiental no Brasil esse desmonte em proporção inimaginável. O Brasil sempre foi referência no mundo, mas hoje estamos sendo motivo, infelizmente, de vergonha internacional. Quero deixar só o meu protesto aqui. Não tenho perguntas a fazer”, finalizou.

O ministro rebateu dizendo que já havia recebido os órgãos com desmonte. “Recebemos Ibama e ICMBio com 50% dos seus quadros de pessoal faltando, orçamentos deficitários, e problemas graves de infraestrutura. Em meio a esse caos que o governo herdou de gestões passados, não só de gestão, mas econômico, estamos tentando arrumar a casa com os recursos que nós temos”, disse ele que dispensou cifras bilionárias do Fundo da Amazônia, bancado por países como Alemanha e Noruega.

Autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *