Datafolha mostra Crivella e Martha disputando o 2o. lugar no Rio

O ex-prefeito Eduardo Paes (DEM) está isolado na liderança e não houve grande variação na tendência entre os principais candidatos. Levantamento foi feito nos dias 3 e 4 de novembro.

Datafolha no Rio de Janeiro

Alvo de ataques dos adversários, a delegada Martha Rocha estacionou, enquanto votos indecisos vão para eles. Ambos associaram sua chefia na Polícia Civil ao ex-governador Sérgio Cabral e a supostos maus resultados em sua gestão policial. Com isso, sua rejeição aumentou de 7% para 11% e num segundo turno perdeu vantagem.

Crivella também apresentou, no período, apoio de Bolsonaro na televisão. No entanto, sua imagem tem sido desgastada por cinco pedidos de impeachment na Câmara Municipal. Ele também tem condenação na Justiça Eleitoral do Estado, embora tenha suspendido os efeitos da Lei da Ficha Limpa na análise de sua candidatura.

Uma tendência significativa da pesquisa seria uma variação para baixo da candidata petista Benedita da Silva, enquanto o candidato do PSL, Luiz Lima, sobe, podendo tomar seu lugar na disputa pelo segundo turno.

O eleitorado de Eduardo Paes estaria concentrado entre mais velhos, com melhor renda e antibolsonaristas. O atual prefeito Marcelo Crivella (Republicanos) perde para Martha Rocha (PDT) entre os com mais renda e católicos, concentrando sua votação entre mais pobres, evangélicos e que aprovam Bolsonaro.

O segundo turno mais desvantajoso para Eduardo Paes seria com Martha Rocha, em que o ex-prefeito (2009-2016) teria apenas 6 pontos à frente da pedetista, com 44% x 38%. Sobrariam para disputa 18% de indecisos. Crivella (25%) é quem teria mais desvantagem num segundo turno com Paes, com menos votos que Benedita da Silva (27%), por exemplo.

Todos os nomes mais conhecidos da cidade acumulam o maior percentual de rejeição. A quantidade de eleitores que não votariam de jeito nenhum num deles é: Crivella (57%), Paes (33%) Benedita (30%) e Clarissa Garotinho (29%). O percentual do atual prefeito é suficiente para impedí-lo de chegar a um segundo turno. Estes mesmos nomes são também os mais citados na pesquisa espontânea, quando a intenção de voto é questionada sem apresentação de sugestões.

A pesquisa foi encomendada pela TV Globo e pelo jornal “Folha de S.Paulo”. Tem margem de erro de 3 pontos percentuais para mais ou para menos, com 95% de confiança.

Foram ouvidos 1.064 eleitores da cidade do Rio de Janeiro entre 3 e 4 de novembro e registrada na Justiça Eleitoral sob o número RJ-02176/2020

Autor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.