Semana Vermelha destaca reconciliação entre Lula e Ciro Gomes

A coluna Semana Vermelha (25 a 31/10), editada pelo jornalista José Carlos Ruy, destaca a trégua entre o ex-presidente Lula e o ex-ministro Ciro Gomes, rompidos desde a eleições de 2018. A reconciliação entre os dois pode favorecer a formação de uma frente ampla nas eleições de 2022.

Foto: Ricardo Stuckert/Instituto Lula

Reconciliação entre Lula e Ciro Gomes pode favorecer frente ampla – A longa e amigável conversa entre os líderes políticos Luís Inácio Lula da Silva [que completou 75 anos de idade no dia 27] e Ciro Gomes, na quinta-feira (29), vai muito além da reconciliação entre os dirigentes e representa uma forte luz no fim do túnel que aponta para o fortalecimento da almejada frente ampla capaz de afastar Bolsonaro e a direita da direção do Estado brasileiro na eleição de 2022. Esta foi a principal notícia da última semana de outubro, marcada também pelo recuo, e derrota, de Bolsonaro na tentativa de privatizar as Unidades Básicas de Saúde e ameaçar o SUS em sua integridade, abrindo a posibilidade de seu controle pelo capital privado. Semana em que, em visita ao estado do Maranhão, Bolsonaro cometeu grave e grosseira ofensa contra os maranhenses, pela qual será processado pelo governador Flávo Dino (PCdoB). Ao mesmo tempo, a ação contra contas suspeitas nas redes sociais levou à denúncia, ao TSE, de mais de mil disparos em massa no WhatsApp, que baniu mais de duzentas contas suspeitas. E a má fama de Bolsonaro mais uma vez  repercute no Norte – o diário “The New York Times” o iguala ao famigerado Donald Trump e o acusa de, como o presidente dos EUA, não combater adequadamente a epidemia de coronavisrus. A boa notícia é a confortável dianteira de Manuela d’Ávila na disputa eleitoral em Porto Alegre, que a comunista lidera com 24,9% das intenções de voto, segundo pesquisa de opinião divulgada na sexta-feira (23).

Luz no fim do túnel – A recente conversa que apaziguou as desavenças entre Lula e Ciro Gomes representa verdadeira luz no fim do túnel para a almejada frente ampla que possa reunir as forças políticas democráticas, avançadas e patrióticas, sobretudo na eleição presidencial de 2022. Lula, que completou 75 anos de idade no dia 27, recebeu a visita de Ciro Gomes (PDT). Os dois líderes da esquerda conversaram sobre a conjuntura política, a pandemia e o governo Bolsonaro. O gesto pode significar a retomada do diálogo mais produtivo entre os dois líderes.Na atual eleição municipal, o PT apoia 173 candidatos a prefeito do PDT, que por sua vez está em chapas encabeçadas por 134 petistas.

O recuo de Bolsonaro na privatização das UBSs – Bolsonaro recua sobre decreto da privatização de postos de saúde – Ante a repercussão negativa muito forte de sua intenção de privatizar UBSs (Unidades Básicas de Saúde), Bolsonaro desconversou, voltou atrás e, quarta-feira (28), suspendeu o decreto nesse sentido, mas justifica a ideia e ameaça reeditá-la. O decreto foi publicado e revogado um dia depois do incêndio no hospital de Bonsucesso, no Rio de Janeiro, sucateado pelo governo.

Flávio Dino afirma que irá processar Jair Bolsonaro – Após insultos a maranhenses e uso de dinheiro público para propagandas por parte de Bolsonaro, o governador do Maranhão Flávio Dino (PCdoB), disse que irá processar o presidente. Além de ofender aos maranhenses com uma piada de baixo calão, em visita oficial ao estado, Bolsonaro prometeu “eliminar o comunismo do estado”. Flávio Dino respondeu rápido: “Bolsonaro veio ao Maranhão com sua habitual falta de educação e decoro. Fez piada sem graça com uma de nossas tradicionais marcas empresariais: o guaraná Jesus. E o mais grave: usou dinheiro público para propaganda política. Será processado”, disse o governador, na  quinta-feira (29).

