Bolsonaro quer entregar a saúde pública aos planos privados, diz Dilma

A ex-presidenta da República diz que o Congresso não pode aceitar esta violação constitucional e ameaça a vida de milhões de brasileiras e brasileiros

Dilma Rousseff - Foto Roberto Stuckert Filho

A ex-presidenta da República Dilma Rousseff acusa o governo de Jair Bolsonaro de promover mais um atentado contra a sociedade brasileira ao permitir a privatização das Unidades Básicas de Saúde, num programa de Parceria Pública Privado que foi desenhado pela equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes.   “Isto significará a extinção da saúde pública e a entrega do setor aos planos privados de saúde”, criticou, na manhã desta quarta-feira, 28 de outubro, Dia do Servidor Público.

Dilma condenou veementemente o decreto presidencial 10.530, publicado nesta terça-feira, 27, no Diário Oficial da União, que excluiu a consulta ao Ministério da Saúde na escolha de projetos pilotos de privatização de UBSs, a porta de entrada do Sistema Único de Saúde (SUS). “Bolsonaro e Guedes cometem um atentado contra a população e contra a Constituição, que diz que ‘saúde é direito de todos e dever do Estado’”, advertiu Dilma. “O Congresso não pode aceitar esta violação constitucional e ameaça a vida de milhões de brasileiras e brasileiros”.

De acordo com a ex-presidenta, o decreto presidencial, assinado por Jair Bolsonaro e Paulo Guedes, que autoriza a privatização das Unidades Básicas de Saúde é nocivo ao país. “É um passo decisivo para a destruição do SUS”, alerta. “Mais de 150 milhões de brasileiros têm apenas o SUS como forma de acesso a atendimento médico”. Ela conclamou os líderes políticos e a sociedade civil a pressionarem o governo para reverter a decisão do Palácio do Planalto.

Dilma denuncia que o desmonte do SUS pelo governo Bolsonaro não começou agora. “As 45 mil UBSs instaladas no país ofereciam primeiro atendimento, além de vacinação, a centenas de milhões de pessoas. Sem repor os médicos cubanos, expulsos por Bolsonaro por preconceito ideológico, o Mais Médicos deixou de atender 63 milhões que tiveram nas UBSs o único acesso à saúde”, lembrou a ex-presidenta. Ela lamentou que o governo promove o ataque ao SUS em plena pandemia, com o país somando quase 158 mil mortos e com mais de 5,3 milhões de pessoas contaminadas pelo Covid-19

A Secretaria-Geral da Presidência da República divulgou nesta quarta-feira pela manhã um texto para tentar contornar as críticas de especialistas em saúde pública, e mesmo do Conselho Nacional de Saúde, que denunciou a manobra do governo. Na nota, o Palácio do Planalto afirma que “a medida não representa qualquer decisão prévia, pois os estudos técnicos podem oferecer opções variadas de tratamento da questão, que futuramente serão analisados pelo governo federal”. O material divulgado recomenda que os jornalistas procurem o Ministério da Economia, e não o da Saúde, para ter acesso a mais informações.

Fonte: PT Notícias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *