Marília Campos dispara na liderança pela Prefeitura de Contagem

A candidata lidera tanto na pesquisa estimulada quanto na espontânea com índices acima de 50%. Enfrentar a crise social e sanitária nos pós-pandemia da Covid-19 e combater o desemprego são destaques em sua campanha

(Foto: Divulgação)

A deputada estadual Marília Campos, do PT, que já governou Contagem, cidade na Região Metropolitana de Belo Horizonte, continua liderando com bastante folga as intenções de voto na disputa pela prefeitura. A candidata faz parte de uma aliança com o MDB, PCdoB e PSB. O candidato a vice pela coligação é o fisioterapeuta e ex-deputado estadual Ricardo Faria, do MDB.

De acordo com o levantamento da Axio – Inteligência e Pesquisa, realizado no período de 4 a 6 de novembro, a petista está com 51,67% das intenções de voto na pesquisa estimulada, índice que é superior à soma de todos os demais candidatos.

Felipe Saliba (DEM) aparece em segundo lugar, com 12%, seguido por Doutor Wellington (Republicanos), com 7,67%. Professor Irineu (PSL) tem 3,5% e Ivayr Soalheiro (PDT), 2,67%.

Na modalidade espontânea, onde os nomes das candidaturas não são informados aos entrevistados, Marília Campos também lidera com 34,17%, seguida por Felipe Saliba (8,17%), Doutor Wellington (5,67%), Ivayr Soalheiro (2,33%), Márcio Bernardino (1,33%) e Coronel Fiúza (1%).

E quando a pesquisa faz a pergunta “independente da sua intenção de voto, quem será o próximo prefeito de Contagem?”, a candidata petista dispara novamente na frente com 66,67% na pesquisa. Todos os demais candidatos não chegam a alcançar nem 5% das intenções de voto.

Crise social pós-pandemia preocupa

Marília governou Contagem no período de 2005 a 2012 e está em seu terceiro mandato como deputada estadual de Minas Gerais.

Durante os seus dois mandatos como prefeita de Contagem, ela investiu muito em saúde, assistência social com implantação do SUAS, obras de infraestrutura, saneamento, investimentos em habitação popular e pavimentação de vias. E ainda recuperou a credibilidade da administração pública do ponto de vista orçamentário e financeiro e melhorou a arrecadação da cidade, retomando a sua capacidade de disputar projetos e fianciamentos.

Marília critica o atual prefeito de Contagem, Alex de Freitas (sem partido) e que não está disputando a reeleição, a quem ela acusa de fazer o governo distante da população, sem dar atenção aos problemas cotidianos e que governou de dentro do seu gabinete.

Para uma futura gestão da cidade, candidata está preocupada com as consequências da crise sanitária provocada pela pandemia do novo coronavírus, principalmente na questão social. Ela espera uma crise social muito grave, pois as pessoas vão estar sem emprego e sem o auxílio emergencial que deve ir só até dezembro deste ano. Assim, as prefeituras em todo o país terão que lidar com uma crise social muito maior do que a verificada durante a pandemia.

Além disso, outras demandas sérias estão concentradas nas áreas da saúde, principalmente com relação às consultas especializadas e cirurgias eletivas; na educação, a prioridade é será na fase da infância e também o problema da moradia que tem focos nas áreas de risco com déficit habitacional muito grande que só poderão ter solução com programas que funcionem no modelo do Minha Casa, Minha Vida.

Fonte: PT Notícias

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.