A farra das fake news: TSE recebe mais de mil denúncias de disparo em massa no WhatsApp – O TSE e o WhatsApp divulgaram resultados preliminares da parceria para combate à desinformação na eleição de 2020. Até agora 256 contas foram banidas pelo WhatsApp . O TSE informou, na quinta-feira (28) que recebeu 1.037 denúncias de disparos em massa de mensagens no WhatsApp. As contas do aplicativo são suspeitas de disseminar conteúdos falsos durante a eleição municipal.

New York Times critica Bolsonaro por não combater o coronavirus– Numa  análise do combate à pandemia de Covid-19, artigo do The New York Times iguala Trump e Bolsonaro por atitudes  prejudiciais ao combate do coronavírus. O jornal New York Times publicou na segunda-feira (27) uma matéria sobre como Trump e Bolsonaro prejudicaram o combate ao vírus. Disse que Bolsonaro e Trump minaram a capacidade de defesa em relação ao coronavírus de três formas: expulsão dos médicos e enfermeiros cubanos, limitação à ação da principal agência internacional de saúde no combate à pandemia e a insistência com a hidroxicloroquina como tratamento para a Covid-19, apesar da ineficácia comprovada. O texto ainda faz comparações entre o líder brasileiro e americano, destacando o viés nacionalista e ataques à ciência. O discurso a favor da economia e a postura hostil contra adversários políticos e ideológicos são outros pontos de semelhança entre ambos.

Centrais sindicais se unem para realizar ato pelo auxílio emergencial – Desde setembro, quando houve o auxílio emergencial foi cortado pela metade, as centrais sindicais têm realizado campanhas online sobre o tema. Na próxima terça-feira (3) as centrais sindicais realizarão um ato em defesa do auxílio emergencial de R$ 600. Será presencial, na frente do Banco Central, em São Paulo.

Exclusão: maioria das mulheres negras não exerce trabalho remunerado – A crise econômica, agravada sob Bolsonaro e pela pandemia de Covid-19, foi ainda mais nociva às mulheres negras. Pesquisa  “Potências (in)visíveis: a realidade da mulher negra no mercado de trabalho”, da consultoria Indique Uma Preta e pela empresa Box1824, mostra que menos da metade desse segmento exerce trabalho remunerado. A pesquisa identificou quatro principais barreiras que impedem o avanço das mulheres negras no mercado de trabalho. A primeira delas seria o mito de que essas profissionais não teriam a qualificação necessária. Outra barreira é o fato de que boa parte das contratações no País são feitas por indicação, e não por processo seletivo. As outras duas barreiras são políticas de diversidade genéricas adotadas pelas empresas e o medo das empresas de errar ao adotar ações de inclusão, que leva a uma paralisia.

Em defesa do funcionalismo público – Servidores realizam atos contra a reforma administrativa de Bolsonaro. As manifestações também foram em defesa das empresas públicas que estão na mira da privatização, como os Correios, Banco do Brasil e Caixa. Aconteceram no dia 28, Dia do Servidor Público, marcado  por mobilizações em todo o país. No começo de setembro o governo Bolsonaro enviou ao Congresso seu projeto de reforma administrativa. e contra os ataques do governo ao serviço e aos servidores públicos, um vídeo do Reconta Aí explica a nefasta reforma administrativa do governo Bolsonaro. 

13,5 milhões de desempregados – Em setembro o número de desempregados chegou à himalaica marca de 13,5 milhões, um aumento de  33,1% desde maio. Os dados foram divulgados na sexta-feira (23) pelo IBGE.

Manuela na frente em Porto Alegre – Pesquisa da Methodus divulgada na sexta-feira (23) mostra Manuela d’Ávila (PCdoB) na liderança da disputa em Porto Alegre, com 24,9% das intenções de voto, com 10 pontos à frente do segundo colocado, José Fortunati (PTB), com 14,2%. Manuela segue crescendo, tem 27% e venceria todos no 2º turno A mais recente pesquisa Ibope, divulgada na noite desta quinta-feira (29), mostra continuidade no crescimento da candidatura de Manuela d’Ávila (PCdoB) na preferência do eleitorado à Prefeitura de Porto Alegre. – Ela tem 27% das intenções de voto e venceria em todas as simulações de segundo turno feitas pelo instituto. Na pesquisa divulgada no dia 5 de outubro, Manuela contava com 24%.

Autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *