Carrefour deve receber mais um grande protesto em suas portas

Até protesto pela morte brutal de uma cadela por seguranças do Carrefour já mobilizou multidões. Agora, a rede recebe manifestações por todo o Brasil.

Manifestação do movimento negro no Carrefour de Brasília (Foto: Divulgação)

Depois que um homem negro foi espancado e morto por dois seguranças – um deles policial militar temporário – em um supermercado Carrefour em Porto Alegre, muitos internautas começaram a marcar um protesto para hoje, às 18h, no local. Além do ato na loja do bairro Passo D’Areia, onde Freitas foi espancado até a morte, já houve manifestação em uma outra unidade do Carrefour na cidade.

Candidata a prefeita da cidade, Manuela D’Ávila (PCdoB) se manifestou sobre o assunto e até convidou o influenciador Felipe Neto para participar do protesto, na loja do bairro Passo D’Areia. Manuela publicou no Twitter que viu as imagens da agressão assim que saiu do debate na Band. Ela disse que existe um “pedido de investigação sendo feito por parlamentares e pela bancada antirracista recém-eleita”.

A deputada federal Fernanda Melchionna (PSOL), que foi candidata a prefeita de Porto Alegre, também chamou atenção para o protesto.

A vítima era participante de uma torcida organizada de futebol do time São José, que também fez convocação para um protesto hoje. “Estaremos no Carrefour Passo D’areia o dia todo, não vai ficar assim, queremos justiça, fizeram covardia com 1 irmão, agora segurem o Bonde da zona norte”, divulgou a torcida nas redes sociais.

Pelo país

Além desses protestos em Porto Alegre, tem manifestações marcadas em outras cidades do Brasil. Às 16 horas, há um protesto marcado em São Paulo, com concentração no MASP, na Avenida Paulista, e caminhada até a unidade do Carrefour na Avenida Brigadeiro Luís Antônio.

Em Osasco, por exemplo, há um chamado para manifestação a partir das 17h de hoje, na Ponte Metálica. Essa unidade do Carrefour também já ficou conhecida por sua violência. Em 2018, por exemplo, o cachorro Manchinha foi morto com uma barra de ferro por um segurança do local.

Em Belo Horizonte, o ato está marcado para as 15h desta sexta-feira (20) em frente ao Carrefour do Centro da capital, que fica entre a Avenida Afonso Pena e a Rua dos Guajajaras. 

Manifestantes protestaram nesta 6ª feira em uma unidade do Carrefour localizada na Asa Sul, em Brasília. A Fundação Palmares, do Governo Federal, acabou escapando de um protesto maior, devido ao assassinato em Porto Alegre. Os manifestantes deixaram o órgão do governo e seguiram para o estabelecimento comercial. A Fundação Palmares, criada para o combate ao racismo, tem sido um espaço de disseminação racista institucional, segundo os movimentos. No ato em Brasília, os manifestantes protestaram em frente a uma unidade do supermercado, depois entraram no local.

Às 16h, haverá um ato no Rio de Janeiro, no Carrefour da Av. das Américas, 5150, na Barra da Tijuca.

Autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *