Ensino privado desiste de ação judicial de volta às aulas na pandemia

Para federação de professores da rede privada ação de donos de escolas fere ciência e prefeitura errou ao precipitar volta às aulas no ensino médio

Para maioria dos brasileiros, não deve haver retorno às aulas presenciais — Foto: Divulgação/Secom

O Sieeesp, sindicato que representa as escolas particulares do estado de São Paulo, desistiu de processo movido contra a prefeitura da capital paulista. Na ação, pedia a volta às aulas para todas as etapas da educação básica – infantil e fundamental.

Em manifestação no último dia (1), véspera do feriado da Consciência Negra, a juíza Renata Barros Souto Maior Baiao reconheceu a desistência do processo pelo Sieeesp e oficiou o Ministério Público. Em despacho de 12 de novembro, o promotor João Paulo Faustinoni e Silva, do Grupo de Atuação Especial de Educação do Ministério Público de São Paulo, manifestou-se contra a concessão de decisão liminar e recomendou encaminhar o processo para manifestação da Prefeitura.

O sindicato dos professores da rede privada (Sinpro-SP) também contestou a ação do Sieeesp, pedindo pela improcedência da ação dos donos de escola pela volta às aulas presenciais. No dia seguinte à manifestação do MP o Sieeesp resolveu abandonar a ação.

Apesar disso, o sindicato patronal insiste em sua postura. Ainda nesta segunda (23), publicou manifesto médico de que crianças pegam mais o coronavírus em casa, do que na escola. Ignora-se, no entanto, o impacto deste contágio em funcionários e professores mais vulneráveis à gravidade da doença.

Na própria reportagem do Sieesp, admite-se a preocupação com o crescimento da quantidade de casos de Covid-19 na capital paulista, “que tem atingido principalmente as classes mais altas”. Relata, por exemplo, que, na semana passada, a escola americana Graded School, de São Paulo, teve de suspender aulas presenciais de alunos do ensino médio e outras turmas mais novas por surtos de Covid-19 entre alunos e professores. A contaminação, segundo carta enviada aos pais, teria sido causada por festas com centenas de adolescentes de vários colégios este mês.

Protocolo parcial

O decreto municipal 59.860, assinado em 23 de outubro pela prefeitura de São Paulo, chegou a permitir a retomada de atividades presenciais no ensino médio. Mas não incluiu permissão para atividades no ensino infantil (até 5 anos) nem no fundamental (6 aos 14 anos). O Sieeesp argumentava, em sua ação, que a decisão “não teria amparo científico e violaria o princípio da isonomia”.

O Sinpro-SP denunciou o fato do protocolo não prever nada a respeito dos procedimentos nas escolas se um aluno ou professor testar positivo. Com isso, as escolas particulares agem como acharem melhor. Foi o caso de uma escola, em que os professores só souberam da disseminação da doença na escola, ao ter acesso ao comunicado aos pais.

protocolo do governo Dória, que contou com a participação ativa das entidades patronais da rede privada, não traz nenhuma orientação  na ocorrência de contato, na escola, com alguém assintomático. Limita-se a recomendar (esse é o termo usado) que pessoas com sintoma para Covid-19 não devem permanecer na instituição de ensino ou fiquem isoladas até que possam voltar para casa. Ora, a pessoa sintomática nem deveria entrar na escola!

Quanto ao protocolo da Prefeitura, ele prevê a hipótese de contato, mas limita-se a orientar a limpeza do local e informar os pais e funcionários que tiveram contato com a pessoa positivada.  O documento também determina (não é apenas uma recomendação) que estudantes e funcionários sintomáticos permaneçam isolados até voltarem para casa e só poderão voltar para a escola após liberação médica.

Alguns poucos estabelecimentos suspenderam todas as atividades presenciais, outros, apenas parcialmente e outros, ainda, limitaram-se a informar quem teve contato.

Protocolos foram feitos num ambiente de muita pressão para que as escolas pudessem ser abertas a qualquer custo. No governo Dória, a formulação do protocolo contou  com a participação ativa das entidades patronais.

Volta às aulas precipitada

A Fepesp – federação estadual de professores de escolas privadas – chegou a condenar, inclusive, a decisão da gestão do prefeito Bruno Covas de liberar a volta às aulas no ensino médio e também a ação do Sieeesp. “Consideramos a volta às atividades presenciais precipitada, por expor professores, funcionários e todos os envolvidos no ecossistema escolar ao risco de contágio pela aglomeração provocada em salas de aula ou no transporte público”, diz a Fepesp, em nota.

“O risco está ainda presente e não foi por outro motivo que insistimos – e conquistamos na Justiça – na proteção especial não só a profissionais de educação em grupos de risco. Mas também a todos os docentes que residem com pessoas idosas, com comorbidades, que estejam se recuperando do parto. E, assim, incluídas nos grupos de risco.”

Com informações da Rede Brasil Atual

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *