Uma estátua em verso para Mary Burns, companheira de Engels

Não pode haver dúvida de que Mary Burns foi fundamental para apresentar Engels às condições horrendas do proletariado de Manchester.

O jovem Friedrich Engels. Não há nenhuma foto conhecida de sua companheira Mary Burns.| Foto: Domínio público

Neste 28 de novembro se comemoram os 200 anos do nascimento de Friedrich Engels, que tinha uma ligação muito pessoal com a Irlanda. Quando chegou a Manchester, em 1843, enviado por seu pai para ajudar a dirigir a fábrica têxtil da família, ele conheceu Mary Burns, que tinha então 20 anos e era filha de um tintureiro irlandês, e ela própria trabalhadora na propriedade de Engels. Em 1845, Mary acompanhou Engels a Bruxelas; em 1846, ele se referiu a ela, em uma carta, como “minha esposa”. Em Bruxelas, os dois compareceram a reuniões políticas e conheceram o amigo de Engels, o poeta revolucionário alemão Georg Weerth, que tinha um grande interesse na Irlanda. Weerth escreveu o poema “Mary”, um dos poucos documentos contemporâneos que se refere a ela:

Mary

Da Irlanda ela veio com a maré,
Ela veio de Tipperary:
“Laranjas frescas e boas à venda”
Então chorou nossa moça Mary.
E mouro, persa e marrom,
Judeus, gentios exagerados –
Todas as pessoas da cidade comercial,
Eles vieram e compraram e compraram….
E com o dinheiro que ela ganhou
Com mandarinas douradas suculentas,
Ela correu para casa determinada
Seu rosto em linhas de ira.
Ela pegou o dinheiro e guardou num cofre;
Tesouro até janeiro,
Para a Irlanda rápido e seguro ela enviou
O dinheiro, Mary também.
É pela salvação da minha terra,
Eu entrego isso aos seus cofres!
Levante-se e afie suas armas.
Incite ódios antigos!
A Rosa da Inglaterra se esforça para sufocar
Trevos de Tipperary
Saudações calorosas ao melhor dos caras,
O’Connell, de nossa Maria.

De acordo com o poeta Weerth, Mary era uma vendedora de frutas de rua, não uma operária, mas, é claro, ela poderia ser as duas coisas. Ela era uma jovem patriota irlandesa, cuja família cruzou o mar da Irlanda para trabalhar nas fábricas satânicas de Manchester. Como Engels, aos 24 anos, escreveu em A situação da classe trabalhadora na Inglaterra, (1845): “A rápida expansão da indústria inglesa não poderia ter ocorrido se a Inglaterra não tivesse possuído na numerosa e empobrecida população da Irlanda uma reserva de mão de obra.”

Os irlandeses também trouxeram uma tradição de luta. Muitos se envolveram com o sindicalismo e Feargus O’Connor, altamente considerado por Marx e Engels por sua compreensão de classe, foi eleito para o Parlamento inglês em 1847, como o primeiro deputado cartista.

Não pode haver dúvida de que Mary Burns foi fundamental para apresentar Engels às condições horrendas do proletariado de Manchester. Ela conhecia intimamente as condições das famílias no trabalho e em nos bairros populares afetados por tifo e cólera.

A situação nas famílias proletárias levou Engels muito mais tarde a notar em “A origem da família, da propriedade privada e do Estado” (1884): “agora que a grande indústria tirou a esposa de casa e a levou para o mercado de trabalho, para a fábrica, e muitas vezes fez dela a ganhadora do pão da família, nenhuma base para qualquer tipo de supremacia masculina é deixada na casa proletária – exceto, talvez, por algo da brutalidade com as mulheres que se espalhou desde a introdução da monogamia.”

Engels entendia que o casamento e a família estavam diretamente ligados ao sistema de classes proprietárias, por meio do qual o acúmulo de riqueza levava ao casamento formal, à monogamia estrita por parte da mulher e à subjugação feminina. “[E] na proporção do o aumento da riqueza, tornou a posição do homem na família mais importante do que a da mulher e, por outro lado, criou um impulso para explorar essa posição fortalecida a fim de derrubar, em favor dos filhos, a tradicional ordem de herança. Isso, entretanto, era impossível enquanto a descendência seguisse o direito materno. O direito materno, portanto, teve que ser derrubado e foi derrubado”.

