Outro assassínio de um negro pela polícia abala os EUA

Protestos preencheram as ruas de Filadélfia após Walter Wallace ser morto a tiros pela polícia na última segunda-feira (26)

Na reta final da corrida presidencial nos EUA, um novo caso de brutalidade policial fez com que os habitantes de Filadélfia expressassem sua indignação nas ruas, com saques, destruições e confrontos com a polícia, que prendeu centenas de pessoas.

Na segunda-feira (26), Walter Wallace, um homem negro de 27 anos de idade, que sofria de transtornos mentais, foi morto a tiros pela polícia na Filadélfia. Embora testemunhas digam que Walter Wallace carregava uma faca, sua mãe – que estava por perto – disse que não parecia representar um perigo iminente para os dois policiais que deram pelo menos dez tiros nele.

No final de maio, a morte de George Floyd, um afro-americano sufocado por um policial de Minnesota, gerou uma onda de protestos não vista no país e no mundo há décadas.

Os moradores de Filadélfia expressaram sua indignação nas ruas. Longe das forças de segurança tomarem conhecimento deste e de outros crimes, os casos de violência policial continuam a se repetir. Plenamente envolvido na campanha, o presidente Donald Trump evita referir-se aos casos que envolvem a polícia, mas não perde a oportunidade de falar no “caos” nos protestos, que atribui ao marxismo e aos democratas.

Nas últimas horas, funcionários do governo disseram que enviarão agentes federais para a Filadélfia se os protestos continuarem. Do outro lado, o candidato democrata Joe Biden promete que, se eleito, vai aumentar o orçamento da polícia e avançar em sua reforma.

No bairro de Cobbs Creek, familiares e vizinhos de Walter Wallace se reuniram na tarde de terça-feira (27) para exigir justiça. “Vidas negras importam?”, perguntou um dos manifestantes. “Sim!”, responderam os vizinhos.

Uma mulher que se identificou como prima de Walter Wallace, abriu as portas de seu carro para que todos pudessem ouvir o rap de Wallace. Ela chorou inconsolavelmente ao ouvir a letra que o jovem deprimido compôs sobre a violência policial. “Bem aqui! Eles atiraram no meu primo bem aqui!”, disse a mulher que não quis se identificar para o jornal “Philadelphia Inquirer”, enquanto apontava para os círculos de giz branco da cena do crime.

Na segunda-feira, Filadélfia foi palco de protestos e confrontos de manifestantes com as forças de segurança, que deixaram centenas de prisões e dezenas de policiais feridos. Alguns manifestantes saquearam empresas e puseram fogo em uma patrulha policial.

A violência estourou depois que Wallace recebeu pelo menos dez tiros de dois policiais para os quais ele não representava uma ameaça iminente, como mostra o vídeo que viralizou nas redes sociais. Os agentes foram enviados para o bairro da Filadélfia Ocidental após uma ligação anônima alertando sobre a presença de um homem com uma faca.

Segundo o pai de Wallace, ele sofria de problemas psicológicos e estava em tratamento. “Por que eles não usaram um Taser?”, ele perguntava. “Sua mãe estava tentando acalmar a situação”, acrescentou. Os dois policiais implicados no crime foram temporariamente desligados da força, mas não foram detidos.

O assassinato de Wallace ocorre uma semana antes da eleição presidencial nos EUA e no contexto dos crescentes protestos contra o racismo e a violência policial que este ano tomaram as ruas após o brutal assassinato do afro-americano George Floyd. O presidente Trump, longe de fazer eco às acusações, exige mão mais forte na repressão às manifestações e em suas viagens de campanha geralmente se apresenta como o representante da “lei e da ordem”.

Paralelamente aos casos de brutalidade policial, a impunidade é mantida na força policial. O policial que assassinou Floyd em Minneapolis, Derek Chauvin, foi solto depois de pagar uma fiança de um milhão de dólares. O mesmo destino foi o dos policiais que assassinaram a paramédica afro-americana Breonna Taylor em Louisville (Kentucky), morta durante uma busca ilegal em sua casa, e enquanto ela dormia. Nenhum dos responsáveis ​​foi acusado de homicídio.

O governo Trump colocou agentes de Segurança Interna em cidades como Portland e Seattle durante protestos meses atrás, e não descarta fazer o mesmo na Filadélfia. “Estamos monitorando a situação de perto. Estamos prontos para empregar recursos federais se necessário. O presidente Trump não tolerará a violência contra as forças de segurança dos EUA”, disse Alyssa Farah, diretora de comunicações da Casa Branca.

Fonte: Página12

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *