EUA: 545 crianças sequestradas por Trump não encontram seus pais

Política de imigração nos EUA separou crianças de seus pais. Sem nenhuma ação prevista por parte do governo Trump, as famílias continuam afastadas

Mãe e filho aguardam audiência no tribunal de asilo, na fronteira, em Ciudad Juárez, México. 2019. | Al Neal / People's World

Escondidos atrás do brilho prateado das cercas de arame e das paredes de concreto podem se ouvir os gritos agudos e rasos de crianças que olham, com os olhos embaçados pelas lágrimas, seus pais serem afastados deles pelos oficiais da Immigration and Border Control (Imigração e Controle de Fronteiras), sem saber o que virá a seguir ou se eles verão, ouvirão ou abraçarão suas mães e pais novamente.

Esta foi uma cena comum ao longo da fronteira sul dos EUA como a “política de separação familiar” do governo Trump, parte de sua abordagem de “tolerância zero” mais ampla para deter a imigração ilegal e encorajar uma legislação de imigração mais dura, que irrompeu há dois anos.

Na terça-feira, 20 de outubro, advogados nomeados por um juiz federal para identificar e reunir famílias de migrantes separadas pela política de Trump disseram que ainda não encontraram os pais de 545 crianças – cerca de 60 delas tiradas de suas famílias com menos de 5 anos de idade. Aproximadamente dois terços desses pais foram deportados de volta para a América Central sem seus filhos, de acordo com um pedido judicial da American Civil Liberties Union (ACLU).

As crianças foram separadas entre 1º de julho de 2017 e junho de 2018. Mais de 2.700 crianças foram separadas de seus pais apenas em junho de 2018. A juíza distrital Dana Sabraw ordenou o fim da prática de processar criminalmente todos os adultos que, vindos do México, entraram no país sem documentos.

A depravação moral encontrada na mente e no coração do atual presidente, e em seu governo em larga escala, é realmente incomparável na era moderna. Portanto, não vamos meditar nas palavras: Donald Trump sequestrou crianças à força. E a horrível verdade de como suas políticas se desdobraram ainda está vindo à tona.

Trump anunciou oficialmente sua abordagem de “tolerância zero” por meio do então procurador-geral Jeff Sessions em abril de 2018. Porém, foi confirmado mais tarde que essa prática horrível havia realmente começado não oficialmente em algumas partes da fronteira ainda em 2017, sob um programa piloto. Naquele ano, o Department of Homeland Security (DHS; em português, Departamento de Segurança Interna) estimou que separou 3.014 crianças de suas famílias enquanto a política estava em vigor.

Em 25 de novembro de 2019, uma auditoria do escritório do Inspetor Geral do DHS descobriu que o organismo “não tinha a funcionalidade do sistema de tecnologia da informação necessária para encontrar famílias de migrantes separadas durante a execução da Política de Tolerância Zero”. Essencialmente, o governo estava separando crianças e pais sem a capacidade de controlar para onde todos estavam sendo enviados. O número real de crianças arrancadas de suas famílias nunca será confirmado, mesmo com essa política terminando por ordem executiva presidencial em junho de 2018.

“É fundamental descobrir o máximo possível sobre quem foi o responsável por esta prática horrível, sem perder de vista o fato de que centenas de famílias ainda não foram encontradas e permanecem separadas”, disse Lee Gelernt, vice-diretor do ACLU Immigrants. “Há muito mais trabalho a ser feito para encontrar essas famílias. As pessoas perguntam quando vamos encontrar todas essas famílias e, infelizmente, não posso dar uma resposta. Simplesmente não sei ”, disse Gelernt. “Mas não vamos parar de procurar enquanto não encontrarmos cada uma das famílias, não importa o quanto demore. A trágica realidade é que centenas de pais foram deportados para a América Central sem seus filhos, que permanecem aqui com famílias adotivas ou parentes distantes”.

A ACLU, junto com outras organizações que fazem parte de um “comitê gestor” nomeado pelo tribunal, descobriu que mais de 1.000 famílias foram separadas em 2017 com base em dados do DHS. Dos 1.000, o comitê fez contato bem-sucedido com os pais de 550 crianças e acredita que cerca de 25 deles poderão voltar para os EUA para a reunificação.

Embora a pandemia de coronavírus tenha dificultado temporariamente estes esforços de reunificação, os esforços locais foram retomados, de acordo com os documentos judiciais da ACLU. “Embora já tenhamos localizado muitos pais deportados, existem centenas de outros que ainda estamos tentando encontrar”, afirma a Justice in Motion, a organização que busca os pais no México e na América Central. “É um processo árduo e demorado. Durante a pandemia, nossa equipe de defensores dos direitos humanos está tomando medidas especiais para proteger sua segurança e proteção, bem como a dos pais e de suas comunidades”.

Em resposta a essas revelações, o porta-voz do DHS Chase Jennings disse: “Esta narrativa foi dissipada. No litígio atual, por exemplo, dos pais de 485 crianças com quem o advogado dos Requerentes conseguiu entrar em contato, eles ainda não identificaram uma única família que queira que seu filho se reúna em seu país de origem.”

Quando o porta-voz da Casa Branca Brian Morgenstern foi questionado sobre o relatório, ele disse que muitos dos pais “se recusaram a aceitar seus filhos de volta. Não é por falta de esforço do governo.”

Foi uma declaração estranha, mas que se manteve alinhada com a tática do governo de desviar e transferir a culpa para os outros. “Em primeiro lugar, nem mesmo encontramos esses 545 pais, então nem nós nem certamente o governo podemos saber se eles querem se reunir”, disse Gelernt, em resposta à declaração do governo. “Em segundo lugar, no passado, certamente houve pais que tomaram a agonizante decisão de deixar a criança nos EUA por causa do perigo que a criança enfrentaria ao retornar. A solução humana e simples é o governo Trump permitir que os pais retornem aos EUA. para se reunir com seus filhos, mas o governo não permite isso.”

O candidato democrata Joe Biden chamou a questão das crianças separadas de “um ultraje, uma falha moral e uma mancha em nosso caráter nacional”.
Biden também se comprometeu a, se eleito, reverter as políticas de imigração de Trump. “Vou enviar um projeto de lei ao Congresso no primeiro dia para criar um roteiro para a cidadania para os 11 milhões de indivíduos sem documentos que já vivem e estão fortalecendo os EUA”, disse Biden. “Estes são nossos vizinhos e colegas de trabalho e são parte integrante de nossas comunidades.”

Quando questionado no debate presidencial final em 22 de outubro, sobre as crianças separadas, Trump simplesmente respondeu que elas são “tão bem cuidadas” em “instalações limpas”, mas não deu nenhum plano para reuni-las com seus famílias.

Os partidários do presidente, por sua vez, continuam ignorando o tema ou tentam mudar de assunto. Falando na CNN após o debate, o senador republicano Rick Santorum não tinha defesa para a política de separação, e disse: “O ponto principal: não estamos mais colocando crianças em gaiolas.”  

À medida que a tarefa de reunir as famílias continua, os pedidos de ajuda para encontrar os pais continuarão a viajar pelo México e América Central. O caso legal que motivou este esforço humanitário foi movido pela ALCU em nome de uma mãe solicitante de asilo, e sua filha de 7 anos, que fugiam da violência na República Democrática do Congo; elas foram separados à força ao chegar ao posto de controle da fronteira sul dos EUA e detidas a 2.000 milhas de distância uma da outra.

(*) Al Neal é editor de trabalho e política, e o fotógrafo-chefe de “People’s World”.

Fonte: People’s World; tradução: José Carlos Ruy

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.