“A derrubada do direito materno foi a derrota histórica mundial do sexo feminino. O homem também assumiu o comando da casa; a mulher foi degradada e reduzida à servidão, ela se tornou escrava da luxúria do homem e um mero instrumento para a produção de filhos”, disse ainda Engels.

Engels decidiu nunca se casar. Ele viveu primeiro com Mary Burns como companheira e depois de sua morte prematura, com sua irmã Lydia (Lizzie). Para fazer isso, ele efetivamente levou uma vida dupla. Uma, em uma residência oficial como gerente de fábrica, e outra, na casa suburbana que alugou no nome de Mary e Lizzie, e esta foi sua verdadeira casa.

Em 1856, Engels e Mary visitaram a Irlanda juntos. Após essa viagem, ele escreveu a Marx: “A Irlanda pode ser considerada a primeira colônia da Inglaterra” e “Nunca pensei que a fome pudesse ser uma realidade tão tangível.”

Mary e Lizzie estiveram muito envolvidas com a libertação irlandesa e apoiaram a luta por uma Irlanda independente. Com apenas 40 anos, Mary morreu repentinamente em 8 de janeiro de 1863. Ela foi parceira de Engels por 20 anos. Ele ficou profundamente abalado com a incapacidade de Marx de responder com compaixão; quase quebrou a amizade deles.

Após a morte de Mary, Engels e Lizzie foram morar juntos. Foi sua a casa que Marx visitou várias vezes, assim como sua filha Eleanor, que se tornou amiga de Lizzie e, por influência dela, tornou-se uma patriota irlandesa. Lizzie era membro da Fenian Society, e Engels a descreve como uma “revolucionária irlandesa”. Há indícios de que Lizzie ingressou na Primeira Internacional logo após sua fundação em 1864.

Em 1867, quando dois fenianos, o coronel Kelly e o capitão Deasy, também veteranos da Guerra Civil dos EUA, foram capturados pela polícia de Manchester para serem levados a julgamento, Lizzie se envolveu na conspiração, em última análise, malsucedida para resgatá-los. Paul Lafarge sugere que ela pode até tê-los escondido por algum tempo. Após sua execução, Engels escreveu a Marx: “Então, ontem de manhã, os conservadores … realizaram o ato final de separação entre a Inglaterra e a Irlanda. A única coisa que faltava aos fenianos eram os mártires”. Engels e Marx, embora partidários ferrenhos da emancipação irlandesa, não eram devotos dos fenianos. Tanto na casa de Marx quanto na de Engels / Burns, as mulheres expressaram seu apoio aos fenianos usando fitas verdes e pretas em sinal de luto.

Em setembro de 1869, Lizzie, Engels e Eleanor Marx, que tinha 14 anos de idade, passaram três semanas na Irlanda. A visita deles coincidiu com um renascimento do movimento de libertação, desencadeado pela demanda de anistia para os fenianos presos pelos britânicos. Dezenas de milhares de pessoas participaram nas ruas de Dublin e Limerick. Lizzie e Eleanor “voltaram ainda mais libertárias do que antes”. Engels elaborou um plano para escrever um estudo abrangente da Irlanda e começou a pesquisar sua história.

Lizzie e Engels se mudaram para Londres, para 122 Regents Park Road, Primrose Hill, em setembro de 1870, a apenas 10 minutos a pé de Marx, cuja casa se tornou um centro para o movimento socialista. Lizzie não estava bem há algum tempo e morreu em 12 de setembro de 1878. Uma medida do amor de Engels pode ser vista em seu casamento com Lizzie na noite de sua morte. Em sua certidão de óbito, sua ocupação é dada como ex-fiandeira de algodão. Em uma carta, Engels escreve a Julie Bebel (1843-1910, esposa de August Bebel): “Ela era de origem proletária irlandesa genuína e seu sentimento apaixonado e inato por sua classe era de muito mais importância para mim e me ajudou a melhorar em todos os momentos críticos em maior extensão do que todas as filhas da burguesia pseudo-intelectuais e astutas ‘finamente educadas’ e ‘delicadas’ poderiam ter feito.”

Fonte: “People´s World”

Autores

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *